Blog do Menon

Arquivo : dudu

Chama o Dudu, Tite!!! Chama um goleiro, Ceni!!!
Comentários Comente

menon

Pelo viés do erro, há várias explicações para o gol de Dudu. 1) Douglas passou na fogueira para Buffarini. 2) Buffarini foi mole na bola e perdeu para Egídio. 3) Denis estava mal colocado. Não é a questão de estar adiantado. Estava adiantado sim, mas de modo errado. Sem dar opção para receber a bola. E sem condição de fazer a defesa.

Tudo bem. O são-paulino tem motivos para estar aborrecido. Mas…

Mas o gol foi pura arte. Se todo mundo errou, a bola chegou nos pés de quem sabe jogar bola. Jogar muita bola. Dudu foi perfeito. Um golaço. Rápido no raciocínio. Toque ótimo na bola. Gol de craque.

Dudu merece estar na seleção há tempos. Tite precisa dar uma chance a ele. Aliás, já deu. E Dudu aproveitou, jogando muito bem contra a Colômbia.

O gol foi aos 47 minutos do primeiro tempo e deu um grande fôlego ao Palmeiras. O time foi melhor desde o primeiro momento, marcando muito fortemente a saída de bola do São Paulo. O time de Ceni ficou acuado, apostando em um contra-ataque que nunca apareceu.

Com o placar adverso, Ceni mudou. E errou. Ele colocou Nem, para fazer um tridente com Pratto e Araújo. Ficou com o time mais exposto e sem armação. Criou-se um grande espaço para o Palmeiras jogar.

E jogou muito. Fez o segundo com um belo chute de Tchê Tchê. Talento puro contra um goleiro que foi mal na bola. Ceni, então, tirou Schmidt para colocar Lucas Fernandes. Enfim, procurou alguém que pausasse o jogo, que armasse alguma coisa. Procurou um Cueva. Não achou.

O Palmeiras, com o jogo dominado, colocou Keno para descansar Dudu. Olha aí a qualidade do elenco. Trocou também William por Borja. Depois do terceiro, Ceni tirou Luiz Araújo para colocar Araruna e evitar a goleada.

Importante ver como Ceni foi sempre à reboque do Palmeiras. Sofreu um gol, abriu. Sofreu mais um, abriu. Sofreu o terceiro, fechou.

Ceni, que faz um trabalho admirável, cometeu um grande erro na montagem do elenco. O time não vai chegar a lugar nenhum com Denis. E com Sidão.

O Palmeiras vai longe, com Dudu

Tags : dudu


Palmeiras vence São Bernardo e a frescura
Comentários Comente

menon

Dudu foi o comandante da vitória verde contra o São Bernardo. Fez o primeiro gol e sofreu o pênalti que resultou no segundo. Foi um jogo de dois times bem montados e organizados. O São Bernardo defende bem e não rifa a bola. Sai da defesa tocando a bola, trocando passes. O Palmeiras sofreu apenas um gol em três jogos. Está bem na defesa, mas ainda erra na frente. Natural, quando se vê Guerra ainda desentrosado e quando não se ve Borja em campo.

Há alguns problemas técnicos. O maior, no momento, é Roger Guedes, que foi tão bem no ano passado. O time melhorou muito quando Michel Bastos o substituiu. Entrou com muita vontade, chutando forte, como é seu estilo. Enfim, é um time que vai crescer.

Ainda não é hora de show. É preciso calma.

E o Palmeiras crescerá com tranquilidade e em maior velocidade, cobrança exagerada. E se não houver frescura. Como fez Dudu. Qual o sentido em fazer um gol em momento duro, com jogo empatado e não comemorar? Sinceramente, é uma criancice sem tamanho. Coisa de garoto mimado, o que Dudu não é. Ou não deveria ser, por usar a cinta de capitão do time.

 

Novamente a torcida palmeirense teve dificuldades para chegar ao estádio e para fazer festa fora dele. Nas redes sociais, falava-se em uma decisão da diretoria. Frescura.

