Blog do Menon

Zagallo, o melhor de todos, merece a homenagem de Tite

Menon

No mesmo dia, a seleção brasileira, recebeu a visita de um dos dois maiores vencedores da história do futebol brasileiro (o outro é um tal de Pelé) e de dois cartolas insignificantes, o coronel Nunes (quem?) e Rogério Caboclo (quem?) futuro presidente da CBF, ambos intimamente ligados ao banido Marco Polo.

Mas vamos falar da visita boa. Mario Jorge Lobo Zagallo, bicampeão mundial como jogador em 1958 e 1962, campeão como técnico em 1970 e auxiliar em 94, vice campeão mundial em 1998, novamente como treinador. Aos 86 anos, foi, com certeza, um dos últimos dias felizes de sua vida. Até o próximo convite. Porque Zagallo vive a seleção, vive da seleção, vive para a seleção. Pela ''amarelinha'', faz tudo. É sua vida. Um amor, uma ligação, que remetem a tempos antigos, quando havia orgulho  em torcer pelo ''scratch''.

Zagallo sempre foi contestado. E sempre foi vitorioso. Como jogador, era muito ridicularizado pelos jornalistas de São Paulo, quando a rivalidade com o Rio era imenso. Quando as pessoas ainda se importavam com o número de jogadores que cada estado cederia à seleção. Em São Paulo, era impossível imaginar sua convocação, ele seria apenas o terceiro homem, atrás de Canhoteiro e de Pepe.

Canhoteiro era considerado o Garrincha da esquerda. Maranhense, era um malabarista com a bola nos pés. Seus dribles, pelo São Paulo, eram temidos pelos adversários. Pepe jogava no Santos. Ponta-esquerda com chute potente, o ''Canhão da Vila'', é o segundo artilheiro da história do clube, com 405 gols. ''Sou o primeiro e não o segundo, porque Pelé é um ET. Ele não conta'', diz sempre.

Em 1958, o treinador da seleção era Vicente Feola, que dirigia Canhoteiro no São Paulo. O chefe da delegação era Paulo Machado de Carvalho, ligado ao São Paulo. E Canhoteiro foi cortado. E Zagallo foi o titular. Feola, que havia trabalhado com o húngaro Bella Guttmann no São Paulo, trocou o WM pelo 4-2-4 na seleção. Um 4-2-4 que virava 4-3-3 porque o ponta era Zagallo, que voltava ao meio para ajudar Didi. E cobrir as avançadas de Nilton Santos, um lateral à frente de seu tempo. Foi assim o trabalho de Zagallo em 58 e 62, quando o treinador era Aymoré Moreira. Fez um gol em cada Copa.

Em 1970, seu trabalho também foi diminuído. Muitos dizem que ele recebeu uma seleção pronta de Saldanha, afastado por ser comunista e por denunciar a tortura no Brasil em entrevistas no Exterior. E também por ter resultados ruins, após a brilhante participação nas eliminatórias, quando o Brasil venceu os seis jogos, contra Colômbia, Venezuela e Paraguai, com 23 gols a favor e apenas dois contra.

Saldanha foi demitido após uma vitória sobre a Argentina, por 2 x 1, em março de 1970. Zagallo assumiu e foi campeão mundial em 21 de junho.

A seleção de Saldanha, que se classificou com 1 x 0 sobre o Paraguai, tinha Felix, Carlos Alberto, Djalma Dias, Joel Camargo e Rildo, Piazza e Gérson; Jair, Tostão, Pelé e Edu.

A de Zagallo, que ganhou a Copa dez meses depois tinha Feliz, Carlos Alberto, Brito, Piazza e Everaldo, Clodoaldo e Gérson, Jair, Tostão, Pelé e Rivellino.

Deu força ao meio campo com Clodoaldo e ao meio-campo, com Rivellino. Piazza foi para a zaga porque Sebastião Leonidas, seu favorito, se contundiu.

O time de Saldanha poderia ser campeão? Sim, mas dizer que Zagallo nada fez e pegou o trem andando é uma bobagem.

Zagallo não é perfeito. Ninguém é. Em 1974, foi surpreendido por Rinus Mitchel e sua Holanda. O futebol revolucionário recebeu de Zagallo o apelido de ''tico tico no fubá''. Depois, esclareceu que era uma forma de incentivar seus jogadores. E o Brasil poderia ter vencido se Paulo César Caju não errasse como errou, quando ainda estava 0 x 0.

Ele fez coisa feia também. Eu vi uma. Em 1993, o velho Barbosa, a quem todos culpavam pela derrota de 1950 (é fácil culpar Barbosa e Bigode, os dois negros) foi até a Granja Comary para atender a um trabalho publicitário. Ganharia um cachê (não me lembro de quem) para uma foto e algumas palavras com Taffarel.

Parreira não deixou. Para ele, seria uma carga emocional muito forte para o goleiro de uma seleção que não ganhava a Copa há 24 anos e que ainda buscava a classificação. Taffarel nem soube da visita. Zagallo recebeu e despistou Barbosa. O treinador, que no dia da derrota para o Uruguai, em 1950 – aquela que marcou para sempre a vida de Barbosa – estava no Maracanã, como soldado do Tiro de Guerra, trabalhando na segurança do estádio, bateu papo, trocou lembranças, sorriu, acenou, mas Barbosa se foi sem foto e o cachê.

Em 1998, Zagallo se rendeu à vontade de Ronaldo e o escalou, mesmo após uma convulsão durante a madrugada, para a final contra a França. Hoje, muitos jogadores contam que o Fenômeno não deveria ter entrado e que eles jogaram preocupados com a saúde dos companheiros. Mas, como culpar Zagallo? Alguém tiraria Messi ou Cristiano Ronaldo de uma final.

É possível que alguns jogadores que receberam Zagallo não tenham ouvido falar dele. Com certeza, não têm noção de sua importância para o futebol brasileiro. O  homem que foi vencedor contra a desconfiança de todos e que fez do amor pela amarelinha a sua marca.