Blog do Menon

Arquivo : prass

Ponte humilha o porquinho atrapalhado
Comentários Comente

menon

Primeiramente….

A Ponte é um bom time. Fernando Bob joga muito. Pottker é um artilheiro respeitável. Clayson é bom jogador. Lucca tenta reconstruir a carreira, que sofreu um abalo. Aranha é veterano com carreira concreta. E os outros, como Hiago e Marlon, não destoam.

Todos os elogios à Ponte, que jogou com intensidade e velocidade.

Bem, espero com os dois primeiros parágrafos não cair no erro de analisar uma vitória pela ótica do derrotado.

Tudo, bem?

Agora, vamos falar do Palmeiras. E, me desculpem os colegas que adoram táticas e subtáticas (são muito importantes e ajudam a explicar o futebol), mas não foi o que levou o Palmeiras a um vexame deste tamanho.

Um time de futebol, seja pobre ou rico, seja esforçado ou extremamente técnico, não pode entrar em campo com aquela moleza toda, com aquele descomprometimento todo. A Ponte deu ao jogo a importância que o jogo tem. O Palmeiras, não. Talvez não dê tanto valor ao campeonato. Afinal, seus jogadores são instruídos a falar sempre no Mundial, mesmo antes o início da Libertadores.

A Ponte deu a saída e fez o primeiro gol aos 37 segundos. E antes do gol, o Palmeiras perdeu a bola duas vezes. Não pode, né? Com sete minutos, o time estava mal postado e levou o segundo, em belo contra-ataque. E o terceiro veio com uma queda inesperada do Zé Roberto, talvez traído pelo campo molhado. Talvez.

Mas, digamos que o Palmeiras tenha sido surpreendido pela velocidade e vontade da Ponte. Terrível, mas pode acontecer. O inaceitável é manter a postura apática no segundo tempo, já com três contra? Ora, se não dá para ganhar, vamos fazer de tudo para marcar uma vez. Uma vez e as chances para o segundo jogo aumentam.

Nada disso. O Palmeiras continuou sem vontade. Tinha mais posse de bola, mas nada daquele sufoco que um time grande aplica quando está atrás. Nada de subir as linhas, nada de pressão, nada de chuveirinho. Chuveirinho demonstra desespero? OK, mas ficar tocando de lado demonstra o quê?

O Palmeiras dava a impressão de querer 3 a 0, com a certeza absoluta de que pode reverter o resultado. Inaceitável. E ainda foi ajudado com a não marcação do pênalti de Prass em Pottker.

Como na antiga fábula, a Ponte apontou o dedo e mostrou a verdade inconveniente. O rei está nu. E aí, basta lembrar as dificílimas vitórias na Libertadores, conquistadas na bacia das almas. Pelo menos ali, o porco foi de briga, foi um javali. Em Campinas, foi Babe, o Porquinho Atrapalhado.

 


Três heróis improváveis do campeão Palmeiras
Comentários Comente

menon

tresporquinhosNo ano passado, Alexandre Mattos foi às compras com vontade. Muitos e muitos jogadores, alguns até como forma de “pedágio” a empresário, algo comum e necessário a todos os clubes. Em 2016, também não faltou dinheiro e disposição, mas as compras foram mais específicas, mais pontuais. E três delas se revelaram um sucesso incrível. Três heróis improváveis do merecidíssimo título palmeirense.

Jaílson, que eu chamo de Pantera Negra, foi a maior delas. G0leiro veterano, sem currículo expressivo, veio ao Palmeiras para ser o terceiro goleiro. Era reserva no Ceará. E, uma digressão, vemos aqui como é importante um clube grande ter um grande elenco. O Palmeiras tem três jogadores para cada posição. Só para lembrar de Arouca, contratado com grande nome e de Mateus Salles, destaque no ano passado, que nem são lembrados hoje. Mas, voltando a Jaílton, veio e assumiu a bronca quando Prass se contundiu e quando Vagner falhou.