O futebol brasileiro tem tantas dificuldades – times sem dinheiro, europeus e chineses levando astros, campos ruins, árbitros sem qualidade, entidade dirigida por corruptos – e ainda esbarra em muita frescura, muita coisa de gente mimada, leite com pera…

Os jogadores do Santos, irritadíssimos com a comemoração de Cueva, com a mão em curva na orelha. A comemoração foi imortalizada por Juan Roman Riquelme. Foi feita por Cueva em todos os gols que fez pelo São Paulo, pelo menos nove. Mas é preciso jogar para a torcida. E la foi Leandro Donizete, comandando Thiago Maia e Yuri. Pressão no juiz, um banana. Amarelo para o jogador.

E o amarelo para Willian no jogo do Palmeiras contra o São Bernardo. Ele se enroscou no pé do zagueiro e caiu. Não foi penalti. E não foi simulação. Foi um choque, apenas isso. Mas levou o amarelo.

Quer outra frescura? Treinador colocando a mão na boca para falar com jogador que vai entrar em campo. Eduardo fez assim com Michel Bastos e Veiga. Será que o São Bernardo tem um especialista em casa, de frente para a televisão, para decifrar a instrução? Se tiver, o que faria? Ligação imediata para o treinador Vieira? É muita obsessão com segurança, é muita paranoia. Frescura.

Ceni fez o mesmo no jogo contra o Santos, na saída do primeiro tempo. Foi conversando com a mão na boca. Na boa, acho que fica até difícil para o jogador entender o que o treinador quer falar.

Tudo muito chato, não acham?


Eduardo Baptista não merece a cornetagem
Comentários Comente

menon

Desde o ano passado, todo jogador apresentado no Palmeiras – e são dezenas – chega ao clube falando em vencer o Mundial. Midia cornetatraining na veia. É proibido ter moderação. Se alguém chegar e dizer que é quase impossível vencer o campeão europeu é capaz de ser tratado como traidor.

A estratégia presidencial – de onde mais viria? – atingiu Eduardo Baptista. Não que ele tenha sido obrigado, mas entrou na onda. Chegou falando em obrigação de ganhar títulos. Palavras que soam como anjos cantando Bach para uma torcida orgulhosa do seu clube – com toda a razão – e se deslumbra com a quantidade de dinheiro e de jogadores chegando.

Para que Willian, se Borja viria? Para que Hyoran? É para ter elenco capaz de ganhar tudo. A quádrupla ou quíntupla coroa. Então, começa o ano. Empate com Chape, com Ponte, vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo e derrota contra o Ituano, também por 1 a 0.

Onde estão as goleadas? Onde está o time que vai ganhar tudo? A ansiedade toma conta das redes sociais e das discussões palmeirísticas. A culpa, evidentemente, passa a ser do treinador. É o mordomo da vez. A sombra de Cuca, como se fosse um grande eclipse, toma conta do clube.

Mas, Eduardo Baptista merece que as cornetas soem? Vejamos:

1) Cuca quis sair – Foi uma decisão dele e não do clube. Não houve injustiça, não houve demissão. Então, Eduardo não pode ser criticado porque Cuca não está mais.

2) Ideias diferentes – Eduardo tem ideias próprias sobre futebol. Ideias diferentes do abc de Cuca. Ele não gosta de marcação individual, prefere por zona. Não gosta de laterais que vão até o fundo, prefere que entrem em diagonal. Gosta de jogar com um volante fixo. Tem direito de ser fiel às suas ideias. Se fosse para pensar como Cuca, que ficasse o Cuquinha.

3) Moisés e Tche Tche – São dois jogadores que se tornaram pilares de Cuca. E Eduardo quer contar com eles, mas ainda não conseguiu. Moisés estava machucado e jogou Tche Tche. Moisés está voltando e Tche Tche se machucou. Esperemos que voltem para que Eduardo possa ser criticado.

4) Tempo para o time ideal – Acredito que Eduardo vá escalar Prass, quatro zagueiros, e Felipe Melo como volante. Depois, terá Tche Tche na direita e Dudu na esquerda com Moisés e Guerra no meio. Borja no ataque. Ainda não conseguiu que esta ideia se materializasse, por contusões e porque Guerra mal chegou e Borja ainda não estreou.

Eu não sou daqueles que defendem um ano de trabalho ao treinador antes que possa ser cobrado. Não sou contra demissão. Até acho que o Palmeiras decepcionou, mas Eduardo merece mais um tempo. Pelo menos até o quinto jogo, quando enfrentará o Corinthians. Até lá, já é possível cobrar um pouco mais do que agora. Por enquanto, é cornetagem exagerada.


