Blog do Menon

Galiotte é o discurso que não respeita a história do Palmeiras

menon

Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras, fez um discurso tão acaciano quanto desconectado da realidade em relação às queda do gigante brasileiro na Libertadores.

Ele disse que o Palmeiras vencerá, sem dúvida a Libertadores. E que, quanto mais vezes disputar, mais fácil será vencer. Óbvio, não? Quanto mais eu jogar na loteria, mais chances de vencer, quanto mais eu eu for à aula de natação, mais fácil será aprender a nadar.

Além de óbvio, não é original. Andrés Sanchez falou exatamente igual quando o Corinthians foi eliminado pelo Tolima.

Com uma enorme diferença: o Corinthians nunca havia ganho uma Libertadores e suas participações eram tão poucas como infrutíferas.

O Palmeiras, não. Já ganhou uma Libertadores, em 99. E já participou 17 vezes. Então, não é um clube que precise ganhar ''casca'', que precise engordar a camisa. Ela já é pesada.

Galiotte quer atribuir a uma suposta falta de experiência internacional a razão da queda contra o Barcelona. Assim, exime-se de culpa. E a Cuca também. Aos jogadores, também.

Evidentemente, ele não poderia jogar lama no ventilador e criar uma crise geral. Mas deveria ter sido sincero, reconhecer que foi um vexame e prometer melhoras urgentemente.

Sim, foi um vexame. Borja, o artilheiro de pólvora molhada, custou mais que todo o Barcelona. E nem jogou. Felipe Melo foi um mico, já não há dúvida.

Mas o pior foram os pênaltis. Vai decidir na hora, quem bate? E tem gente que refuga? Que planejamento é esse?

A imagem que ficou foi de um clube milionário – nada contra – dependendo do poder da fé de um treinador ajoelhado, com um escapulário é uma calça vinho.



*As opiniões expressas neste blog são de responsabilidade do autor.