Prass vai voltar e assumir o posto de titular. Jailson, porém, já inscreveu seu nome na história palmeirense, como alguém que apostou em seus sonhos e os concretizou. Ele pode, agora, escolher entre ser uma sombra para Prass ou buscar o sucesso como titular em outro time. Tem o poder de escolha, o que para ele, era apenas um desejo maluco.

Tchê Tchê é o menos improvável dos três heróis improváveis. Afinal, é enorme a lista de jogadores que se destacam em um time menor e são contratados para um grande clube. De cabeça, eu me lembro de Leão, Eurico, Luis Pereira, Baldocchi, Dudu, Nei…. O que impressiona nele é a rapidez com que assumiu a camisa de titular. Mais ainda. A rapidez com que se transformou em destaque do time, mostrando um futebol moderno, de contenção, bom passe e chegada ao ataque. O futebol moderno aponta para a extinção (exagero?) do jogador de meio campo com função específica. O volante cão de guarda. O armador talentoso e preguiçoso. Espera-se do meio-campista que seja “todocampista”, com, no mínimo, dinâmica e bom passe. E a revelação do Audax transformou-se rapidamente em confirmação do Palmeiras.

Moisés foi outra grande surpresa. Com passagem em muitos clubes, sempre mostrou força e vontade, mas nunca foi protagonista. No Palmeiras, com um canhão nos braços, com uma projeção vertical impressionante e com a mesma vontade de sempre, foi o grande destaque do time. Para mim, foi o grande destaque do Brasileiro. E sem que se possa dizer com desdém, se o Moisés foi o melhor, que bela porcaria foi o campeonato. Ele foi o melhor, o que dignifica, de certa forma, o Brasileiro. Um jogador que sua é muito importante nos dias em que vivemos.

Outras contratações muito boas fizeram o Palmeiras campeão. Roger Guedes é o mesmo caso de Tchê Tchê. Jean é um jogador muito regular há anos. Nunca tira menos que seis. Alecsandro é um matador, algo que, para mim, inexplicavelmente é pouco valorizado. E há outro herói improvável e que deve encher o palmeirense de orgulho. Gabriel Jesus e a prova que a base do Palmeiras existe. Está aí para ganhar títulos e encher os cofres do clube.

Parabéns ao Palmeiras. Por seu título inquestionável e por seus heróis improváveis, frutos de uma ótima política de contratação.

PS  – Peço desculpas aos leitores por haver chamado Jailson de Jaílton. Minha memoria afetiva me traiu. Estava pensando em Jailton, meu velho e finado amigo, mestre sala da Vila Braga, escola de samba comandada pelo senhor Ferreira, lá em Aguaí. O erro não tem desculpas, mas mostra ainda mais o valor de Jailson. Sua ascensão, tão justa e tão meteórica, surpreende até jornalistas que deveriam estar atentos a tudo. Desculpas a todos. Ah, e eu sei que ascensão meteórica é um clichê absurdo, principalmente porque ninguém viu ou verá um meteoro subir.

 

 


Prass merece mais que a seleção olímpica
Comentários Comente

menon

Fernan

Caricatura feita por Custódio, do site Ludopedio

Caricatura feita por Custódio, do site Ludopedio

do Prass é um dos três nomes maiores de 23 anos – no caso dele, bem maior – convocados por Rogério Micale para a Olimpíada. Difícil achar um senão nessa lembrança. Juntamente a Douglas Costa e Neymar caberá a ele comandar a seleção. E quando se fala comandar, me parece claro que Prass é mais necessário que Neymar.

Ele e ótimo goleiro. Está vivendo uma fase espetacular. Aliás, não é fase. Já dura alguns anos. Comprovadamente tem condições técnicas para defender o Brasil. E a seleção principal também, mesmo com 38 anos. Não o vejo abaixo de três goleiros. E, mais, eu tenho uma opinião diferente para a escolha do terceiro goleiro. Optam por alguém novo. Eu ficaria com alguém mais velho, mais reponsável, um cara de grupo. Gilmar Rinaldi foi assim em 94.