Eduardo e Rogério: um muro que não separa ideias convergentes
Comentários Comente

menon

eduardomonica2Renato Russo embalou muita gente com a descrição do amor improvável entre Eduardo, do camelo, e Monica, da moto. Diferenças que englobavam Bandeira, Bauhaus, Van Gogh, Mutantes, Caetano, Rimbaud, novela e um avô que jogava futebol de botão. Um muro ideológico a separa-los. Um muro físico separa outro Eduardo, o Baptista, de Rogério, o Ceni.

Um muro a separar ideias semelhantes. Foi o que se viu na apresentação do novo treinador do Palmeiras e na segunda entrevista coletiva de Ceni, ao lado de Michael e Charles, seus auxiliares mais próximos. Com três horas de diferença falaram de visões parecidas e que apontam para um 2017 instigante

E o que os une?

VERSATILIDADE – Ambos trabalharão para ter equipes que possam mudar de esquema sem que necessariamente haja a troca de jogadores. Baptista chegou a mostrar um Dudu parecido com Elias, no 4-1-4-1. Um meia por dentro, capaz de chegar na área, mas também de recuar e marcar como volante. Ceni explicou a opção por Foguete e não por Auro por ver nele capacidade de jogar como lateral, de fazer o fundo em uma linha de três e ainda de ser um volante. Aí, há uma diferença brutal: Dudu é um jogador pronto e Foguete está começando agora. Não é uma coincidência, pois o elenco de Eduardo é mais caro e famoso, enquanto o de Ceni tem 14 dos 28 jogadores vindos da base.

TODOCAMPISTA E NAO MEIO-CAMPISTA – Eduardo foi explícito: “não gosto de falar em volante, para mim tem de ser jogador de meio campo. Tem de marcar e passar. Não adianta tirar a bola e não saber o que fazer com ela. Não adianta só passar e não saber marcar”. Ceni não falou, mas autorizou a saída de Hudson e está muito ansioso para que a diretoria consiga manter João Schmidt no elenco. Aqui, outra diferença: Ceni quer 28 jogadores e Baptista prefere 33.

OBSESSÃO – Rogério Ceni tem trabalhado 13 horas por dia com seus auxiliares para assimilar o melhor treinamento que será feio no dia seguinte. Eduardo Baptista, durante o último mês, viu 41 jogos do Palmeiras, 38 deles do Brasileiro e três do Paulista, quando o time estava mal. Os dois disseram que o treino não termina quando acaba e que o pensamento é sempre na bola.

BUSCA DO CONHECIMENTO – Eduardo Baptista terminou agora o curso da CBF, que lhe garante a licença A. Rogério Ceni abandonou os estudos na Inglaterra quando seu sonho de ser treinador do São Paulo – ele se ofereceu ou foi convidado? – se concretizou. São dois ex-jogadores (Rogério com história no futebol brasileiro e Eduardo restrito ao Juventus) que não se conformaram com os conhecimentos táticos dos tempos de boleiro.

Enfim, vai ser bacana o encontro entre ambos. Como Ceni reagirá quando Jean deixar a lateral para ser um volante? E quando Guerra,eduardomonica ao Palmeiras perder a bola, deixar de ser um terceiro homem de meio para ser um volante? E o que Baptista fará quando Breno e Rodrigo Caio abandonarem a linha de três para serem volantes? E quando Cícero deixar de ser volante para virar um meia ofensivo, com bom cabeceio? Alias, a transformação de Cícero em volante foi reivindicada por Eduardo Baptista em seus tempos de Fluminense? E David Neres será um ponta um ala? Qual dos dois obrigará o outro a ter uma posição reativa em campo, sufocado em seu campo? Quem sufocar o outro, terá de ter muito cuidado com contra-ataques puxados por Cueva, Guerra, Jean, Cícero, Roger Guedes, Neres, Dudu, Wellington Nem.

Vai ser bom, amigos. Não há muro que separe boas ideias.


Palmeiras vence ótimo rival e péssimo árbitro
Comentários Comente

menon

O vaticínio de Paulo Nobre há dois anos – sempre ironizado pelos rivais –  começa a se cumprir. Ou, pelo menos se fez realidade contra o Grêmio. O Palmeiras empolgou. Não só por haver vencido um adversário que vinha de três vitórias e ainda não havia sofrido gols, mas pelo modo intenso como se comportou, tanto na defesa como no ataque. Com falhas, sim, mas com um posicionamento aguerrido que foi importante para os três pontos.

duduporcoFoi um grande jogo de Dudu. Ao contrário de seu homônimo das histórias em quadrinho do Popeye, não é gordo, não é lento e nem come hamburger, É rápido, técnico e briguento. Em comum, apenas a voz pausada.

