Blog do Menon

Arquivo : balbuena

Romero é vítima de racismo
Comentários Comente

Menon

Romero é um jogador em evolução. Não apenas pelos sete gols em cinco jogos, 70% da artilharia do clube no pós Copa. Os gols foram a explosão decorrente da melhora do jogador. Romero era marcador de lateral. Ajudante de Fagner, apesar de incomodar também no ataque, sempre pela direita. Hoje, Fagner é seu assessor. E ele não fica mais por lá, corre por todo o campo. Está na esquerda também. E tem se revelado um falso nove utilíssimo, capaz de assumir algumas tarefas de Rodriguinho.

Aonde a evolução o levará? Com certeza, não será à Europa. Bem, sempre há uma liga menor para acolher alguém com seu talento, mas me parece impossível chegar às grandes ligas. Isso é coisa para Pedrinho. A evolução de Romero o levará ao fundo do coração corintiano. Lá, ele já está. Como diz o amigo Moacyr “engenheiro Pinduca”, corintiano tem uma certa admiração por Sócrates e Rivellino, mas gosta mesmo é de Zé Maria, Biro Biro e Romero.

A evolução de Romero é impressionante e invisível para muita gente. Não enxergam por dever clubístico mas também por preconceitos enraizados. Paraguaio bom é zagueiro, como Reyes, Gamarra e Balbuena. Paraguaio é falsificado. Paraguaio é sinônimo de coisa falsa. Paraguaio não pode ser bom. Uma atitude ridícula. Afinal, se o Paraguai foi colônia da Espanha, nós fomos colônia de Portugal. O último país da América a acabar com a escravidão. Ainda há dementes que não acreditam que tenha havido escravidão.

Pode-se dizer que a desconfiança em relação a Romero não tem a ver com xenofobia Afinal, qual foi o grande atacante paraguaio? Cardozo? Santa Cruz? Arsenio Erico? É um bom argumento, mas se Romero fosse nascido na Letônia ou no Tijiquistão ou em Ilhas Fiji, seria saudade com fé e entusiasmo. Mas, ele é apenas paraguaio, nasceu naquele país do ditador Solano López, que nós tivemos a obrigação de massacrar. Nem interessa se a vitória foi conseguida com ajuda de Argentina e Uruguai. E, se matamos crianças, foi culpa de quem deu armas para elas. Ninguém mandou ficar na frente de nosso iluminado conde Deu, corajoso marido da Princesa Isabel.

Como disse o Mauro Cezar Pereira, no Linha de Passe, só falta alguém chegar e dizer: “o Romero é tão bom que nem parece paraguaio”. Ou algum outro cretino dizer: “não tenho racismo contra paraguaio, eu até vibrei com um gol do Romero”


Andrés vende jogadores a preço de banana
Comentários Comente

Menon

Deixemos de lado a vergonha que é o futebol brasileiro perder jogadores para o Egito. Mesmo que, no caso do Pyramids, o dinheiro seja saudita. Ou seja, já estamos acostumados a ver nossas atrações mudando para a Arábia, já é normal, já nem dói mais. O tal mundo árabe e agora o Egito. Qual o próximo passo? Guatemala?

Culpa de um futebol extremamente mal organizado, governado por uma entidade corrupta. E da economia do país, é lógico. E nem se pode falar em assédio e resistência. Os clubes brasileiros já se organizam para vender. Não vêm a hora de a tal janela abrir. O São Paulo e outros clubes já colocam futuras vendas de jogadores no orçamento do ano.

O problema, que é de todos, é muito pior no Corinthians. Os outros clubes vendem, o Corinthians agracia os compradores. É algo inexplicável a falta de gerenciamento, o modo como os jogadores se vão em troca de migalhas.

Maycon é um volante de alto nível. É jogador de 21 anos, com futebol para duas Copas do Mundo. Alto nível técnico. Foi para a Ucrânia por 6,6 milhões de euros. Inexplicável, quando se lembra que o São Paulo conseguiu 8 milhões de euros por Cueva, de 26 anos. Está bem, Cueva esteve no Mundial, uma grande vitrine, mas não brilhou. E, sem nenhuma xenofobia, sem nenhum preconceito, ele é peruano. Jogador brasileiro tem um valor de mercado maior. Deveria ter.