O que disse acima não significa que eu considere Prass um terceiro goleiro da seleção principal. Pode ser até primeiro.

Ao chegar na seleção olímpica, Prass deveria fazer um gesto prático. Convidar Gabigol, Tiago Maia, Zeca para uma conversa séria: o que passou, passou e vai voltar a passar. Mas, agora é hora de esquecer rivalidade entre Santos e Palmeiras e criar um grupo forte para ser campeão. Cabe a ele a tarefa. Ele é o mais velho.

A convocação de Prass mostra, a meu ver, desconfiança em Neymar como capitão. Pode até ser na teoria, mas caberá a Prass a tarefa na prática. E também a desilusão com Thiago Silva. Ex-capitão da seleção principal, ficou de fora da olímpica.

A convocação me pareceu boa. Os atacantes dão de alto nível: Neymar, Douglas Gosta, Jesus, Gabigol e Luan.

Agora, é lutar pelo ouro.

 


Palmeiras vence ótimo rival e péssimo árbitro
Comentários Comente

menon

O vaticínio de Paulo Nobre há dois anos – sempre ironizado pelos rivais –  começa a se cumprir. Ou, pelo menos se fez realidade contra o Grêmio. O Palmeiras empolgou. Não só por haver vencido um adversário que vinha de três vitórias e ainda não havia sofrido gols, mas pelo modo intenso como se comportou, tanto na defesa como no ataque. Com falhas, sim, mas com um posicionamento aguerrido que foi importante para os três pontos.

duduporcoFoi um grande jogo de Dudu. Ao contrário de seu homônimo das histórias em quadrinho do Popeye, não é gordo, não é lento e nem come hamburger, É rápido, técnico e briguento. Em comum, apenas a voz pausada.

O primeiro gol foi uma mostra do que viria. Passe perfeito de Dudu, entre as pernas do volante e decisão correta de Gabriel Jesus. O Gremio reclamou de uma falta de Alecsandro em Wallace. Se foi, foi fraca. E se transformou no primeiro erro do péssimo Marinelson. Por causa do árbitro, o Grêmio conseguiu fazer justiça ao seu melhor momento no jogo e empatou, em impedimento de Bressan, no finalzinho do primeiro tempo. Nesse período entre os dois gols, o Gremio triangulou muito pelos lados, avançou seus volantes e dominou o Palmeiras. Que soube se defender.

No segundo tempo, o surpreendente Edílson deu o drible da vaca em Moisés e cruzou para Giuliano. Em seguida, Roger Guedes empatou em uma puxada maluca. Sem ângulo.

Então, se viu o melhor Palmeiras. Muita velocidade, com Roger Guedse, Gabriel Jesus e Dudu. E ótimo aproveitamento em bolas paradas. Dois passes de Dudu, dois gols de defensores.

Ainda houve tempo para Edilson surpreender novamente. Chute forte, que Prass não pegou.

No domingo, em Brasília, contra o Flamengo, o Palmeiras tem a terceira chance de vencer fora de casa. O Grêmio recebe a Ponte


Santos x Palmeiras – Heróis e vilões na magia do mata mata
Comentários Comente

menon

Dois homens, dois profissionais, dois depositários de amor e ódio. A separa-los, onze metros. A unir seus destinos, uma bola. A decisão por pênaltis é invenção do capeta. Só é possível no mata mata. Ainda sou favorável ao Brasileiro por pontos corridos, por planejamento e outros argumentos. Mas não dá para negar que a emoção está aí mesmo no duelo que transforma heróis em vilões.

Lucas Lima foi herói no jogo. Acabou com a história que estava ainda no bolso de Mateus Salles e deu o passe perfeito para Gabigol.

Rafael Marques herói no jogo, com dois gols no final da partida, levando a decisão para os pênaltis.

