Blog do Menon

TJD não pode perseguir o Palmeiras

Menon

O Palmeiras fez mais do que a obrigação e venceu o Novorizontino e já está nas semifinais do Paulistão. Mesmo assim, será injustificável uma punição do TJD a Jaílson, Dudu e Felipe Melo por conta dos incidentes no dia 24 de fevereiro, quando o  Corinthians venceu o Palmeiras por 2 x 0 em Itaquera.

Jaílson e Dudu, no calor da derrota, falaram coisas que todo torcedor diz: ''passaram a mão no Palmeiras, na dúvida é Corinthians''. Um desabafo que não pode ser encarado como algo acima disso. Se, em vez de falar, tivessem escrito e colocado aspas, nada aconteceria. É como dizer que o árbitro tal ''roubou'' o time tal. Ou seja, errou tanto que parecia um roubo.

Felipe Melo foi indiciado por causa de algumas cenas que dão a entender que ele mostrou o dedo médio para a torcida. Não está no relatório. Ora, se não está, não aconteceu. É minha tese de sempre. O jogo precisa terminar ao final dos 90 minutos. Nada mais.

Punição para Jaílson por jogada violenta é outra coisa. Realmente, eu achei que ele foi violento mesmo. Mas é uma questão de argumentação. Foi expulso e uma punição por esse motivo não seria descabida.

Fora disso é tudo fruto de uma tendência punitivista que toma conta do futebol. O TJD deveria ser presidido por um jurista, mas, não. É comandado por um delegado. Como a arbitragem brasileira é comandada por um coronel. Eles querem tratar jogadores como soldado, deixando de lado toda a carga de emoção que traz um jogo de futebol.

Se o árbitro Raphael Claus se sentiu ofendido com as palavras de Jaílson e Dudu, se pensa que sua honra e honestidade foram colocadas em dúvida, que processe os jogadores. O errado é tirá-los de um ou dois jogos por conta de uma bobagem, de um desabafo ditos a microfones em momento de alta carga emocional.

Uma punição serviria apenas para deslustrar o campeonato.



*As opiniões expressas neste blog são de responsabilidade do autor.