Topo
Blog do Menon

Blog do Menon

Categorias

Histórico

Aline Reis deixou de ser treinadora para ser goleira. Da Seleção

Menon

2022-05-20T19:06:18

22/05/2019 06h18

Aguaí teve grandes jogadores de futebol. José Alves, o Bagunça, foi campeão da segunda divisão paulista com o Radium de Mococa. Gian, nosso zagueiro, jogou na Ponte e no Vasco e chegou a marcar Ronaldo Fenômeno. Cesinha foi o rei da Copa São Paulo, competição que o Filipe venceu com o São Paulo. Dirceu Costa fez testes no Corinthians, Max no Guarani, Adauto esteve em vários clubes do interior, Dilino no Fortaleza e muitos outros não precisaram sair de Aguaí para fazer a alegria dos nossos domingos. Valdir, o Garrincha Loiro, era meu preferido.

Mas o aguaiano que foi mais longe com o futebol é…aguaiana. Uma mulher, me desculpem os machistas. O nome dela não é Jenifer. É Aline. Aline Reis, mas pode chamar de Aline Superação, como garante a Naara Villares, mãe da goleira que participou da Olimpíada de 2016 e que agora foi convocada pelo treinador Vadão para o Campeonato Mundial.

"Aline abriu mão de muita coisa para ter sucesso na profissão. Enfrentou preconceito, saudade da família, mas tinha um objetivo", conta a mãe orgulhosa, que também foi atleta. "Eu sempre gostei muito de esporte. Não saía do Celtra. Fazia tudo que era possível, de handebol a ginástica. O Ruy Sasso era meu professor, não esqueço dele até hoje".

Naara saiu de Aguaí em 1993, quando Aline tinha quatro anos. Nas férias, a menina ia jogar futebol. Com garotos. "Eu nunca fui contra. Gosto de esporte e acho que as pessoas devem fazer o que têm vontade. Se ela queria futebol, que fosse futebol. A Luiza, minha segunda filha, gosta de teatro e eu apoio também. Até entrei junto no curso".

Aline começou a jogar no Careca Sport Center, que pertencia ao ex-centroavante do Guarani, São Paulo e seleção. Depois, foi aprovada em um teste no Guarani. "Começou no futsal. E era muito boa. E eu ia acompanhando. Uma vez, em Limeira, fui na final dos Jogos Regionais. Ela pegava tudo e eu gritava muito. Uma pessoa comentou que a goleira era muito boa. Eu falei que era mesmo e que era minha filha. Ai, passaram a me dar parabéns".

Chegou a hora da primeira decisão pessoa. Aline tinha 17 anos e resolveu deixar o futebol de lado. Estava bem no Guarani, mas não havia perspectivas de ascensão profissional. "Ela me falou que iria se dedicar ao cursinho para tentar Veterinária".

Um dia, entre uma apostila e outra, chegou a saudade de bater uma bolinha e foi treinar no Guarani. Então – e até parece filme – havia um olheiro dos Estados Unidos que acenou com a possibilidade de testes e uma carreira na Universidade Central da Flórida.

E a grande aventura começou. Aline mandou vídeo para três faculdades e foi aprovada por todas. Ficou mesmo na UCF. E ali, se encontrou com duas pessoas que ajudaram muito no seu desenvolvimento profissional: as treinadoras Amanda Cromwell e Donna Sishcer.  Uma "parceria de três" que levou Amanda a ser premiada em 2012 com sua entrada no Hall da Fama da Universidade, honra dada aos maiores atletas da história da instituição.

"Eu estava sempre junto com ela, por skipe, por telefone. No primeiro ano teve uma contusão no joelho, fui lá para apoiar. Quando Dona Guiomar, a avó dela morreu, pensou em voltar conversamos e eu apoiei na decisão de ficar por lá. Ela sofreu, mas tem muita fibra', conta a mamãe Naara.

Nessa época, Amanda participou de um seminário em que conheceu Kleiton Lima, então treinador da seleção brasileira. Ela falou que tinha uma goleira brasileira muito boa em seu time e que ele deveria conhecer. Kleiton a convocou. Mas foi por pouco tempo. O preparador de goleiras, Navarro, disse que Aline era tecnicamente perfeita, dona de ótimos fundamentos, mas muito baixa, com apenas 1,63m. "Foi uma decepção muito grande para ela. Desistiu da seleção. Argumentou que nos EUA ninguém se incomodava com a altura e que ela era muito respeitada."

De volta aos Estados Unidos, Aline foi fazendo seu nome na UCF até que Amanda, sua treinadora, recebeu um convite para treinar a UCLA em Los Angeles, uma das referências em esportes. Aceitou e convidou Aline para ser a treinadora de goleiros. Para ensinar tudo o que havia aprendido. "E lá fui eu ajudar na mudança. Dirigimos quatro dias de Orlando até Los Angeles com toda a mudança dela", conta Naara.

Aline trabalhou quatro anos, de 2011 a 2015 como treinadora de goleiros. Até que um dia, em 2015, estava vendo a seleção brasileira jogar a Copa do Mundo. O adversário era a Austrália. E um pensamento bateu forte. "Por que não eu"? Ela viu que tinha condições técnicas de jogar pela seleção. E colocou a Olimpíada de 2016 como meta de vida. "Ela me ligou e disse que ia tentar e que ia fazer de tudo para conseguir. E eu tive certeza que ela conseguiria", diz Naara.

Aline trocou Los Angeles por Araraquara, disputou o campeonato paulista e teve sua chance. Foi para a Olimpíada e fez um jogo, contra a Africa do Sul. O time ficou em quarto, Vadão saiu, chegou Emily Lima e Aline não foi mais chamada. Foi para a Europa, atuou na Hungria e, com a volta de Vadão, deixou tudo para ficar no Brasil. Sem time, sem receber, mas treinando com a seleção. "Queria estar ao lado e ser notada. Se ficasse na Europa, só viria de vez em quando", conta Aline. O Brasil ganhou a Copa América e Aline foi jogar no Tenerife, na Espanha.

Agora, está de volta. Está no Mundial. A titular é Bárbara, mas ela sonha com a vaga. "Eu treino muito duro e me esforço muito para ser titular. Quando faço assim, sem me incomodar, estou contribuindo com a Bárbara, com o Vadão e comigo mesma".

E o que Vadão pensa de Aline?

"É excelente, tem ótima técnica e todos os fundamentos. Foi até treinadora de goleiras nos EUA. Ela é mais baixa, mas não atrapalha, porque tem muita colocação e muita velocidade de reação. A impulsão é impressionante. Ela capta rapidamente o plano tático, como deve ser a saída de bola. É ótima goleira e conto com ela".

PS – Este perfil foi feito para O Imparcial, de Aguaí. Mas achei que a relação mãe e filha extrapola a minha cidade querida.

Sobre o Autor

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar.Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

Mais Blog do Menon