Fernando Prass, herói das últimas decisões.

E os duelos mudam tudo.

Lucas Lima erra o pênalti. Herói vira vilão. E Prass cresce.

Barrios, que perdeu a posição para Alecsandro, perde a chance de redenção

Rafael Marques erra novamente. Pela terceira vez seguida. Nas três decisões, errou. Será escalado na próxima?

Victor Ferraz marca e diz a Prass: “acabou, acabou”.

Ainda não. O herói vai chutar. Tem a chance de iniciar a redenção.

Precisa fazer. E depois, defender.

Chuta forte e erra.

O herói vira vilão;

Não nesse caso. Prass já é ídolo, mas o dia não foi dele.

Futebol, amigos. Futebol.


Prass, a estátua Moai. Personagem da semana
Comentários Comente

menon

prassmoaiNa quinta-feira, dia 3 de março, o argentino Marco Rubén, diante do testemunho de 36 mil pessoas, se viu diante de um deus Moai. O rosto anguloso e de traços marcantes de Fernando Prass era como uma esfinge.

Decifra-me ou te devoro.

Minutos antes, Robinho, com um carrinho dentro da área, havia atropelado Cervi. Pênalti para o Rosario, que perdia e dominava. Sufocava.

E os dois homens se viram frente a frente. Onze metros de distância. Dois homens? Ou um homem e alguém que está se transformando em mito. Substituindo outro mito. E, para a fanática torcida, transformando em pó o legado do mito que se aposentou em dezembro. O Mito do outro lado do muro.

Rubén se preparou. E a estátua não era estátua. Ela se mexia bastante, lateralmente, de acordo com a regra. E a estátua apontava o seu lado esquerdo.

Jogos mentais. Prass sabia que, no final de semana, Rubén havia feito um gol no Colón, cobrando pênalti, ali no lado esquerdo do goleiro.

O aviso estava dado: eu sei o que você fez na semana passada.

O que Rubén deve ter pensado? 1) ele aponta o lado esquerdo, então vou chutar no direito. 2) ele aponta o lado esquerdo, para que eu chute no direito, então eu chuto no esquerdo mesmo. E se ele pular no esquerdo?

Rubén foi vencido pelo jogo mental. Optou por mudar o que havia dado certo contra o Colón. Chutou no lado direito e viu a bola se chocar contra a estátua de toneladas. Estátua móvel. Escanteio.

Mais um fato a contar. Mais um fato a constar na narrativa de construção do mito Prass. A torcida já não sente tantas saudades de Marcos. É lógico que ele nunca será esquecido, é lógico que ele será sempre o preferido, mas os verdes sabem que sua ausência está sendo preenchida da melhor maneira possível.

Prass pegou um pênalti e marcou outro na final da Copa do Brasil contra o Santos. Repetiu a dose contra o Nacional, no início da temporada. Para os torcedores, já está à altura de Rogério Ceni. Em porcentagem de acerto, em cobranças que valeram títulos…

A vida continua. A história futebolística é escrita a cada domingo, a cada jogo. A certeza que fica é que, quando houver um pênalti contra o Palmeiras, sua torcida – seja ela evangélica, católica, espírita, umbandista – se renderá aos segredos da estátua Moai. Pênalti já não é sinônimo de quase gol, de sofrimento chegando. Penalti, com Prass, pode ser o início da catarse, o pré gozo, o grito gritado bem alto, com a mão crispada.

São Prass está sendo construído, sob proteção de São Marcos.


Palmeiras líder. Javali selvagem ou porquinho da Índia
Comentários Comente

menon

O Palmeiras ganhou por 2 a 0.

Fez um gol em cada tempo.

Os dois gols foram marcados por argentinos.

E só. Não há mais nada semelhante entre o que se viu no primeiro tempo e no segundo. Ao contrário. Muito pelo contrário.

