PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Cilinho, genial, morre mais atual que nunca

Menon

28/11/2019 16h07

Dr Otacílio Pires de Camargo. Nome de médico, de embaixador. E de Cilinho, que foi – morreu hoje, aos 80 anos – muito mais que isso.

Foi criador dos Menudos, o fantástico time do São Paulo, campeão paulista de 85 e 87, sob seu comando e campeão brasileiro em 86, com Pepe.

Um time voltado ao ataque, com extrema velocidade. Bernardo, Silas e Pita; Müller, Careca e Sidnei. A base era está. Também jogava Márcio Araújo no lugar de Bernardo. Quem não jogava era Falcão, o Rei de Roma, já em fase final de carreira.

Era um frasista genial.

Passarinho que acorda cedo, bebe água limpa (louvando o trabalho)

Nunca confie em garçon ou centroavante de cabeça baixa.

Era um entusiasta de jogador rápido pelo lado do campo. Com Muller ou com Mazinho Loyola. Era o seu formato, a sua assinatura.

Fora do futebol, tinha outras paixões. Conflitantes. Colecionava arte barroca e galos de briga.

Era um entendedor de futebol. Não era um erudito, como Parreira ou Cláudio Coutinho, mas um filósofo popular.

Se falasse mais bonito e fosse menos turrão, teria tido mais sucesso. Mas não seria Cilinho.

Eu poderia lembrar da alegria que era ver aquele time jogar. Mas, Cilinho fala por si. Leiam a entrevista abaixo dada à Revista Placar em 1986.

Ele estava cotado para a seleção. E fala o seguinte:

O calendário brasileiro mutila o jogador

A Seleção tem de jogar no ataque.

A Seleção precisa fazer o povo feliz.

Ah, se o Tite pensasse assim.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar.Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

Menon