Outra comparação envolvendo Maycon. O São Paulo conseguiu 1 milhão de euros por Marquinhos Cipriano, que tem 20 minutos de atuação no time profissional. E ele iria de graça em fevereiro. Para antecipar o negócio, o Shakhtar, mesmo time que comprou Maycon.

E Rodriguinho? Foi para o Pyramids por 6 milhões de dólares. O mesmo Pyramids que pagou 10 milhões de euros por Keno. Uma diferença enorme. Rodriguinho valeu 23 milhões de reais e Keno, 44 milhões. Quase o dobro. Com uma agravante. O Corinthians fica com apenas 15 milhões. O restante vai para o Capivariano e  América-MG? Ora, por que o Corinthians não comprou esses valores antes, para ter 100% da venda? Alguém explica?

E Balbuena? Saiu por 4 milhões de euros, metade do valor de Cueva.

No caso, o Corinthians não teve forças para negociar com empresários. Só aceitaram renovar contrato se a multa fosse baixa assim. Foi uma compensação para o Corinthians, que perderia seu jogador sem receber nada, como foi no caso de Pablo.

E a explicação de Andrés para tanta venda mal feita é ridícula.

Ele diz que o dólar está valendo quatro reais. É bom se acostumar porque vai valer ainda mais.

E diz que quando o jogador quer ir, ninguém segura. E ainda diz que o Palmeiras está errado em segurar Dudu. Joga para a torcida corintiana. Torcida que acompanhará Dudu no Brasileirão e Rodriguinho no Egipcião.

 


Borja 1 x 0 Valentões alvinegros e verdes
Comentários Comente

Menon

Um gol. 50 faltas. Dez cartões amarelos. Dois cartões vermelhos. 36 cruzamentos. A primeira decisão do Paulista foi um jogo de péssimo nível técnico, com jogadores fazendo bobagens o tempo todo. Uma amostra do futebol brasileiro. E olha que estiveram em campo Cássio, Fagner, Henrique, Rodriguinho, Marcos Rocha, Felipe Melo, Lucas Lima e Dudu, jogadores que já tiveram passagens pela seleção brasileira. Felipe Melo e Henrique já jogaram uma Copa. Romero e Balbuena são da seleção paraguaia.

Futebol passou longe de Itaquera.

E o colombiano Borja foi o esperto entre valentões. Fez o gol do jogo. No último minuto do primeiro tempo, fez falta dura em Henrique. E saiu andando, sem ligar para os dois empurrões que levou. E passou novamente ao largo de toda a confusão que veio depois. Um comportamento que ajudou muito o seu time. Ao contrário daquela briga campal contra o Peñarol, em Montevidéu, quando foi de uma ausência ultrajante.

Além da briga, o que se viu foi jogador o tempo todo reclamando e pedindo cartão para o rival. O tempo todo. No último minuto, Rodriguinho iniciou um contra-ataque e sofreu falta em seu campo. Levantou pedindo amarelo. Por que pensar nisso em um momento tão dramático? Parece que o primordial é dar amarelo aos outros. A síntese do futebol é essa. Foi essa.

Gabriel fez cinco faltas. E também no final do jogo, atirou uma bola na cabeça de Bigode. Qual o sentido disso? Poderia levar o segundo amarelo e ficar fora da final, como Felipe Melo e Clayson, os expulsos.

E Dudu? O tempo todo fica pilhando o jogo, fica irritando adversários, logo sofrerá tendinite no ombro de tanto pedir amarelo.

Realmente, confesso que não tenho capacidade para analisar um jogo assim.

Palmeiras não foi passivo como nos outros clássicos contra o Corinthians.

Fez um gol logo no início e se aproveitou muito do clima nervoso que houve. Quando não tem futebol, quem está na frente tem mais possibilidades de manter o resultado.

O Palmeiras está perto do título. Graças a Borja.


Corinthians acerta, mas o raio cairá pela segunda vez em Itaquera?
Comentários Comente

Menon

Não é toda hora que tem pão quente.

O raio não cai duas vezes no mesmo lugar.

A sabedoria interiorana serve como parâmetro para analisar as duas primeiras contratações corintianas: o volante Renê Jr. e o atacante Júnior Dutra. Renê, volante de marcação e com bom passe, já é conhecido dos tempos de Ponte Preta e fez bom campeonato no Bahia. Junior Dutra teve seu primeiro bom ano no futebol brasileiro agora no Avaí e é um atacante rápido, de lado de campo, com nove gols marcados no Brasileiro.