O Palmeiras, no primeiro tempo, foi muito valente. Correu muito, impôs o jogo, enfrentou adversários e poças de água. O gol de Cristaldo foi um exemplo para jovens garotos. Apesar da água, ele recusou o mergulho. Trombou, dividiu, acreditou e fez o gol. Gol de time javali, brigador.

O segundo tempo foi inacreditável. O Rosario jogou no campo do Palmeiras. Impressionante como entrava pelo meio da defesa, com toques curtos. Nada de jogo pelos lados, de chutões ou cruzamentos. Havia o jogo alto, é lógico, mas a tendência era a tabela, o toque. Sempre pelo meio.

Houve o pênalti. Prass defendeu.

E nada mudou. O Palmeiras continuou a se portar com uma timidez impressionante. Uma passividade bovina.

Muitos criticam Marcelo Oliveira. Eu acho seu trabalho bem fraco. Contra o Rosario, o time voltou a ter pouca identidade tática, voltou a não ter padrão de jogo, voltou a não ter uma cara definida. Nem que seja uma cara feia como o São Paulo de Bauza, totalmente defensivo.

Mas, o que me assusta mais é a postura dos jogadores. Mesmo se o técnico tivesse sido expulso, os jogadores precisavam ter uma postura agressiva, mais protagonista. Não interessa a situação, um time do Palmeiras não pode se comportar como um porquinho da Índia. O gol de Allione não muda essa impressão deixada no jogo.

O Palmeiras é líder. Tem ainda dois jogos em casa. Na última rodada, recebe o River, enquanto Rosario e Nacional se enfrentam em Montevidéu.

É lógico que pode se classificar.

Mas, o segundo tempo de ontem foi um aviso mais do que vermelho, foi roxo, foi púrpura. Deep Purple.

 


Marcelo Oliveira é obrigado a superar Gílson Kleina
Comentários Comente

menon

kleinaO Palmeiras volta à Libertadores após três anos. E, em ambas participações, o bilhete foi conquistado a partir do título na Copa do Brasil. A estreia contra o River Plate, no Uruguai, é o início de um período de muita pressão sobre Marcelo Oliveira.

Apesar do título da Copa do Brasil, o time não mostrou um grande futebol em 2015. E o mesmo vem se repetindo agora, mesmo com a incorporação de vários jogadores. Marcelo teve seu elenco praticamente mantido e recebeu reforços antes dos rivais. Teve mais material humano e mais tempo para trabalhar.

Nem se pode comparar com o Corinthians, vítima de um desmanche, e com o São Paulo, que luta para contratar jogadores sem gastar nada, casos de Calleri, Mena, Maicon, Kelvin – que o Palmeiras não quis – e Lugano, que veio em troca de um amistoso em Assunção.

Se uma comparação contra os grandes rivais paulistas e mais Grêmio e Atlético é dura, muito mais fácil se torna quando miramos Gílson Kleina, o comandante na última participação do Palmeiras na Libertadores.

Marcelo é obrigado a ir mais longe. Os motivos?

1) Tem um currículo muito melhor

2) Ganha muito mais

3) Tem um elenco exponencialmente mais bem qualificado. Para ilustrar, colocarei aqui as escalações do Palmeiras no primeiro e no último jogos da Libertadores-13. Em itálico, os que não deixaram saudade alguma, por futebol ou comportamento.

a) Vitória por 2 x 1 sobre o Sporting Cristal, no Pacaembu:

Prass, Weldinho, Maurício Ramos, Henrique e Marcelo Oliveira, Vílson e Márcio Araújo (Caio Mancha); Souza, Wesley e Patrick Vieira (João Denoni); Vinícius (Ronni).

b) Derrota por 2 x 1 para o Tijuana, no Pacaembu:

Bruno, Airton, Maurício Ramos, Henrique, Marcelo Oliveira (Juninho); Marcio Araújo e Charles (Maykon Leite); Wesley (Souza), Tiago Real, Vinícius e Kleber

4) O time de Kleina foi o líder do grupo, que tinha Sporting Cristal, Libertad e Tigres. Venceu todas em casa (5 gols a favor e um contra) e perdeu todas fora (4 gols contra e nenhum a favor).

