Topo
Blog do Menon

Blog do Menon

Categorias

Histórico

Juvenal afasta 7 jogadores. O leão sem dentes coloca a culpa de seus erros nos outros

Menon

2010-05-20T13:13:10

10/05/2013 13h10

O afastamento de sete jogadores hoje pela manhã deve ser entendido como uma confissão de culpa de Juvenal Juvêncio.  E como uma tentativa de colocar a culpa em quem não a tem. Afinal, se Cortez, João Filipe, Wallyson, Fabrício e Cañete realmente decepcionaram, qual foi a participação deles no vexame na Libertadores?

É mais um gesto autoritário do velho coronel. Para livrar a cara, joga os outros na fogueira. Que culpa têm os garotos Henrique Miranda e Luiz Eduardo? Juvenal não poderia emprestá-los sem alarde? Não, é preciso humilhar. Assim, talvez os áulicos não percebam que Juvenal tem contratado mal há tempos. A culpa é dos outros, sempre.

De todos os afastados, qual não era pedra cantada como um grande fracasso? Analisemos

Cortez – Não se pode criticar a sua contratação. Vivia um grande momento e veio para resolver o problema da lateral-esquerda. No São Paulo, sofreu um processo de "domesticação".  Quiseram ensiná-lo a marcar e ele esqueceu como se ataca. Um detalhe: antes de Cortez, o titular era Juan. Agora, em lance genial, Juvenal recupera Juan. E ainda tem Carleto. É óbvio que  nada vai mudar. O time continuará precisando de um lateral de bom nível. 

Cañete – Quando, há dois anos, o São Paulo pensava em contratá-lo, conversei com Leonardo Brugueño, editor do La Tercera, jornal chileno. Ele deixou claro que o argentino não tinha personalidade e que sucumbia diante das dificuldades. Juvenal apostou nele, que nunca conseguiu jogar no Boca e que, ainda por cima, teve problemas de contusão.

Fabrício – Há dois anos, no Brasileiro, o Corinthians venceu o Cruzeiro em jogo muito contestado. Fabrício foi expulso e saiu de campo fazendo gestos para a torcida do Corinthians, insinuando roubo. O São Paulo o considerou um líder, capaz de dar nova cara ao time, que sofria de falta de aguerrimento. Veio para ser um líder, se contundiu muito, jogou pouco e está saindo. Sua personalidade guerreira só se evidenciou quando reclamou de substituição.

Wallyson – Jogador foi contratado mesmo estando contundido. Uma nova esperteza de Juvenal. Contrata jogador machucado sem pagar nada e acha que vai dar certo. Foi assim com Douglas. Deu certo? Alguém achou que ele poderia fazer Lucas ser esquecido, um pouco que seja?

João Filipe – Quando se lê que foi afastado, a primeira coisa é estranheza. Mas ele ainda estava lá no elenco? Jogador que se acha muito técnico e que causou derrotas incríveis a técnicos como Carpegiani e Leão. 

Quanto aos garotos, Henrique Miranda sempre foi tratado como um grande projeto de craque. Luiz Eduardo, não. Só chegou ao time em um momento de falta de zagueiros e porque Bruno Uvini, o junior da vez, estava na seleção. Era necessário deixá-los exposto assim? Wellington, Lúcio e Luís Fabiano serão repreendidos, ou Juvenal agora é duro apenas com moleques?

Juvenal não teve por eles a consideração que está tendo com Denílson. Não gosta do volante que está emprestado pelo Arsenal. Acha que ele vai muito para a noite. Não pretende renovar o empréstimo, apesar dos pedidos de Ney Franco. Mas Denílson sairá sem exposição pública. Afastar meninos já satisfaz Juvenal, já afasta a culpa.

Ao afastar sete jogadores, o São Paulo mexe no elenco mas não mexe no time. Os onze que fracassaram continuam. Ainda é preciso ter dois laterais e pelo menos um volante. É necessário reposição no ataque. Juvenal vai se mexer e trazer gente nova. Dará a impressão de estar agindo rapidamente. Até um novo fracasso e um novo rugido do velho leão sem dentes.

Sobre o Autor

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar.Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

Mais Blog do Menon