O primeiro gol foi uma mostra do que viria. Passe perfeito de Dudu, entre as pernas do volante e decisão correta de Gabriel Jesus. O Gremio reclamou de uma falta de Alecsandro em Wallace. Se foi, foi fraca. E se transformou no primeiro erro do péssimo Marinelson. Por causa do árbitro, o Grêmio conseguiu fazer justiça ao seu melhor momento no jogo e empatou, em impedimento de Bressan, no finalzinho do primeiro tempo. Nesse período entre os dois gols, o Gremio triangulou muito pelos lados, avançou seus volantes e dominou o Palmeiras. Que soube se defender.

No segundo tempo, o surpreendente Edílson deu o drible da vaca em Moisés e cruzou para Giuliano. Em seguida, Roger Guedes empatou em uma puxada maluca. Sem ângulo.

Então, se viu o melhor Palmeiras. Muita velocidade, com Roger Guedse, Gabriel Jesus e Dudu. E ótimo aproveitamento em bolas paradas. Dois passes de Dudu, dois gols de defensores.

Ainda houve tempo para Edilson surpreender novamente. Chute forte, que Prass não pegou.

No domingo, em Brasília, contra o Flamengo, o Palmeiras tem a terceira chance de vencer fora de casa. O Grêmio recebe a Ponte


Palmeiras é o meu favorito ao título
Comentários Comente

menon

academiasegundaacademiaO Palmeiras não é o time maravilhoso que, em 1965, teve a honra de vestir a camisa da seleção brasileira e enfrentar o Uruguai naquele 7 de setembro que inaugurou o Mineirão. Valdir, Djalma Santos, Djalma Dias, Waldemar Carabina e Ferrari, Dudu e Ademir, Julinho, Servílio, Tupãzinho e Rinaldo. A primeira Academia, formada pelo argentino Filpo Nunes.

Não é a segunda Academia. Um time que todos da época, torcedores ou rivais, sabem de cor. Começa com Leão e termina em Nei. LeãoEuricoluispereiraalfredoezeca;dudueademir;eduleivinhacesarenei.

 

Também não é o time espetacular que venceu o bicampeonato brasileiro em 93 e 94, com Edmundo, Evair, César Sampaio, Edilson, Zinho, Mazinho, Antônio Carlos, Roberto Carlos, Cléber….

palmeiras9394Não é. Mas quem é?

Hoje, um favorito não depende apenas de suas qualidades. Há outros fatores em jogo: se o rival terá desfalques pela Libertadores, o que a janela fará com os elencos, quem virá para reforçar o time. Antigamente, um time se mantinha por décadas ou anos. Hoje, o time que faz o primeiro jogo é diferente do que termina o 38º. Quem está aqui, pode ir para lá.

É difícil apontar o favorito. Principalmente, porque a opinião fica gravada e serve para cobranças enormes nas redes sociais.

Mas o Palmeiras é favorito.

1) Tem um bom elenco

2) Tem um bom time

3) Tem dinheiro para melhorar o bom time

4) Tem um bom treinador

5) Chega em ascensão anímica. Não foi eliminado com derrotas. Na Libertadores, saiu após um 3 x 3 espetacular em Rosario e uma goleada sobre o River. No Paulista, caiu nos pênaltis.

Os três primeiros jogos do Palmeiras são Furacão, em casa, Ponte, fora e Fluminense, em casa. Pode chegar com nove pontos à quarta rodada, quando enfrenta o São Paulo, no clássico.

Os rivais estão com mais problemas.

O São Paulo pode perder muitos jogadores: Calleri, Maicon e Rodrigo Caio.  Vai formar seu elenco durante a competição. O Corinthians ainda procura ser um time confiável. A substituição dos que saíram no início do ano não foi boa. O Santos sofrerá sem Lucas Lima, Ricardo Oliveira e Gabigol.

O Inter está forte, mas há tempos não corresponde. Sem Allison e com Argel, não sei não.

