Blog do Menon

Arquivo : hudson

São Paulo, mais líder, tem rodada quase perfeita
Comentários Comente

Menon

O São Paulo venceu a Chape por 2 x 0, chegou a 41 pontos no final do primeiro turno, algo que nunca havia conseguido antes, e aumentou de um para três pontos a vantagem para seu escolta. Agora o Inter, não mais o Flamengo.

E tudo isso com um time com vários reservas. É preciso lembrar que o time terminou sua última partida as 23h45 da quinta-feira. Em Santa Fé, na Argentina.

E 67 horas depois, com viagem e tudo, estava em campo novamente.

Não era mais líder. A pressão era grande.

E voltou a ser líder aos três minutos, com Shaylon completando cruzamento de Edimar.

Tudo resolvido?

Nada disso.

A Chape foi trocando passes e ganhando espaço. Nada que ameaçasse muito. Mas o São Paulo, recuado, não tinha contra-ataque.

Se marcasse mais um gol, o São Paulo poderia, por exemplo, descansar Everton, que joga muitas vezes seguidamente.

Ao contrário, precisou tirar Nenê, Rojas e Hudson do banco. E o sossego só chegou com o segundo gol, jogada de Hudson e Rojas. Vindos do banco.

Rodada perfeita?

Quase.

Poderia ser se Camilo não tivesse feito aquele maravilhoso gol de falta no último lance do jogo.

Líder, com muita justiça, o São Paulo precisa evoluir ainda. Poderá, sim, se não tiver problemas com cartões e contusões.

 

 


São Paulo líder. Contratações perfeitas explicam.
Comentários Comente

Menon

Reinaldo lança Everton, que acha Diego Sousa na área. Gol.

Rojas faz boa jogada na direita e toca para Nenê. Gol.

Lançamento de Hudson, Trellez recebe, se complica e, marca na segunda tentativa.

Três boas jogadas, feitas por jogadores que chegaram em 2018.

Foram contratações perfeitas do São Paulo. O que não significa que sejam jogadores perfeitos. Apenas jogadores que chegaram e resolveram. Alguns de graça. Outros, custando caro.

Everton é o melhor do time. Rei do contra-ataque, ótimo cruzamento. Custou $15 milhões. São Paulo foi ousado em pagar a multa.

Joao Rojas ajuda a defesa na direita e puxa bons contra-ataque. Foi indicação de Aguirre, que o descobriu no Talleres, já em fim de contrato.

Como o São Paulo, na análise de Aguirre, é um time de resposta, fica fácil entender a importância dos dois.

Reinaldo foi reintegrado, após temporadas na Ponte e Chape. Está jogando muito.

Hudson voltou ao clube após uma temporada no Cruzeiro. Foi trocado por Neílton. Sério. É o melhor volante do time.

E os dois velhinhos.

Diego Souza custou $ 10 milhões. Demorou a jogar bem. Quase saiu.

Nenê veio do Vasco, em fim de contrato. Muita gente, como eu, não acreditou e falou mal. Jogou bem desde o início. É o condutor do time.

Cada um deles fez 11 gols no ano.

O jogo contra o Sport foi fácil. O time pernambucano ficou atrás e, como não tem contra-ataque, foi presa fácil. Facílima, após o erro de Gabriel.

O São Paulo controlou o jogo, decidido após o segundo gol.

Deu tempo para poupar os velhinhos, estrear Everton Felipe e dar chance a Shaylon e Trellez.

Então, o susto com o gol do Sport e o alívio, com Trellez.

São Paulo colhe o que plantou.


São Paulo evolui, apesar da lentidão
Comentários Comente

Menon

O fato é inquestionável é deve ser saudado: o São Paulo venceu novamente. A vitória contra o CSA foi a quarta seguida. E sem sofrer gols. Marcou seis.

O time, descontando-se a fragilidade dos rivais, está ganhando força. E forma. Já é possível ir para o clássico sem pessimismo.

O mais importante, a meu ver, foi a entrada cheia de gás de Valdívia. Não foi grande exibição, e nem poderia ser, mas ele deixa a esperança de ser uma opção de velocidade pelos lados.

É a maior falha do São Paulo. Uma transição muito lenta. E como ser diferente, com Jucilei, Cueva, Nenê e Diego Souza. Tudo junto e misturado.

Foi assim todo o primeiro tempo. Uma linda bola de Cueva logo no início do segundo tempo mudou o ritmo. O time poderia, no primeiro tempo, marcar mais à frente, pressionar mais.