Em comum, têm algo que marcou o Corinthians no ano anterior: contratação de jogadores discretos, versáteis e baratos. Foi assim que se criou o mito da quarta força, com o time superando todas as dificuldades, toda a desconfiança do mundo. Essas bobagens todas que as pessoas criam, quando sabemos que nenhum corintiano estava feliz e que a diretoria só manteve Fábio Carille porque não tinha dinheiro para alguém mais experiente.

Mas é assim mesmo. O discurso da narrativa nem sempre é real. Os que agora saúdam a contratação de Paulo Roberto como uma genialidade, a criticaram como imensa burrice.

O que interessa é que deu certo. Com Jô, Gabriel, Pablo, Balbuena, no ano anterior, Clayson…

Mas e Kazim? E Luidy? E Clayton?

Vamos esperar. Sem dinheiro, o Corinthians acerta ao não fazer loucuras.

Mas, para que dê certo novamente, é preciso que o raio caia duas vezes no mesmo lugar e que tenha pão quente a toda hora.

 


Luís Ademar e a seleção do Brasileiro=17
Comentários Comente

Menon

Pedi para alguns amigos queridos fazerem a escolha da seleção do brasileiro. Hoje, é o Luis Ademar, que eu conheço há muitos anos. Segue a escolha dele.

VANDERLEI – foi disparado o melhor jogador do Santos. Superando até Bruno Henrique. Fez defesas difíceis quando mais a equipe precisou. Muitas vitórias podem ser creditadas a milagres do paredão santista. Injustiçado na Seleção Brasileira de Tite, que convocou até Muralha.

FÁGNER – Inteligente, veloz, importante no apoio ao ataque, sem descuidar da marcação. Campeonato brilhante. Não é à toa que uma das opções de Tite para o Mundial de 2018.

GEROMEL – vive fase espetacular, com precisão nos desarmes, ótimo jogo área e, principalmente, senso de cobertura. Líder em campo, outro injustiçado que foi preterido por Tite, que cansou de chamar Rodrigo Caio.

BALBUENA – o paraguaio tem meu respeito pela maneira silenciosa em que se transformou no xerife da zaga. Ótimo no jogo aéreo, em especial na defesa, mas fundamental com gols importantes no ataque. Abusado, ele cansou de se lançar ao ataque iniciando as jogadas de contragolpes. Fez parceria de respeito com Pablo.

ARANA – o garoto me parece o futuro da Seleção Brasileira. Tem potencial para ser o substituto de Marcelo no futuro. Atrevido, habilidoso, eficiente no apoio ao ataque, caprichou em muitos cruzamentos. E jamais foi ineficiente na defesa, mesmo na momentânea má fase no returno.

MICHEL – repetiu a temporada de 2016, quando foi campeão da Série B pelo Atlético-GO. Chegou ao Grêmio e tomou conta da posição. Protege bem a zaga, sai para o jogo com inteligência e foi importantíssimo na campanha do Grêmio

BRUNO SILVA – confesso que fiquei em dúvida entre ele e Artur, moleque bom de bola do Grêmio e que futuramente também deve figurar com frequência na Seleção Brasileiro. Optei pelo botafoguense pelo papel fundamental que teve em time limitado. Importante na marcação e eficiente no ataque, onde fez vários gols e deixou os companheiros na cara do gol. Levou a melhor por ter superado suas limitações e brilhado no meio-campo.

HERNANES – Graças a ele, e com o apoio do Cueva, o São Paulo não caiu. Líder dentro e fora de campo, foi criativo, marcador, eficiente taticamente e artilheiro. Chegou, tomou conta da posição e passou até a figurar nos planos de Tite. Final de temporada espetacular.

LUAN – Vive fase espetacular. Pode ser meia, meia atacante, atacante. Jogador pelos lados, por dentro, de segundo atacante. Tudo isso por sua eficiência e polivalência. Jogou muita bola ao longo da temporada.

