Blog do Menon

Arquivo : diego alves

Zé Ricardo tem brevê para Boeing?
Comentários Comente

menon

O Flamengo é um Boeing. Desculpem-me se a metáfora é ultrapassada e se já há avião muito melhor que o Boeing. Como não entendo nada desse assunto – e de outros também – recorri a Murici Ramalho, que a utilizava ao falar do São Paulo. O Flamengo é um Boeing, mesmo quando tem um time ruim.

É juntamente com o Vasco, o primeiro grande time nacional. Através das fortes ondas da rádio Nacional, saiu de Flamengo, saiu do Rio e tomou conta do Brasil. O Santos é outro time nacional, mas por conta de Pelé e sua mágica troupe. Como não se apaixonar pelas onze camisas brancas com seus negros artistas da bola? Mas, no caso do Santos, não era paixão. Era simpatia, quase amor. Todos com o Santos contra Benfica, Milan, Boca etc. Mas, somos Flamengo. Ou Vasco.

O Flamengo é um Boeing que foi dirigido muito mal durante muito tempo. Houve, então, uma direção saneadora. As dívidas foram equacionadas e chegou a hora de investir. O primeiro nome foi Guerrero, tirado do Corinthians em crise. Depois, veio Diego. E o comando já estava com Zé Ricardo. Ele fez um Brasileiro muito bom, sucedendo Murici. Foi o Brasileiro do “cheirinho” quando a torcida viveu o grande sonho do hepta. Não deu, mas Zé Ricardo foi saudado como a grande revelação, como o homem do ano.

E o Boeing foi tomando mais forma ainda, agora com uma tripulação de altíssimo nível. Chegou Conca, que não joga por questões físicas ou táticas. Chegou Everton Ribeiro. E vieram outros, menos brilhantes como Geuvânio e Rhodolfo. E agora, Diego Alves, o tapapenales.

Zé Ricardo tem muitas opções. Pode montar um time com dois jogadores de velocidade pelos lados do campo, como Berrio e Geuvânio. Pode ter uma trinca de armadores com Diego, Everton Ribeiro e Mancuello. Ou Conca. Pode jogar com um volante só e quatro meias. Tem opção para todos os gostos. E não tem conseguido fazer o Flamengo jogar melhor do que no ano passado.

O cheirinho de 2017 é insistência e não esperança.

Zé Ricardo está se comportando como um cozinheiro de restaurante caseiro, famoso pelo tempero e que, ao ser contratado por um restaurante com estrela Michelin não sabe o que fazer. E se mantém fiel aos velhos temperos: Márcio Araújo, Gabriel, Rafael Vaz e Alex Muralha.

E, pior, diz que Muralha jogou bem contra o Santos. Jogou bem e levou quatro? Então, o resto do time foi péssimo.

Zé Ricardo precisa ousar mais no final de temporada. Fazer com que o time renda de acordo com as expectativas que foram criadas a partir da contratação de virtuoses (estamos falando de futebol brasileiro).

Caso contrário, em vez de pilotar um Boeing, estará no comando de um Titanic. E sem a dignidade daquela orquestra.


Torcida do Flamengo e Bandeira precisam cair na real
Comentários Comente

menon

Torcida tem um papel importante na vida de um clube. Os dirigentes usam os números na casa de dezenas de milhões para pressionar por mais verba da televisão. E há demonstrações de carinho impressionantes. A torcida do São Paulo está abraçando seu time na luta contra o rebaixamento. A torcida da Portuguesa está acompanhado seu time na Copa Paulista. Corintianos e palmeirenses mantém taxa de ocupação em suas arenas comparáveis às dos hotéis cariocas no tríduo momesco.

A torcida do Flamengo deu uma prova maravilhosa de paixão no ano passado, quando criou o “cheirinho”, dizendo que o clube estava se aproximando do hepta. Não deu, mas tenho certeza que a movimentação – só se falava nisso – deu muita força ao time. Não deu e os rivais espezinharam, tiraram sarrro, mas foi com alívio. Todos sentiram medo do tal cheirinho.

O problema é quando a torcida começa a se achar a solução de tudo. E comece a raciocinar em um outro nível, em um universo paralelo em que o seu Mengão é melhor e maior que todos, dentro e fora de campo. Ela é tão forte que o time também é. Se ela se acha invencível, o Flamengo também tem de ser invencível. E não é. Ninguém é. Por mais que a Urubuzada se ache a maior e mais forte torcida do mundo, isso não significa que o Flamengo, mesmo com 400 milhões de torcedores na Ilha do Urubu, tenha obrigação de vencer o Palmeiras. Empatar com o Palmeiras por 2 a 2 é normal, é necessário repetir, como um mantra.

Não dá para entender que um empate contra o Palmeiras, resultado perfeitamente normal em qualquer campo do planeta Terra, seja o rastilho de pólvora contra um descontentamento latente. O time foi eliminado na Libertadores? Foi? O time joga menos do que deveria jogar? Sim. Mas o presidente Bandeira de Melo tem culpa de Diego errar um pênalti? Ou melhor, tem culpa de Jaílson, a Pantera Negra, ter voltado ao gol do Palmeiras e ter vivido um momento épico em sua carreira irregular?