O problema está posto. Difícil de resolver, com esses jogadores. Mas é hora de criar opções, com Valdívia, Caíque e Brenner.


Anderson Martins é uma bela contratação
Comentários Comente

Menon

A chegada de Ânderson Martins deixa o São Paulo mais forte. Agora, com ele, Rodrigo Caio e Arboleda, o time passa a ter três zagueiros de bom nível

Ânderson é forte, bom mas divididas é com bom senso de cobertura. Com a sua chegada, o Vasco fechou a casinha, deu uma banana para o rebaixamento e levou o Vasco à Libertadores.

E Militão?

O garoto que resolveu o problema da lateral direita, corre riscos de perder espaço. O São Paulo busca um jogador da posição, o que faria Militão voltar ao início da carreira, quando jogava como zagueiro ou volante.

E terá a concorrência de Ânderson, Rodrigo Caio, Arboleda, Bruno Alves, Jucilei, Hudson e Petros. Se fosse ele, ficaria na direita.

São boas opções para Dorival Jr.  Tudo indica que terá um time pra chamar de seu, sem necessidade de reconstrução no meio da temporada.

 


Fred é loucura, loucura, loucura no país do escambo
Comentários Comente

Menon

O garoto estava conformado com o presente de Natal em época de crise. Apesar de novo, sabe que a situação do país é de crise econômica, lembra que o papai foi protestar nas ruas, com a certeza de tempos melhores e que agora já vendeu até aquela camisa amarela da seleção brasileira, que vestia para ofender aquela mulher. Como nada melhorou, o garoto olhava para a árvore e via…nada. Mas tinha a promessa de um carrinho de madeira.

E, na véspera, a árvore ganha um novo habitante. Um pacote enorme, todo estrelado. Nada de carrinho de madeira. O que chega para o garoto é um avião ultra moderno, com luzes brilhantes. Controle remoto, capaz de fazer inveja ao drone do Grêmio. O garoto vibra com a novidade, que, na verdade não é tão novidade assim. Já esteve por ali em outros Natais, quando era um avião mais jovem e mais cumpridor. Mas, para quem esperava Fernandão, Fred é Cristiano Ronaldo.

A torcida está feliz. Até acredita quando Fred diz que está feliz por “voltar para casa”. Bem, nem todos acreditam. Alguns dão um sorriso condescendente e pensam “me engana que eu gosto”. Se até a Mulher Moranguinho volta para o Naldo, por que o Fred não pode voltar para o Cruzeiro?

Mas, vale a pena? Fred, aos 34 anos, ganhou um contrato de mais três. Pouca gente consegue tal regalia. Vai ganhar 500 pilas mensais (valor razoável dentro do mercado) e aí começa o delírio. Luvas de 3 milhões. Bônus por produtividade. E o Cruzeiro ainda pagará 10 milhões ao Galo, por conta de uma cláusula restritiva.

Totalmente fora da curva do que estamos vendo no mercado. Os clubes estão praticando escambo, ninguém quer gastar muito. O que mais se vê é um tal de três por um. A possível saída de Scarpa envolve nomes como Hyorun, Roger Guedes, Bruno, Buffarini, Fabiano, o Corinthians oferece Moisés, Douglas e Marlone por Juninho Capixaba, outros nomes por Trellez, o Santos pode aceitar Hudson por Victor Ferraz.

São imensas probabilidades. Tem muito nome voando e pouco dinheiro saindo da carteira.

O Cruzeiro foi na contra-mão. Estará certo?


Cruzeiro está enrolando o São Paulo
Comentários Comente

Menon

Transações entre clubes grandes envolvem negociações espinhosas, principalmente quando envolvem jogadores e não apenas dinheiro. Cada clube pensa em seu lado, cada uma quer puxar a sardinha para sua brasa. Não é o caso da saída de Hudson do São Paulo para o Cruzeiro. Neste caso, o Cruzeiro pensa no seu lado. E o São Paulo pensa no lado…do Cruzeiro.

Terminou o empréstimo do jogador. O Cruzeiro deveria pagar 1,5 milhão de euros para ficar com ele. Ou melhor, com metade dele, como é comum nas negociações tipo pizza de hoje em dia. O Cruzeiro pediu desconto e o São Paulo se negou. O Cruzeiro então se comprometeu a pagar o valor acordado em contrato. Mas, ao saber que o jogador tem 29 anos, perdeu o apoio de um investidor.

Então, tudo resolvido. Não tem dinheiro, o jogador volta.