DUDU – travou batalha dura com Bruno Henrique, do Santos. Levou a melhor por diante de tanta pressão, em time que decepcionou com todos os treinadores, ele ter chamado a responsabilidade com dribles, velocidade, eficiência e gols. A briga foi boa, confesso, pois o santista jogou muita bola. Mas as múltiplas funções do palmeirense me fez optar por ele.

 – Foi o grande personagem do Corinthians. Um pivô inteligente e eficiente, que soube tirar proveito da estatura para aparar todas bolas de cabeça vindo da defesa. Preparou jogadas para os companheiros, mostrou muita movimentação e mobilidade, e se transformou em grande artilheiro. Impecável!

FÁBIO CARILLE – junto com Jair Ventura fez trabalho eficiente com todas as limitações do seu elenco. Tirando proveito do máximo de cada jogador, o Corinthians fez primeiro turno impecável, que dificilmente será superado por uma equipe. E nas irregularidades ocorridas no segundo turno, soube fazer modificações para colocar a equipe novamente nos trilhos.

 


Minha seleção do Brasileiro-17
Comentários Comente

Menon

Em um campeonato de pontos corridos, conta muito a regularidade. É um dos pontos que usei na minha escolha, mas não foi o único. Busquei também jogadores jovens, jogadores que chegaram e resolveram problemas e até um jogador que foi espetacular e depois caiu. E um outro que nunca foi e nunca será espetacular. Preferi o esquema 4-1-4-1 porque assim consigo colocar dois meias atuando juntos, o que acho fundamental para…o meu modo de ver futebol. Não sou fã de esquema com dois homens abertos correndo atrás do lateral e apenas um meia centralizado. Bem, aí vai. Tomara que gostem.

Vanderlei – Magro, ruim de entrevista (assim como Fábio, exagera no louvor a Deus para explicar jogos de futebol) e sem marketing, o goleiro do Santos apareceu apenas por suas qualidades. Está sempre bem colocado, mas também faz defesas plásticas, do tipo espetacular. Com o estilo Levir, não teve uma proteção eficiente, como Cássio e Marcelo Grohe, outros que gostei muito.

Militão – Uma das revelações do campeonato, o garoto que brilhava na base como zagueiro ou volante, foi chamado para resolver o problema da lateral direita do São Paulo e resolveu. É alto, o que ajuda muito na formatação defensiva, pois pode se deslocar um pouco para a esquerda e formar uma linha de três zagueiros e, com o recuo de Marcos Guilherme, montar-se uma linha defensiva com cinco homens. Fez três gols de cabeça, um deles anulado. Gostei também de Fagner e de Marco Rocha, mais ofensivo.

Geromel – Outro grande ano do zagueiro do Grêmio. A dupla formada com o argentino Kannemann é de uma eficiência indiscutível. Joga sério, mas também tem qualidade técnica para sair da defesa e ajudar a transição, além de boa postura nas bolas altas.

Balbuena – O paraguaio, que chegou no ano passado, sem muitas expectativas, firmou-se no Corinthians e, se não fez ninguém se esquecer de Gamarra, fez muita gente se lembrar de seu conterrâneo. Por mim, ele podia abandonar a continência, mas reconheço que não tenho nada com isso. Outros zagueiros que fizeram bom campeonato foram Pablo, Kannemann e Arboleda.

Arana –  Sim, ele caiu no segundo turno, o que afetaria sua avaliação no tal quesito regularidade. Mas o primeiro turno foi espetacular, uma aparição brilhante no futebol brasileiro. Marca bem e cruza com muita qualidade. Infelizmente, para o futebol brasileiro, já se foi. É sempre assim. Gostei também de Fábio Santos e Diogo Barbosa.

Artur – Sem dúvida, a maior revelação do campeonato. Um volante que merece o nome, sem numerais. Não é primeiro ou segundo, é volante. Um jogador que marca bem, passa bem e carrega a bola até o ataque. Tem 21 anos e não se pode dizer que está pronto (ainda bem), mas é jogador para estar na Copa em poucos meses. Gostei também de Bruno Silva e Michel.

Romero – Opa…Sim, Romero. Ele tem muitas dificuldades técnicas, mas faz um trabalho de recomposição pelo lado direito poucas vezes visto. Forma uma dupla de abnegados com Fagner, uma dupla muito importante para o sucesso defensivo do Corinthians. E, além disso, fez gols muito importantes. Não tem medo de jogo grande. Não cito ninguém que tenha feito um trabalho parecido.

