Blog do Menon

#131 Alemanha, justa campeã, e Argentina deixam lições ao Brasil

Menon

O belo gol de Gotze, perfeito no domínio e na definição, deram o título à Alemanha. Ainda bem que foi assim. É um alento saber que a técnica pode prevalecer mesmo nesses tempos de tanta tática, tanto suor e nenhum centímetro dado de presente. Ruim foi ver outra atuação apagada de Messi. Estaria sentindo alguma contusão? Não sei. A verdade é que ele brilhou pouco na Copa. Ficou abaixo do que se esperava, depois que acabou a primeira fase.

Algumas lições ficam:

1) APAGÃO É BALELA – A Argentina mostrou que era possível marcar os alemães. Com muito treino e muito posicionamento. As duas linhas de quatro funcionaram a contento. E o contra-ataque criou algumas chances. No segundo tempo, Sabella abriu um pouco mais com Aguero, depois apostou no passe e movimentação com Palácio em lugar de Higuain. E depois, segurou o jogo com Gago. Ou seja, havia opções táticas, havia planejamento. Um time assim não sofre apagão.

2) TALENTO É FUNDAMENTAL – O gol da Alemanha veio com uma escapada de Schurrle, que tocou para Gotze. Dois jogadores vindos do banco. E quem o Brasil tinha no banco? Bernard com alegria nas pernas finas? Jô? Hulk? A crise técnica do Brasil é grande. É preciso mudar urgentemente. Vejamos que, quando perdeu Kramer, que entrou em lugar de Khedira, machucado no aquecimento, Low colocou um novo atacante.

Em resumo: A Alemanha mostrou que é possível substituir para atacar. A Argentina mostrou que é possível defender.

Scolari, covardemente, fala em apagão.