Nada.

A partir daí, começou a fase da troca. O São Paulo pediu Ariel Cabral ou Alisson. O Cruzeiro negou. Ofereceu Rafael Marques, que fracassou lá, como havia fracassado cá, no Palmeiras. Depois, Fabrício Bruno e agora Lucca, em uma negociação triangular com o Corinthians, que detém 60% dos direitos do jogador.

E se não der? Algum outro nome?

Entendem? A negociação é feita a partir de um fato consumado: Hudson vai para o Cruzeiro. E então, vamos dar um jeito de isso dar certo. O São Paulo faz de tudo para arrumar o quebra cabeças e ajudar o Cruzeiro a ficar com o jogador.

A postura correta é oferecer Hudson como moeda de troca para ter Scarpa, do Fluminense, que está quase certo com o Palmeiras. Lógico, pois o Palmeiras tem mais e melhores jogadores para oferecer em uma troca. Mas se você oferecer Hudson, mais Bruno e Reinaldo, por exemplo, a negociação poderia mudar. A proposta do São Paulo seria boa, o clube conseguiria ser ouvido. Mas, não. Primeiro é necessário acertar a questão do…Cruzeiro.

O mercado é predatório. E o São Paulo é uma mocinha virgem.


Dorival: “Falta um ponto e em 2018, vamos lutar por títulos”
Comentários Comente

Menon

O blog entrevistou Dorival Jr. Foi muito agradável, é uma pessoa de bem e que falou sobre tudo o que foi perguntado. Só não deu o nome dos novos contratados, mas se fosse ele, eu também não daria.

Como vai ser o São Paulo de 2018?

Ah,  não vamos falar do ano que vem, não. Estamos trabalhando duro ainda em 2017 para salvar o São Paulo.

Mas, já salvou, né?

Nada disso, ainda precisamos de um ponto.

Ah, que exagero. O São Paulo tem 45. Ponte e Vitória têm 39 e se enfrentam…

Então, quem ganhar esse jogo ainda vai estar na briga

Tudo bem, mas o que se pode esperar do São Paulo no ano que vem?

Vamos brigar por títulos. Pode ter certeza disso.

Você vai ter o privilégio de montar o elenco, já a partir da base que se formou esse ano. Vai pedir muitas contratações? Dez?

Imagina, de jeito nenhum. Queremos contratações pontuais para que o time melhore. Queremos contratações do tipo Hernanes, de alto nível, para resolver. E vamos aproveitar a base. É um privilégio montar o elenco, mas vamos ter só 14 dias de treinamento antes de o campeonato começar. Não vai ser fácil.

Tem algum jogador da base que te deixa entusiasmado?

Tem o Anthony, do sub-17. É muito bom. E tem o companheiro dele, o Helinho. É sacanagem o que estes meninos jogam.

Tem outros da base?

Sim, mas não vou falar agora. Vou começar a temporada com alguns e depois da Copa São Paulo vou puxar mais dois.

E o Brenner?

Esse é questão de tempo, joga muito. É bom centralizado e também pelos lados.

Quando eu vejo o Brenner, eu penso no Ademílson, que fazia muitos gols na base, mas, que, quando chegou no profissional, sofreu muito porque a força física já não adiantava muito.

É verdade. O jogador da base precisa ser apoiado quando chega no time de cima. Pode estar pronto como o Zeca e o Lucas Veríssimo, que lancei no Santos. Por isso, é importante o sub-23. O Veríssimo eu tirei de lá. Veja o caso do Lucas Fernandes. Ele entrou, saiu, entrou e saiu. Quando entrar de novo, acho que vai render de forma contínua.

Já que você não quer falar de nomes de reforços, vamos falar dos emprestados. O que acha do Breno?

Gostaria de contar com ele. O São Paulo tem preferência para a volta.

Hudson?

Aí, é o contrário. A preferência é do Cruzeiro, então nem vou analisar.

O Artur, que está na MSL?

Não conheço bem, preciso analisar.

Iago Maidana?

Gosto dele, é bom jogador.

E o Kaká, se viesse para o São Paulo seria como o Lugano, que todos dizem ser um bom exemplo fora do campo, mas que não joga?

O Kaká tem muita condição de jogar ainda. Muito bom. Quanto ao Lugano, eu quero dar um testemunho. É um jogador de muito caráter. Ele é um exemplo. Não é escalado, mas treina com uma intensidade imensa. Outro, no lugar dele, poderia relaxar. Ele, não. Faz de tudo pelo grupo. Ele estava machucado e mesmo assim, viajava com a gente. Ninguém pode se queixar dele. É exemplar.