O Flamengo de Murici patina.

O Galo, sim, é um adversário forte.

O Cruzeiro está buscando um treinador.

Enfim, se não é uma academia, o Palmeiras está na frente dos outros.

É o favorito.

Dificilmente ficará longe da Libertadores.


Começa o saldão de Alexandre Mattos, o gastador. Quem vai levar?
Comentários Comente

menon

alexandremattosApós as eliminações no Paulista e na Libertadores, o Palmeiras começa a preparação para o Brasileiro. Cuca disse que precisa de novos jogadores e também deixou claro que alguns serão dispensados para “enxugar” o elenco.

Há realmente um excesso de jogadores. Fiz uma busca no site oficial do Palmeiras e vi que há 21 atletas disputando as quatro vagas disponíveis para meias e atacantes. Muita gente vai sair. Os mais cotados são o atacante Luan e o meia Fellype Gabriel, que sofreram com contusões e não atuaram na temporada.

A lista do Palmeiras:

ATACANTES – Cristaldo, Dudu, Erik, Gabriel Jesus, Lucas Barrios, Alecsandro, Rafael Marques, Roger Guedes e Luan.

MEIAS – Cleiton Xavier, Robinho, Allione, Regis, Moisés e Fellype Gabriel.

15 para quatro vagas. Se o treinador levar oito para o jogo, sete ficam de fora, apenas treinando. Muitas vezes fazendo bico. Aqui, parece natural que o facão passe por Fellype Gabriel, Luan, Moisés e Régis. Os três últimos foram contratados em 2016 e praticamente não são utilizados (Moisés vinha bem, mas sofreu grave contusão). São fruto da falta de planejamento de Alexandre Mattos, que pega o dinheiro de Paulo Nobre e gasta sem pensar no amanhã.

Além destes, Erik não tem rendido o que se esperava. Cristaldo e Rafael Marques vão ser ameaçados duramente por Roger Guedes. Lucas Barrios vai continuar se ficar na reserva de Alecsandro, algo muito justo pelo que se viu até agora?

Indiscutível mesmo é Gabriel Jesus.  Dudu, Cleiton Xavier, Robinho, Alecsandro e Roger Guedes estão bem cotados.

VOLANTES – Arouca, Gabriel, Jean, Mateus Sales, Rodrigo, Tiago Santos

Seis para duas vagas. Dois em campo, dois no banco e dois no ócio. Cuca, após a eliminação para o Santos, disse que o Palmeiras tem muitos jogadores jovens, que ainda vão dar alegrias mas que não estão prontos. Pe-ri-go, pe-ri-go para Sales. Arouca ainda não rendeu o que se esperava. Jean foi deslocado para a lateral. E Rodrigo, também chegado há pouco, se contundiu e nem estreou.

LATERAIS – João Pedro, Lucas, Victor Luiz, Egídio e Zé Roberto

O deslocamento de Jean para a direita é um sinal de que a batata de Lucas e Joao Pedro está assando. Na esquerda, Zé Roberto conta com a polivalência que pode lhe garantir também um lugar como volante ou meia. Victor Luiz corre perigo.

ZAGUEIROS – Vitor Hugo, Thiago Martins, Edu Dracena, Nathan, Leandro Almeida e Roger Carvalho.

Muita gente vai rodar em uma área onde apenas Vitor Hugo mostra constância. Edu Dracena ainda não mostrou o futebol do Santos. Alias, esse mesmo futebol não havia sido mostrado no Corinthians. Thiago Martins é um jovem em busca de oportunidades que Nathan, outro jovem, não teve recentemente (em 2014 jogou bastante). Leandro Almeida está queimado e pode fazer parte da negociação com Roger Guedes. Já Roger Carvalho não mostrou muito serviço quando jogou.

São 32 jogadores, fora os goleiros. Cuca vai pedir pelo menos um zagueiro e um volante. Muita gente vai sair. Façam suas ofertas, afinal não há comedimento no planejamento do perdulário Alexandre Mattos.

 

.


Cuca vence Tite. E, fora do campo, perdemos todos nós
Comentários Comente

menon

O clássico teve ingredientes que se tornarão inolvidáveis. Prass defende um pênalti e na sequencia, Cássio falha. O Corinthians perde seu quarto pênalti em seis cobranças e Dudu, que saiu do banco, faz de cabeça. O Santo Google nos informa que Cássio te 1,96m e Dudu, 1,67m. Uma régua de diferença.

