PUBLICIDADE
Topo

Menon

Trio de ferro luta por uma vaga na final. Fluminense tem caminho livre

Menon

19/04/2013 10h15

Se Corinthians, Palmeiras e São Paulo forem competentes, há  a possibilidade concreta de grandes clássicos paulistas no horizonte. Os três grandes da capital estão no mesmo lado da chave e podem se cruzar antes da final da Libertadores. O caminho indica São Paulo x Palmeiras nas quartas e o vencedor enfrentando o Corinthians na semi. Seriam jogos para ficar na história, para deixar a cidade estática e ansiosa, mas…..

Mas há um caminho duro até se chegar a essa celebração do futebol.

1) O São Paulo pega o Atlético-MG, decidindo a vaga em Minas Gerais. O time de Ney Franco fez uma partida muito boa contra o mesmo Galo, ganhou por 2 a 0, mas será preciso repetir a boa atuação com mais intensidade ainda. É uma série muito dura.

2) O Palmeiras enfrenta os mexicanos do Tijuana, com seu Neymar equatoriano, seu gramado sem grama e uma viagem cansativa. A decisão é no México. Para passar, o Palmeiras precisa jogar bem fora de casa, o que não tem acontecido. Perdeu para Tigre, Libertad e Sporting Cristal.

3) O Corinthians pega o Boca de Bianchi e Riquelme, o que seria um pesadelo há alguns anos. Agora, quem está se lamentando é o time argentino. O mundo não acabou em 2012, o Corinthians é campeão do mundo e favorito. Decide em casa. Em seguida, enfrenta o vencedor de NOB x Vélez, o que, parece, dever ser mais difícil.

Então, SE passar por Boca, SE passar pelo outro argentino e SE o São Paulo passar pelo Galo e SE o Palmeiras passar pelo Tijuana, o Corinthians enfrenta o vencedor de Palmeiras x São Paulo. É muito SE, mas SE acontecer, vai ser bom demais.

No outro lado da chave, o Fluminense pega o Emelec, do Equador, decidindo em casa. Em seguida, enfrenta o vencedor de Tigre x Olimpia. Os paraguaios são os mais duros, mas em Libertadores seria difícil conseguir um caminho mais bem sinalizado. Se não se perder, no final dele pode estar o Grêmio. Para isso, os gaúchos precisam se livrar do Independiente e depois do vencedor de Nacional e Real Atlético Garcilaso. Os uruguaios são osso duro de roer, por decidir no Centenário.

É possível uma semifinal com quatro brasileiros? Sim, aqui há muito dinheiro correndo, o que possibilita a entrada em campo de Ronaldinho Gaúcho, Rever, Ganso, Jadson, Guerrero, Barcos, Zé Roberto, Pato…. Mas, é Libertadores e não podemos esquecer que o São Paulo perdeu para Arsenal e Strongest, o Corinthians para o Tijuana e o Grêmio para Caracas e Huachipato.

É hora de deixar a arrogância de lado e jogar bola.

PS – obrigado à Maria Simão, que me corrigiu a respeito da altitude em Tijuana. Não existe, é lógico, é uma cidade de praia.

Sobre o Autor

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar.Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.