Crédito: RONALDO SCHEMIDT / AFP

E o Jean, goleiro do Bahia?

A diretoria trouxe o nome dele até mim e eu aprovei. Tem muitas qualidades.

E o Lucas Perri?

Tem grande futuro, é dois anos mais jovem que o Jean e vai subir um degrau no ano que vem.

Você falou em contratações pontuais que chegam para resolver. Eu vejo alguns problemas no time e gostaria de perguntar sobre eles. Contra o Vasco, o São Paulo fez um gol e recuou. Tudo normal, mas não tinha contra-ataque algum.

Nosso time não tem contra-ataque. Nosso time, até pelas características dos jogadores, aposta em muitos passes no meio, estamos trocando uns 700 por jogo. A saída de bola é qualificada, desde a zaga, com o Rodrigo Caio. Então, não tem contra-ataque, não tem a bola esticada, ela é conduzida. Poderia ter com o Wellington Nen, mas ele se contundiu. Para o ano que vem, teremos essa opção.

Será alternativo, como você diz. Mas como contratar um jogador bom para ser alternativo?

O jogador pode puxar o contra-ataque e também fazer outras funções. No Santos, era assim, como Geuvânio e o Marquinhos Gabriel. Aqui, até poderia ter com o Marcos Guilherme, mas ele tem muita condição defensiva, não dá para fazer os dois. Você perguntou de nomes, eu quero dizer que o Morato vai ficar. Ele renovou o contrato e terá pelo menos seis meses para mostrar futebol. Foi o tempo que ele ficou parado.

O fato de o time chegar no ataque através de muitos passes atrapalha o Lucas Pratto?

Não. A função dele é jogar de bico a bico da área adversária. Está sempre perto do gol. Quero explicar também que, além de trocarmos muitos passes, não temos muitas jogadas de fundo, com os laterais. O Militão e o Edimar não são para avançar, principalmente o Militão, que é um grande marcador. O Júnior Tavares apoia bem, tem grande potencial, mas o Edimar me dá mais segurança atrás.

Na ausência do Cueva, você usou o Shaylon, Lucas Fernandes, Maicosuel e Júnior Tavares. Isso mostra a importância dele, não?

O Cueva é muito bom. Eu o aproximei do Hernanes e o time rendeu bastante. Tem gente que chama o Hernanes de volante, ele é meia. O Cueva fez umas partidas na ponta, aberto, mas foi por conta dele, eu não pedi. Eu deveria ter fixado um jogador só na sua ausência, mas achei que um jogo era diferente do outro e resolvi variar.

Por que você demorou para fixar o Jucilei?

Porque ele não estava conseguindo jogar como nos tempos do Corinthians, quando roubava a bola e se aproximava da área adversária. Eu chamei para conversar e disse que, se não tivesse intensidade, não jogaria. Foi o mesmo que falei para o Vecchio, no Santos.

Quando você assumiu o São Paulo, você fez uma previsão melhor ou pior do que aconteceu com o time?

Não fiz previsão. Como você vai fazer previsão em um campeonato em que o último colocado ganhou duas seguidas e voltou a sonhar? Aqui não é o campeonato espanhol, é difícil prever alguma coisa. O que eu previ para o Vinícius Pinotti é que o time começaria a melhorar no segundo turno porque haveria mais tempo para trabalhar. Antes, haveria oscilações. A gente surpreendeu o Botafogo fora de casa e foi surpreendido pelo Coritiba no Morumbi.

Como foi o trabalho para reerguer o time?

Foi muito duro. A situação na tabela era ruim, não tinha tempo para treinar e a pressão era grande. Mudamos algumas coisas. Utilizamos bastante a psicóloga, Drª Anahy, aumentamos um dia de concentração, trouxemos os familiares para cá, mudamos a alimentação. Fizemos de tudo. Todo mundo ajudou. O Lugano foi muito importante.

O que mudou na alimentação?

(Juca Pacheco, assessor de imprensa, é quem explica). Nós passamos a jantar no estádio, após os jogos. No Pacaembu, no último jogo, tinha um buffet enorme para os jogadores. No Dia dos Pais, os jogadores receberam pais e filhos. Foi bacana. Ajudou.

Dorival, o que você acha da religiosidade dos jogadores, recebendo pastores na concentração?