Bruno Henrique– Muito importante na campanha do Santos. Tem grande poder ofensivo e finaliza bem. Seus cruzamentos foram perfeitos, muita vezes. Keno, do Palmeiras, brilhou muito após a efetivação de Alberto Valentim. Na direita ou na esquerda, foi responsável por grande aporte ofensivo do Palmeiras.

Dudu – Eu o escalei como meia, mas também jogou muito bem pelo lado do campo. Pelos lados do campo. Seja aonde for, fez um campeonato muito bom, sendo responsável pela arrancada do Palmeiras no segundo turno. Thiago Neves e Luan também foram bem.

Hernanes – Foi a grande contratação do ano. Não seria muito exagero dizer que salvou o São Paulo. Na frente, ao lado de Cueva (aqui com Dudu) ou mais atrás, foi impressionante. Fez a transição da defesa para o ataque com qualidade e também foi efetivo perto do gol adversário. Marcou nove gols, às vezes com a direita, às vezes com a esquerda, de cabeça ou de falta. Um todocampista. Como no caso de Romero, não vi ninguém que tivesse um trabalho tático parecido, apesar de Artur.

– Presente sempre e nunca decepcionando. Foi o melhor jogador do campeonato, ao lado de Hernanes, mas como atuou mais vezes, fica com o posto. Fez gols decisivos, quando tudo caminhava para o empate. Ótimo definidor e bom também para fazer o pivô. Desloca-se para a esquerda e daí parte em direção ao gol. Também gostei de Dourado, o maior cobrador de pênaltis do mundo. Edgar Junio, do Bahia, teve uma arrancada final impressionante.

Fábio Carille – Montou o melhor time possível com os jogadores que tinha em mãos. Não reclamou de carências e trabalhou duro. O time melhorou e começou a brilhar e fez um grande primeiro turno. Depois caiu e chegou a assustar. Mas Carille conseguiu uma partida definitiva contra o Palmeiras e arrancou para o título. Um início de carreira fulgurante.

 


Título do Corinthians não foi acaso
Comentários Comente

Menon

Vou contar uma coisa para vocês. Já aviso que parece fantasiosa, coisa de curupira ou boitatá. Até fiquei em dúvida em dizer o que vou dizer. Pensei em buscar provas. Mas, com o risco de passar por mentiroso, de ter minha credibilidade em dúvida, mas vou dizer: houve um tempo em que os torcedores de futebol reconheciam o valor dos rivais. O campeão era respeitado. Havia mais amizade e o ódio não escorria nas redes sociais. Bem, não havia redes sociais. Talvez seja por isso: cara a cara, olho no olho, é mais difícil ofender, colocar na tela os seus mais baixos instintos, como disse o probo Jefferson. Talvez a civilidade fosse apenas fake news.

Tomara que não. Sempre é bom acreditar na viabilidade da espécie humana. Mesmo que seja no passado.

É difícil ver méritos no título corintiano? É difícil o corintiano aceitar uma crítica sem vir com a história do fax? Ou do anti? Tenho um amigo que fala em anti, mas que comprou uma camisa do River para torcer contra o São Paulo, no Morumbi. Decorou músicas em casa, chegou cedo, se misturou com a torcida, arranhou o portunhol, gritou umas bobagens e foi para casa com dois cocos na cuca.

Quem desconhece méritos corintianos, quem se aferra a erros de arbitragem, quem fecha os olhos, está cometendo um grande erro, como eu disse AQUI. Está condenado a cometer o mesmo erro da arrogância e a sofrer na fila.

Em conversa matinal com meu amigo, o engenheiro Pinduca, o sucessor de Elisa, falamos sobre o assunto.

A contratação de Clayson foi um grande acerto. Ele jogou muito bem na Ponte.

Gabriel, que eu considero uma mala e um jogador desrespeitoso com os rivais, foi outro acerto. O Palmeiras o liberou para gastar os tubos com Felipe Melo. Os dois são marqueteiros, mas Gabriel não tentou derrubar o treinador e, apesar da maldade que coloca em muitas jogadas, subiu na fase final do Brasileiro.

Jô não foi um acaso. Foi uma aposta em quem estava mal, mas que tinha muita identidade com a torcida. Aposta ou não, rendeu muito mais que Borja ou Lucas Pratto.

