PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

#100 David Luiz merece o título. Gol histórico. James deixa saudades

Menon

04/07/2014 19h00

David Luiz fez um gol histórico. Uma cobrança de falta para ficar nos anais da Copa do Mundo. Será lembrado eternamente pelos torcedores brasileiros. Se o Brasil for campeão, é lógico. Afinal, não somos da turma que tece loas a quem não venceu. Normal, diante das tantas glórias que já conquistamos.

Mas ele não é apenas um zagueiro que fez um lindo gol de falta. E um zagueiro firme, duro, com senso de colocação e muita firmeza. No jogo contra o Chile, Neymar estava escalado para cobrar o primeiro pênalti. Disse que estava cansado e que a perna estava muito pesada. O momento de indecisão foi mínimo. David Luiz disse que seria o primeiro a cobrar. Cobrou e fez.

É um grande jogador. Um grande capitão. Pena que sua vida útil na seleção só vá até a Copa de 2026, quando terá 39 anos. Afinal, se o Yepes pode com 38, por que não sonhar com o David até 2030, quando a Copa volta à América.

O resultado do jogo foi mais duro do que o jogo em si. O fato de marcar o primeiro gol logo a cinco minutos deu tranquilidade ao time. O domínio se estendeu por todo o primeiro tempo. No segundo, a Colômbia reagiu – o que seria natural – e o jogo parecia definido com o golaço de David Luiz. Mas do outro lado tem um craque. James Rodrigue deu o passe certeiro que resultou em pênalti. Julio Cesar merecia o vermelho. James fez o gol que deu ânimo ao belo time colombiano, que escreveu, no Brasil, a mais bela página de sua história.

O Brasil segue em frente. Foi sua melhor partida.

A Colômbia deixa saudades. E um craque, James Rodriguez, o melhor da Copa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar.Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

Menon