Falaram que eu abri o Santos para os pastores. Não foi nada disso. Deixei entrar um amigo deles para tocar um violão. O treinador tem muito trabalho, rapaz, não dá tempo para ficar vendo se o jogador usa brinco, se reza ou não reza. Um dos problemas do futebol é que tem muita fofoca. Se a gente ganhar um jogo e for tomar pinga no bar, a torcida vê e diz que é água. Se a gente perder e for beber água, vão dizer que é pinga.


Mais um vexame do São Paulo. O time é muito ruim
Comentários Comente

Menon

Quando houve o sorteio das oitavas de final da Copa do Brasil, havia três bolinhas desejadas: Fortaleza, Juventude e Botafogo-PB, bravos representantes da terceira divisão. O São Paulo ficou com o Juventude. E está eliminado em dois jogos. Vexame. Vexame que tem explicação.

O primeiro grande erro foi na primeira partida. Ricardo Gomes escalou Bruno em uma lateral e Carlinhos em outro. O Juventude aproveitou as dificuldades de marcação de ambos e venceu por 2 a 1. Estava tão errado que, no segundo jogo, quando precisava da vitória, ele não colocou os dois laterais. Preferiu Mena, mais forte na marcação.

A segunda explicação é simples: o time do São Paulo é ruim. Muito ruim. Principalmente em dois aspectos.

1) Os volantes não tem saída de bola. Thiago Mendes e Hudson não colaboram com o ataque, não fazem a bola chegar. Na segunda partida, foram omissos nesse aspecto. Omisso não é a palavra correta. Eles não sabem fazer isso. João Schmidt sabe e não joga.

2) Falta qualidade no meio. Cueva é o único aceitável. Wesley não dá. Daniel? Não sei, nunca é escalado.

3) O principal problema é o ataque. O nível dos jogadores é fraquíssimo. Vamos ver?

Chavez é um lutador, um brigador. É o homem de última bola. O último toque. Um grosso que resolve. Desde que a bola chegue. E ela não chega.

Kelvin é um atacante de lado, que faz poucos gols. No São Paulo, são três, se não me engano. No mais, é incompleto. Dribla mais ou menos, cruza mais ou menos, sofre algumas faltas. Jogador para entrar no segundo tempo, tentar virar o jogo. No São Paulo, é titular.

E as opções?

Luiz Araújo é um atacante de lado que mostrou qualidades na base. No time principal já teve muitas chances e não mostrou futebol para se firmar como uma opção confiável.

David Neres é atacante de lado com muito sucesso na base. Luiz Araújo era seu reserva. Ainda não estreou. Não se sabe o que poderá fazer, o que poderá contribuir. No momento, é difícil dizer que possa ser a solução de alguma coisa.

Gilberto é centroavante de carreira irregular, com sucesso no Santa Cruz e Portuguesa e fracasso no Sport e Inter.

Robson estava na terceira divisão. Tem 25 anos e um currículo sem brilho. Com o tempo, talvez pudesse ter sucesso, mas não é o jogador para o momento atual. Não vai chegar e resolver o problema.

Quem mais? Pedro? Poupemos o garoto.

Um elenco fraco. Um time ruim. Perdeu muito com as ausências de Calleri e Ganso.

Está onde merece estar.

Tem grandes chances de escapar do rebaixamento.

Tem grandes chances de continuar dando vexame em 2017. Falta dinheiro para contratar.


Ficha não caiu e São Paulo ainda vive da ilusão da Libertadores
Comentários Comente

Menon

hudsonO melhor jeito de enfrentar um problema é reconhecer que ele existe. Diagnosticar as dificuldades e acabar com elas. O São Paulo não está fazendo isso. A expressão “a ficha não caiu” é perfeita para definia a situação.

Tive esta percepção na sexta-feira, quando fui ao treino e participei da coletiva dada por Ricardo Gomes, o diretor Jacobson e o volante Hudson. Antes da minha vez, respondendo a um colega, Jacobson afirmou que o São Paulo tinha um grande elenco. Hudson concordou, balançando a cabeça afirmativamente.

Perguntei a ambos, então, por que o clube que tem um grande elenco faz um 2016 tão ruim, com mais derrotas (20) do que vitórias (18);

Jacobson foi o primeiro a responder. Disse que:

1) o elenco é um dos melhores o país

2) perdeu muitos jogos que deveria ter ganho. Citou o Atlético-PR e o Juventude como exemplos

3) o São Paulo estava a quatro pontos do rebaixamento e a nove do G-4. E que bastava ganhar três partidas seguidas para chegar lá.

