Blog do Menon

Raí precisa resgatar a grandeza do São Paulo

Menon

''Lucas Pratto comunicou ao São Paulo que sente muitas saudades da filha, que gostaria de ser um pai presente e que, por isto gostaria que o São Paulo aceitasse a oferta vinda do Tucumán''. Opa, a última palavra está errada, não? E se fosse Colón? Errada? Defensa y Justicia? Nada a ver? Arsenal de Sarandi? Na na ni na não.

A saudade é verdadeira e justa, não sou eu que vou duvidar, mas tenho certeza que a saudade ficaria guardada num cantinho do coração se a oferta de retorno à Pátria não viesse com a chancela do River. O milionário, agora literalmente, após as vendas de Driussi e Alário. Pratto quis ir porque, como bem lembrou o Mauro Cézar Pereira, o River está na Libertadores. Mais. Está em um patamar acima do São Paulo. É um time que vence.

Jogador gosta de dinheiro (o que é muito justo). Mas também gosta de títulos. Mesmo porque títulos significam reconhecimento técnico e…mais dinheiro. Jogador não gosta de atuar em time que não tem projeto e não tem títulos no horizonte próximo.

Não é o caso do São Paulo. Graças a incontáveis e seguidos erros de seus presidentes, o clube baixou de patamar. Quando se inicia um campeonato brasileiro ele não é mais apontado como favorito.  Ficar entre os seis para chegar à Libertadores tem se mostrado uma meta irrealística.

Não há o que atraia um jogador. Não há um canto de sereia para que venha ao Morumbi. Não há algo que o fixe no clube.

Christian Cueva, por exemplo. O Aladino, como é conhecido no Peru, não frequenta uma lista dos dez maiores peruanos de todos os tempos. E, mesmo assim, trata o São Paulo como se fosse o Comerciantes Unidos, de Cutervo, ou a Academia Cantolao, de El Callao, dignos (?) representantes do futebol peruano.

A missão de Raí é mostrar aos jogadores que o São Paulo é grande, enorme, gigante. Muito maior do que eles. Todos juntos. E isto não se faz apenas com palavras ou multas ou uma imersão na história do clube. É preciso um projeto audacioso e bem montado. É preciso que o novo lateral que vai chegar (precisa chegar), o novo meia, o novo atacante, o novo centroavante saibam que estão chegando em um clube que tem um planejamento para ser campeão brasileiro em dois anos. Um clube que tem dívidas equacionadas, que tem patrimônio, infraestrutura e uma base vencedora.

Raí precisa fazer com que os jogadores voltem a querer jogar no São Paulo. E que sintam pouca vontade de sair. Precisam saber que é melhor jogar no São Paulo do que no River. O que, na atualidade, não é. Com frieza, por exemplo, é necessário se livrar, assim que terminar a Copa, de Cueva. Ninguém, nem ele, muito menos ele, pode se atrasar seis dias para voltar ao trabalho.

O trabalho de reconstrução da dignidade do São Paulo é duro e longo. Um trabalhão para Raí