E o presidente vai discutir com torcedor? Que besteira, que coisa imbecil. Mesmo que ele também seja torcedor –  e eu acho saudável que seja – é hora de ter um pouco de calma e não se envolver. Basta lembrar que contratou recentemente Geuvânio, Everton Ribeiro, Berrio, Rhodolfo e Diego Alves, que nem estreou. Em vez de argumentar, foi aos palavrões, como já havia feito antes.

E, pior, foi contestar o Palmeiras. Foi discutir com Cuca.

Por mais fanático que seja, Bandeira de Melo precisa se convencer que pode ajudar mais o Flamengo, se for menos urubu e mais dirigente.


Flamengo, com Diego Alves e cheirinho, é um exemplo para todos
Comentários Comente

menon

A contratação de Diego Alves pelo Flamengo é um acerto e tanto. Algo que dá mais força ao clube e ao próprio campeonato brasileiro. Boa para o o Flamengo que se moveu para conseguir uma solução para seu maior problema. Bom para Diego Alves, que, aos 32 anos, aposta tudo para conseguir uma vaga no Mundial. Bom para a torcida, que se sente mais animada ainda para carregar o time. O cheirinho, essa postura de amor, esperança e fé, que todos deveriam seguir, fica mais forte.

Ruim, para quem? Para os rivais. Não apenas por ver o Flamengo com um goleiro de alto nível, mas também por ver que o clube está no caminho correto. Soube enfrentar as dificuldades, sanou as finanças e transformou-se em um clube comprador. Comprador em alto nível. Everton Ribeiro, Geuvânio, Conca, Rhodolfo, Diego, no ano passado. Onde há um problema, busca-se uma solução. Pode até dar errado, mas é difícil.

O Flamengo vai ser campeão. Dificilmente esse ano,  mas 2018 está aí.

Diego Alves, que chegou ao Almeria com 22 anos, sai agora da Espanha, com 32, tendo conseguido um lugar na história. Ninguém, na história da Liga, pegou mais pênaltis do que ele. Defendeu 22 dos 48 que chutaram à sua meta, com aproveitamento de 45, 83%.

É uma atração a mais. Vai disputar com Cássio e Vanderlei uma vaga para a Copa. Weverton caiu. Alisson tem a confiança de Tite e Ederson agrada muito o treinador.

Flamengo e Palmeiras, com dinheiro, e Corinthians, sem dinheiro, são grandes exemplos.

 


Seis corintianos que podem sonhar com a seleção de Tite
Comentários Comente

menon

O Corinthians é o grande exemplo da tese de que um time forte coletivamente faz com que as individualidades comecem a aparecer. O elenco, que tinha sérias restrições técnicas no início do ano, ganhou força e seis jogadores podem sonhar com a seleção brasileira. Com diferentes possibilidades de o sonho se concretizar. Um deles está muito próximo, dois têm boas possibilidades e outros três….bem, sonhar não custa nada e como estão jogando bem…

FAGNER É homem de confiança de Tite, que foi responsável pelo seu crescimento técnico quanndo trabalharam juntos no Corinthians e o lateral melhorou muito o seu cruzamento. Fagner é um marcador muito bom e o reserva imediato de Daniel Alves na seleção. Seu concorrente é Rafinha, do Bayern.

CÁSSIO É aquele goleiro que, sob comando de Tite, ajudou e muito o Corinthians ser campeão mundial. Tite nunca o convocou, mesmo porque a ascensão do treinador coincidiu com uma queda técnica do goleiro, que foi para a reserva de Valter. Está jogando muito bem e não há ninguém absoluto na posição. Alisson, Ederson, Diego Alves, Weverton…ninguém pode dizer que está garantido. E Tite chegou a chamar Muralha e Grohe. Cássio está no páreo.

RODRIGUINHO É mais versátil que Diego e Lucas Lima, jogadores mais técnicos e seus rivais na luta por uma vaga para a posição que tem Renato Augusto como titular indiscutível. Pode jogar mais atrás e até como um falso nove. Tem razoáveis chances, mas é o menos cotado dos três.

JÔ É o centroavante mais eficiente do futebol brasileiro. Sempre comparece, sempre decide jogos e tem sido muito correto disciplinarmente em sua retomada do futebol. Tem características muito diferentes de Gabriel Jesus, o titular e poderia ser uma opção para mudanças de esquema. Diego Souza e Firmino estão à sua frente.

ARANA É a grande revelação de uma posição em que o Brasil é pródigo. Bom na marcação, com um cruzamento de alto nível e boa finalização, é o melhor jogador do Corinthians. Marcelo é o grande nome da posição e está garantido. Filipe Luiz também está quase lá, com tantos anos de futebol eficiente na Europa. Arana, no momento, é apenas uma possibilidade que vai se concretizar, com certeza, após o Mundial.

JÁDSON É um devaneio, não é um sonho. Tem jogado bem, mas abaixo do que já  jogou. Mas como formou uma dupla de alto rendimento com Renato Augusto pode….(será que pode?) sonhar um pouquinho, mas sem se apegar muito para que não seja uma decepção.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>