Não é assim. Evidentemente não é assim. O São Paulo pode ganhar três partidas seguidas que não chegará ao G-4. Pelo simples fato de que outros também vencerão. Os que estão entre o quinto e o 11º lugar conseguirão pontos. É lógico que ganhando três seguidas o São Paulo se afastará muito do Z-4, mas sonhar com o G-4 em três rodadas é ilusório.

Quando fiz a pergunta, cometi um erro. Em vez de fortalecer a questão da análise no ano todo, afirmei também que o São Paulo, no momento, é o quinto paulista no Brasileiro. Atrás da Ponte.

Foi a deixa para a resposta de Hudson. “Somos os últimos agora, mas fomos os primeiros na Libertadores”.

Ora, todo o tempo em que tenho apontado fragilidades do São Paulo durante o ano, inclusive na Libertadores, esta é a resposta. Ficamos na frente do Corinthians, do Palmeiras, do Galo e do Grêmio. Ok, o que adiantou? Nacional foi campeão e onde estão os rivais brasileiros. Na frente, ou lutando pelo título ou em situação agradável. Mesmo o Corinthians que tem jogado mal.

O São Paulo precisa entender que foi bem na Libertadores muito mais pela vontade do que pelo futebol. Passou de fase se arrastando, com Maicon no gol, com Maicon fazendo gol de cabeça… Não serei desonesto de esquecer o grande baile dado no time mexicano.

E, acabada a Libertadores, Ganso e Calleri se foram.

Hudson se apegou ao passado. Jacobson vendeu fumaça. Ilusão.

A verdade é que, desde aquela entrevista, o São Paulo caiu mais uma posição na tabela. O Botafogo, montado por Ricardo Gomes, venceu o Gremio. Agora, há apenas quatro times entre o São Paulo e o rebaixamento.

Time grande vence jogo em que atua mal. O São Paulo, segundo Jacobson, perde jogo que atua bem. Mesmo assim, mesmo com tudo de ruim que o time mostra a cada rodada, não acredito que o São Paulo caia. Não acho o elenco um dos melhores do Brasil, mas não é para cair. Por enquanto, é sinal amarelo. E ficará vermelho se a ficha não cair. Se diretores e jogadores ficarem sonhando. E se o time não conseguir seis pontos contra Cruzeiro e Figueirense. O que vier contra o Palmeiras será um bônus.


Cueva, Chávez, Buffarini…São Paulo agora é cascudo
Comentários Comente

Menon

Nos dois últimos anos, o São Paulo foi segundo e quarto colocado no Brasileiro. O time tinha astros como Rogério Ceni, buffariniAlexandre Pato, Luís Fabiano, Ganso, Alan Kardec e Kaká, por pouco tempo, apenas na primeira campanha. Jogadores de alto nível e de muito nome. Nomes que dão esperança à torcida ou que criam polêmica, como Pato.

Foram contratações que dominaram o debate futebolístico: o São Paulo deu o chapéu no Palmeiras, quem se deu melhor, Corinthians o São Paulo, Ganso ainda vai ser um craque, vale a penas trazer Kaká…. Antes, houve Lúcio… Nomes de peso, nomes midiáticos.

Agora, é diferente. Os jogadores que chegam não causam comoção. É mais comum ouvir será que é bom do que esse eu conheço, é ótimo. “Quando eu cheguei, ninguém me conhecia e deu tudo certo”, disse Maicon, que, de incógnita virou paixão. Douglas chega como interrogação. No youtube há um vídeo ironizando Chávez, comparando-o com Messi e Maradona. O vídeo mostra algumas jogadas confusas e muitas divididas, sempre pela esquerda. Mas é possível perceber também muita entrega.

Parece ser um jogador de personalidade, como Maicon e como Cueva, o pequenino peruano que tem toda pinta de não sentir jogo importante. Mostrou um poder de adaptação muito grande.

E personalidade não falta a Buffarini. O lateral do San Lorenzo é rápido, forte e tem uma entrega muito grande. Tem muito mais presença anímica do que efetividade nos cruzamentos.

Aos citados, há que se acrescentar Lugano, Hudson e Mena, também jogadores que fazem do suor uma poupança financeira. Dependem do esforço e não tem medo de assumir isso.

É um novo estilo: mais cascudo e mais barato. Não significa que dará certo. Mas é evidente que o São Paulo deixou de ser um time, digamos, banana. Um time que perdia jogos como quem perde o ônibus: calmo porque outro vem aí…