Pablo? Foi um grande acerto. Chegou, formou ótima dupla com Balbuena e o Corinthians tenta mantê-lo no elenco. Com que dinheiro? O dinheiro da venda de Arana. E aí está outro grande acerto. O Corinthians conseguiu manter Arana, mesmo com grande assédio e mesmo não tenho uma situação financeira estável. Comparem com o São Paulo.

Carille foi um grande acerto, o maior de todos, mesmo não tendo sido a primeira opção. Quando Rueda não pôde vir, manteve-se Carille. Certíssimo.

Erro?

Kazim, o marqueteiro perna de pau. Não joga nada e todo mundo sabia disso.

Então, é assim. É  muito mais fácil falar de Kazim, Drogba, Pottker e juiz do que de todos os acertos.

Muito mais fácil. E muito mais errado.


Timão perde, mesmo com ajuda do juiz
Comentários Comente

Menon

Aconteceu. Depois de 34 partidas e 20 rodadas no Brasileiro, o Corinthians perdeu. E foi justo. Quem pode reclamar é o Vitória que teve um gol anulado, do zagueiro Kanu, no início do segundo tempo. Um impedimento que não houve. E não houve por muito, 1,4m segundo a Rede Globo.

Se quando o Corinthians vence não há aquele domínio enorme, aquele massacre, quando perde, também não. Foi um bom primeiro tempo do time de Carille, que atacou com Clayson, Rodriguinho e teve ainda o aporte de Gabriel, como um rompe linhas. O Vitória, bem postado, fez o seu gol em um belo contra-ataque.

No segundo tempo, o Corinthians piorou muito. A entrada de Moisés em lugar do contundido Arana ajudou o Vitória. Houve grande posse de bola, mas poucos chutes do Corinthians. E, além do gol mal anulado, houve contra-ataques bons para o Vitória, um deles salvo com bela defesa de Cássio. O juiz errou também contra o Corinthians, em um lance de impedimento que não houve, mas com poucas chances de gol.

Carille, ao ver Balbuena pedindo substituição, arriscou e colocou Jadson. Recuou Gabriel para a zaga. Não foi o suficiente para superar a defesa do Vitória, que teve grande atuação de Wallace.

A derrota do Corinthians mexe nos dois lados da tabela. Na parte do desespero, o efeito foi imediado. O Vitória chegou a 22 pontos, ultrapassou o Avaí e chegou ao 18º lugar, com o mesmo número de pontos de Chape e São Paulo. A Chape, com um jogo a menos, enfrenta o Palmeiras em São Paulo. E o Avaí, com 21 pontos, recebe o São Paulo. A briga é de foice no escuro.

Na parte de cima, o Grêmio pode diminuir a diferença em relação ao Corinthians, caso vença o Furacão, em casa. Ficaria com 42 pontos contra 47, sempre lembrando que o Corinthians tem um jogo a menos. Acontece que Renato prometeu escalar um time de jovens no Brasileiro, guardando os titulares para a Copa do Brasil e Libertadores.


Felipe Melo x Imprensa: uma boa luta, mas sem ofensas pessoais, por favor
Comentários Comente

Menon

justiçaobesaA contratação de Felipe Melo transcende ao futebol. Vai dar muito o que falar também fora de campo. Em sua apresentação, ele mostrou-se como um jogador esclarecido e com intuito de confrontar jornalistas. A Imprensa, como ele diz. Eu acho ótimo. Contestação e discussão sempre fazem bem. Traz a luz. Dialética.

O problema é que a contestação de Felipe Melo se baseia em mágoa e vai além da discussão teórica. Ele, que não se julga violento, vai com os dois pés (ou duas bocas?) e busca o lado pessoal de quem considera inimigo. Foi assim com Zé Elias. Foi assim com Renato Maurício Prado. E, dizem, foi assim com Neto. Não ouvi.

Também discordo quando ele fala “a imprensa”, como uma entidade unitária. Não existe “a imprensa”. Existem jornalistas e cada um tem o seu pensamento. A grande maioria convergiu quando colocou Felipe Melo como o culpado pela eliminação do Brasil na Copa. Eu acho que ele foi o maior culpado, sem dúvida. O Brasil dominou o primeiro tempo, Robinho fez um gol (passe genial dele, Felipe Melo) e depois piorou muito. Julio Cesar errou, o jogo ficou equilibrado, com Sneijder dando um show. E Felipe Melo, após uma falta violentíssima, foi expulso.