5) Como o pior primeiro colocado, enfrentou o melhor segundo colocado. Foi o Tijuana. O Palmeiras empatou por 0 x 0 no México e perdeu em casa, em grande falha de Bruno.

6) Passar das oitavas da Libertadores é obrigação de todo elenco do Palmeiras, dirigido por quem quer que seja. Kleina não conseguiu. Marcelo precisa conseguir.

A semana é dura para ele. Estreia na Libertadores e recebe o Santos no sábado. Os resultados podem influenciar no futuro de Marcelo

 


Mão de Prass. Pé de Prass. Palmeiras é um campeão limpo
Comentários Comente

menon

Um fortíssimo chute de pé direito, cruzado à meia altura, pintou de verde a taça da Copa do Brasil. Um verde que já havia sido construído com dois gols de Dudu e que havia ficado indefinido após o gol de Ricardo Oliveira.

Não vou falar em justiça. Vou falar de limpeza. Foi um campeão limpo, em um jogo limpo, sem mimimi de nenhum lado, sem porrada, sem ofensa ao futebol.

Justiça leva todos a se lembrarem de ses. E o Santos tem um enorme se para chorar. Ah, se Nilson fizesse aquilo que é pago para fazer no primeiro jogo. Tocar certo na bola, com o gol aberto. Ensina, Romário.

E o Palmeiras que também reclamava do pênalti não marcado em Barrios, veio para seu belo estádio com a missão de fazer dois gols. E entrou em campo com intensidade total. Teve sua primeira chance com 11 segundos. Mandou no jogo. Não foi uma maravilha técnica, apostou muito em chutões, em ligação direta, mas teve o ímpeto, teve a atitude, teve a vontade…

O Santos sofreu com a má partida de Gabriel e com um Lucas Lima bem marcado. Mesmo assim, teve chances em cima de João Pedro. Teve muita força para reagir após os dois gols de Dudu. Ricardo Oliveira, o matador, que estava apagado, matou.

Difícil entender que ele estava a ponto de deixar o campo, em uma atitude incompreensível de Dorival Jr. Como em 2010, quando tirou Neymar, Robinho e ia tirar Ganso.

E vieram os pênalti.

Marquinhos Gabriel foi comédia verde. Foi tragédia alvinegra. Caiu de bunda no chão e a taça levou a primeira demão verde.

O Pastor colocou no ângulo direito de Vanderlei.

Gustavo Henrique bateu um tiro de meta. E Prass começou a ser herói. Com as mãos

Rafael Marques bateu forte. E Vanderlei virou Van der Sar.

O Santos voltou a sonhar. Precisava de um erro do Palmeiras. Ele não veio.

E, então, com o pé direito, sem as mãos, Prass pintou totalmente a taça. De verde. Verde esperança.


Palmeiras mostra força contra Audax engraçadinho
Comentários Comente

menon

O Palmeiras deu esperanças ao seu torcedor que foi ontem ao seu estádio (vergonhosa a inversão do mando). Mostrou um time forte, com muita vontade, com técnica e que soube aproveitar os espaços dados pelo futebol do Audax, que aposta no toque de bola na defesa. Espaços dados? Não. Espaços que o Palmeiras, com marcação no campo adversário, com pressão na saída de bola obrigou o adversário a ceder.

Allione e Robinho foram os destaques. Estarão na briga por uma posição no time titular. Quando o Audax se acertou no segundo tempo, Fernando Prass foi muito bem. Zé Roberto foi bem na lateral e também no meio do campo. Maykon Leite será um bom reserva para Dudu.

Ainda é cedo, é lógico, mas o Palmeiras mostrou que este ano não vai ser igual àquele que passou.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>