Cuca surpreendeu ao abrir mão do onipresente 4-2-3-1, que, em minha opinião, engessa muito os times. Formou uma segunda linha de quatro, com Arouca, Gabriel, Robinho e Zé Roberto. Todos muito combativos. Zé Roberto dando uma mão incrível a Egídio, fechando o lado direito do Corinthians.

O Palmeiras pressionou bastante. Até achei que o gás acabou ali pelos 35 minutos, mas foi melhor no primeiro tempo, sem dúvida. No segundo, manteve a intensidade contra um Corinthians que parecia meio desconectado do jogo. Tite tirou Elias e colocou Maicon, formando o tal 4-2-3-1, igualou o jogo, mas aquele minuto em que uma defesa de pênalti foi sucedida por uma desastrada saía de gol, definiu tudo.

Fora de campo, houve enfretamento e morte. O de sempre.

Eu sinto vergonha, como cidadão que paga impostos, de ver a PM sendo usada para fazer escolta de delinquente. A violência é enorme cidade, as mortes não param e a PM, como se fosse uma entidade beneficente vai escoltar essa gente.

Aliás, a atuação da PM é muito contraditória. Em dia de jogo, escolta torcida organizada. Fora dos dias de jogo, resolve invadir a sede da Gaviões, que, coincidentemente, no dia anterior e em vários outros tem feito manifestações contra o deputado Fernando Capez, que tem seu nome envolvido em roubo de merenda escolar. Como diz um grande amigo, que hoje está muito feliz: “roubar é feio, roubar de criança é horrível”.

Deixemos claro, nada está provado contra Capez. Como não há nada provado contra a presidenta Dilma. E ela, ao contrário de Capez, merece ainda mais o exercício da dúvida, porque nunca foi citada, como ele. E Capez, todo garboso, com sua camisa da seleção, a acusa de corrupção. Então, não pode reclamar da Gaviões.

Os cartolas que dirigem os clubes, que são “donos” da paixão brasileira (há quem diga que seja a segunda paixão brasileira) são cúmplices de violência e de assassinatos.

Eles dão dinheiro para as organizadas. Dão dinheiro para o carnaval. “Apenas R$ 150 mil”, diz o Leco.

Mais que dinheiro, os dirigentes dos clubes permitem que as organizadas sequestrem os símbolos dos clubes. Permite que faturem milhões. Não cobram nada. Permitem que ganhem muito dinheiro e, com ele, comprem até armas – quem duvida – que espalham mortes e terror pelos campos, pela cidade e por Oruro.

Assim, com tamanha cumplicidade, não consigo aderir à sensata tese dos amigos Rodrigo Vessoni e Vitor Guedes. Eles defendem punição aos bandidos e não aos clubes. Parece acaciano. Mas como a PM não serve para dar paz à população e como os cartolas são cúmplices, eu não concordo não.


Vem aí o Porco Doido? Ou o Cuca Doido?
Comentários Comente

menon

A boa vitória no clássico, com Robinho se firmando cada vez mais como carrasco tricolor, dá uma certa tranquilidade para o Palmeiras, que tem um segundo turno complicado na Libertadores. Uma vitória que ajuda no início do trabalho de Cuca, anunciado como novo treinador do Palmeiras.

Eu considero Cuca um grande treinador. Ele monta equipes rápidas, com atuação vertical, sempre em busca do gol. Seu primeiro grande trabalho foi no Paraná, em 2003, o que o levou ao Goiás e, em seguida ao São Paulo.

Ficou marcado como treinador sem títulos, até vencer o Carioca com o Flamengo em 2009 e o Mineiro, com o Galo em 2012. Mas o grande time de Cuca foi realmente o Galo campeão da Libertadores em 2013.

Um time que me marcou muito por derrubar o paradigma do equilíbrio total. A escalação ofensiva era algo criticado pela maioria. Não vai dar certo. Loucura. O que era? Ronaldinho Gaúcho um pouco atrás e o tridente com Tardelli na direita, Jô no ataque e Bernard na esquerda. Tardelli foi muito bem, atacando e também ajudando o meio campo.

Era o Galo Doido.

Podem até dizer que o time se salvou com aquela defesa milagrosa de Vitor, com a ponta do pé direito em uma cobrança de pênalti, contra o Tijuana, mas era bom ver um time apostando intermitentemente no ataque.