Sou contra a caça às bruxas, mas é preciso apontar um culpado. Foi ele. Se não tivesse feito a falta, se não tivesse sido expulso e o Brasil vencesse, ele seria aclamado pela maioria dos jornalistas e brasileiros, como o herói do jogo. Como um volante moderno, que deu um passe de Gerson de Oliveira Nunes.  Não foi. E, é preciso repetir, seu erro foi fundamental para a eliminação do Brasil.

Felipe Melo, que chegou falando grosso, dizendo que vai bater na cara de uruguaios no Uruguai, precisa ser valente também para assumir seu erro. Aliás, eu não entendi a frase: vou bater na cara dos uruguaios com responsabilidade para não ser expulso. Então, faltou responsabilidade em 2010?

A mágoa contra “a imprensa” faz Felipe Melo ver coisas que não existem. Seria ótimo se existisse, mas não é o caso. “Eu acho que a classe (dos jogadores) é uma classe muito desunida. Vocês, jornalistas, são muito unidos. Se um jogador fala mal de qualquer um de vocês, vocês se unem e vão contra. Nós, jogadores, somos bobos, porque temos que ser mais unidos”.

Ora, Felipe, se a classe fosse tão unida assim, não aceitaria a ditadura dos assessores de imprensa (que também são jornalistas) e talvez tivesse um piso salarial maior.

Mas, mesmo tendo suas críticas baseadas no caldo de cultura da mágoa e mesmo tendo uma visão equivocada da “imprensa” como algo único e coeso, Felipe acertou quando falou no exagero das críticas pesadas. Disse que jornalistas chamam jogadores de “songamongas”. Nunca ouvi, mas já ouvi pior. Já li coisa pior.

Limpeza, por exemplo. Um dos orgulhos da minha carreira é nunca haver usado esse termo para me referia à uma dispensa de vários jogadores ao mesmo tempo. Jogador não é lixo. Felipe está certíssimo. Precisa haver respeito e jornalista precisa saber seu limite. Eu me lembro de um narrador que se negava a dizer o nome de Edmundo. Falava apenas “o número sete” do Palmeiras. E dizia, alto e bom som, que “a respeito dele, só falo dentro de campo”. Uai, mas onde mais? Que direito, ele teria fora do campo, fora do aspecto essencialmente profissional? Ele acerta também ao falar que não vai generalizar, mas, reparem que repete a todo momento: vocês são isso, vocês são aquilo…

Felipe também disse não precisar da relação com jornalistas. “Nunca precisei de imprensa para nada. Nunca precisei ir em programa de TV para ficar famoso ou ganhar isso ou aquilo. Sempre precisei de Deus. É ele que me capacita. E da minha família”. O problema aí, e não estou falando dele, é que muitos jogadores procuram a aproximação quando necessária. Como os jornalistas ficam sabendo que o jogador foi levar ovo de páscoa para crianças doentes? Porque eles avisam. Dias antes. Repetidamente. Pedem. Não seguem os ensinamentos de Jesus Cristo e não praticam o bem sem olhar a quem. Fazem e avisam para todo mundo. E eu duvido que comprem os ovos de páscoa. Não colocam a mão no bolso, não.

Por fim, o último desabafo de Felipe Melo é uma lição, a meu ver, de como deve ser a relação entre jornalista e jogador.  “Sei que quando eu fizer jogada boa, vão falar ‘o Felipe é bom’, quando eu fizer falta vão falar ‘o Felipe é maldoso’. Antes isso me preocupava, hoje entra pelo meu ouvido e sai pelo outro”.

Mas, não tem de ser assim? Se jogar bem, é elogiado, se for expulso, será criticado. Qual é o problema?

