PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Leco perdeu Ceni e o trem da História

Menon

11/12/2019 04h03

Em 2005, o São Paulo fez valer o que estava escrito na lei e não permitiu que o Furacão disputasse em casa o primeiro jogo da final da Libertadores.

Criou-se então um grande ódio de Petraglia ao São Paulo. E, com dois títulos nos últimos dois anos, justificou-se, tecnicamente falando, uma rivalidade que ele tentava criar a todo custo.

Agora, o Furacão pode contratar Rogério Ceni como treinador. Rogério Ceni, que estava no gol do São Paulo naquela final. E no Mundial de Clubes ao final do ano, contra o Liverpool.

O São Paulo perder Rogério Ceni para o Furacão é um retrato fiel da situação atual do clube. Mas não é só isso.

É muito pior. O São Paulo não disputou Ceni com o Furacão. Inacreditável.

O presidente Leco perdeu a grande chance de passar uma borracha nos desentendimentos e mágoas recentes e criar um ambiente de paz. Seria um ato importante e marcaria seu último ano de mandato. Trazer Ceni, o maior ídolo do clube e um dos melhores treinadores do Brasil, seria um golaço. Aço.

Não. Ele preferiu apostar na continuidade. Continuidade de quê? De algo que foi fraco. Ruim. O trabalho de Diniz.

Agora, a nova argumentação dos defensores de Diniz é que ele terá a possibilidade de comandar a pré-temporada do clube, em janeiro.

Ah, sim. Agora, vai.

Mas ele comandou o Furacão desde a pré-temporada em 2018 e fracassou. Idem em 2019, no Fluminense.

Diniz vai ter tempo de passar suas ideias aos jogadores. Mas, precisa de tanto tempo assim? Jesus precisou de quatro meses no Flamengo para vencer a Libertadores. E Sampaoli, de um mês, para implantar suas ideias no Santos.

Sei lá, parece que Diniz vai ensinar física quântica ou a Teoria da Relatividade…

Sobre o Autor

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar.Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

Menon