Imagino algo semelhante, com Dudu armando, Gabriel de um lado, Erik de outro e um bom centroavante. Barrios? Alecsandro? E ainda tem Robinho.

Seria o Porco Doido.

O que não pode ter é o Cuca Doido, o treinador que leva seus jogadores a um pico de adrenalina muito alto e que não consegue se controlar. Em 2004, após uma derrota do São Paulo no Equador, contra a LDU, Cuca veio para a entrevista totalmente lívido. Parecia haver perdido toda a família em um acidente. Nota: a derrota por 3 a 0 foi a única daquela fase. O time ganhou os outros cinco jogos.

Em 2007, ele comandava um Botafogo excelente. Recebeu o São Paulo no Brasileiro de pontos corridos. Os dois times lutavam pela ponta. O Botafogo entrou em campo como se fosse uma final, como se o campeonato acabasse ali. Tulio bateu muito, o Botafogo exagerou e perdeu. E, a partir daí, caiu muito.

No Cruzeiro, em 2011, agrediu Renteria, do Once Caldas, após uma derrota por 2 a 0 no Mineirão. Após, não. Durante o jogo. Na China, invadiu o campo e acabou agredido por um juiz.

Cuca tem 52 anos e 15 de profissão. A maturidade precisa ter chegado para que ele possa continuar implantando seus conhecimentos de futebol sem se prejudicar. Com calma, a possibilidade de sucesso – mesmo se for com Porco Doido – será muito maior.


Gabriel Jesus, o predestinado. Personagem da Semana
Comentários Comente

menon

O primeiro nome é o do anjo que comunicou à Maria que ela teria um filho, mesmo sendo virgem. O segundo nome é o do filho da Virgem. E o garoto usa a camisa 12, que pertencia ao Santo. Para jogar em um clube que reverencia até hoje e até sempre o Divino Ademir

Há algo de místico em Gabriel Jesus. A anunciação. Ele é o craque feito em casa que todo palmeirense anseia. Algo que o clube não tem desde Vagner Love.

gabrieljesusE Vagner Love não cumpriu o que se esperava dele. Jogou bem, foi importante, mas voou para outras plagas. E, entre seus voos, pousou na casa do Inimigo. Deixou de ser amado

Gabriel é diferente. Não é midiático, não é bad boy, não é (pelo menos externamente) um sátiro, não é do samba. É o bom menino que todos gostariam de adotar.

É humilde, aceita o banco, não cria problemas. Tem sólida estrutura familiar.

Os militantes políticos, quando descrentes do governo que elegeram, costumam dizer, comparando com as outras opções: “é um governo ruim, mas é o meu governo”.

Gabriel não é ruim. Muito pelo contrário. É o predestinado. É aquele por quem o palmeirense esperou sofregamente.

E aí é que está o problema, o paradoxo. Como foi esperado e como é amado e protegido, a torcida deseja que ele tenha um rendimento de alto nível e uniforme. Tem de jogar bem sempre.

É como se algum apóstolo dissesse a Jesus: “essa água vai virar vinho logo ou vai demorar ainda, Mestre?”

Então, na quarta-feira, Gabriel faz um gol maravilhoso. E é aclamado. No domingo, faz uma falta precipitada que resulta em gol da Ferroviária. E o Anjo vira um jogadorzinho comum.

Gabriel tem 18. Ainda deve sonhar com a garota capa da Playboy. Seu ritmo precisa ser respeitado. E o primeiro princípio é acreditar na verdade: ele nunca será Neymar, mesmo com a média neymaristica de gols feitos na base.

Com um pouco de paciência, com mais força física, talvez jogando mais em diagonal, Gabriel Jesus será lembrado como um dos melhores da base, como Junqueira, Catani e Fiume.

E será transformado em um argumento contra a história pratica do gigante Palmeiras de buscar seus craques em outros campos e nunca no campinho da base: Jair da Rosa Pinto, Djalma Santos, Leivinha, Julinho, Leão, Evair, César Sampaio, Dudu e Ademir.

Esse texto foi construído com a ajuda de Mauro Beting, Leandro Beguoci, Danilo Vara, Felipe Giocondo, Diego Iwata Lima, Fernando Cesarotti e Conrado Cacace.