Que os jornalistas e Felipe Melo cheguem a um consenso. Que haja justiça para ambos. Que não seja a justiça obesa retratada pelo escultou dinamarquês Jens Galchiot, com o povo pobre carregando uma justiça mórbida e lenta, favorece apenas o mais poderoso.

picadinhomenon

ROBERTO ANDRADE, O POLTRÃO – O presidente Roberto Andrade, do Corinthians, protagonizou uma cena ridícula ao receber aproximadamente 15 torcedores organizados em seu gabinete. Foi à tarde, é lógico, porque eles conseguiram liberação do trabalho para ir até a sede do clube. Ou são todos autônomos. Bem, durante a conversa, um deles tuitou algo do tipo: “a reunião está pacífica, até o momento”. Pois é, poderia não estar. Poderia haver agressões. Sonho com presidentes que ousem enfrentar estes brutamontes, sempre dispostos à pior escolha, sempre prontos a achar que reunião pacífica pode acabar a qualquer momento.

ALELUIA, ELE VOLTOU – Vasco e Bahia já jogaram. Hoje, é o Corinthians. Amanhã, o São Paulo. E os dois paulistas podem até se enfrentar na final da Flórida Cup. Os garotos da Copinha que me perdoem, mas estava sentindo a falta dele, o futebol de verdade. Sem ele, não somos nada. O danado é o sal de nossa vida.

NBA NA GLOBO – A GLOBO vai mostrar a fase final da NBA. Todos os sete jogos decisivos. Tomara que aprenda e não obrigue mais o NBB a ser decidido em um ou três jogos. Hortência será a comentarista. O narrador ainda não foi escolhido. Minha torcida é por Odinei Ribeiro, para que eu possa ver tudo, por todos os ângulos.

O TIME DE CARILLE – Cássio, Fagner, Paulo Henrique, Balbuena e Moisés; Gabriel; Romero, Camacho, Rodriguinho e Marlone. Na frente, Jô. É o que tem para hoje. Ou, melhor, para o primeiro tempo de hoje. No segundo, muda tudo. É o primeiro Corinthians de 2017, não muito distinto do último Corinthians de 2016. Gostaram?

 


Olho na meritocracia, Tite!
Comentários Comente

Menon

Agora que o Corinthians está fora da Libertadores, como já ficara fora do Paulistão, é preciso ter cabeça no lugar. O time é um dos favoritos ao título do Brasileiro. Fica entre os cinco primeiros, no mínimo.

Para isso, Tite tem de mudar Apostar na meritocracia.

Tite fala muito em meritocracia. Joga quem está melhor. Mais do que isso, ele respeita a fila. Se um jogador deixa o clube, um outro éjustiça contratado. Mas a vez é do reserva que lá estava. Tite também gosta de manter os jogadores que estiveram com ele nos momentos bons. Em 2013, morreu abraçado com Romarinho e Jorge Henrique, heróis de 2012.

É hora de praticar.

Balbuena deve entrar no lugar de Yago. Joga mais, é mais experiente, tem mais senso de colocação.

Bruno Henrique precisa sair. Nesse 4-2-3-1 que se transforma em 4-1-4-1 ou 4-1-3-2 dependendo da velocidade da projeção de Elias, é necessário um parceiro que garanta a barra lá atrás. Bruno Henrique não está conseguindo. Não desarma como Ralf – já era sabido – e não está acertando passes. É hora de Malcon, que passa muito bem. Na verdade, seria a hora de Marciel, que marca bem e passa bem. Mas Tite autorizou sua troca por Willlians, que nunca joga.

Romero deve entrar no lugar de Lucca. Romero é muito mais empolgado e empolgante. Acredita em todas, corre muito. Lucca é muito blasé.

Rodriguinho quando é bom, é ruim. É hora de Marlone. Ou de fazer o Guilherme acordar do sono profundo que o acomete. Ou de Marquinhos Gabriel. O que não pode é Alan Mineiro. O ex-gordinho foi muito mal em Montevidéu, perdeu um gol certo contra o Audax e ninguém sabe ninguém viu contra o Nacional, em Itaquera.

Arana joga mais eu Uendel.

Walter ou Cássio? Tenho dúvidas, mas a verdade é que aquelas mãozonas de Cássio estão parecendo um tipo de alface gigante,

O time precisa de um centroavante. André não dá conta.

São muitas mudanças? São. Mas também são duas eliminações.

Está na hora da meritocracia funcionar.

Outra coisa, Tite. Um treinador que ganha o seu salário não pode permitir que o time erre tantos pênaltis. Quem é o cobrador oficial? Por que Marquinhos Gabriel furou a fila da meritocracia, contra o Nacional? Puro desespero.