Blog do Menon

Arquivo :

Timão vence com justiça e ajuda da zaga tricolor
Comentários Comente

menon

O Corinthians teve o controle de grande parte do clássico, se aproveitou disso e venceu a bela partida. E foi ajudado pela fragilidade da zaga tricolor. É um setor fundamental para equipes equilibradas. E equilíbrio sobra no Corinthians e falta no São Paulo.

Desde o início, o Corinthians dominou. Aproveitou-se de uma escalação muito defensiva e foi para cima. Obrigou Marcinho a jogar realmente como lateral, sofrendo com Romero e Arana. E quando o primeiro gol saiu, fazia jus à velha expressão: “estava maduro”. Um lindo passe de Marquinhos Gabriel para a entrada em diagonal de Romero, um jogador subavaliado.

O São Paulo se mexeu. Cícero e Militão avançaram, o time passou a trocar passes e empatou, com a cabeçada de Gilberto. A partir daí, o jogo mudou. O Corinthians é que passou a apostar no contra-ataque, contra um São Paulo que controlava a partida.

Então, Maicon, avançado, errou um passe bisonho. Ridículo. Houve o contra-ataque, pela direita, houve cobertura ruim de Douglas e houve erro de Lucão. Renan Ribeiro não errou e muito menos Gabriel.

No segundo tempo, o São Paulo fez uma linha de quatro, com Bruno em lugar de Lucão. Marcinho passou a jogar adiantado. Passou a incomodar e não ser incomodado por Arana.

O Corinthians recuou, mas tinha o jogo nas mãos. E fez o terceiro, após uma linda troca de passes que terminou com pênalti de Douglas em Jô. Jadson deu susto, mas marcou.

Ceni colocou Thomaz e Wellington Nem. Carille colocou Clayton e Clayson. E o jogo ficou suicida para o São Paulo, com um 4-2-4 que permitia escapadas de Jô pela esquerda. Poderia fazer um gol, poderia sofrer dois.

E fez, com Nem. E partiu para o abafa, com a defesa aberta. Poderia empatar. Poderia levar o quarto. Nada aconteceu. O Corinthians venceu, como a lógica apontava. É um time mais bem montado, mais bem treinado e jogando em casa. O São Paulo fez uma partida digna. Mas não tem dignidade que resista a zagueirada ruim.


Vitória operária em Itaquera. E o túmulo do futebol é São Paulo
Comentários Comente

menon

Está todo mundo avisado. Quem não prestar atenção, não pode reclamar depois. O Corinthians é candidato ao título. E tem se firmado a cada rodada no início do Brasileiro. Com a mesma receita com que venceu o Paulista: defesa forte, time solidário, poucos riscos e um golzinho. Em quatro jogos, foram cinco marcados. E um, apenas um, sofrido. O desafio está posto na mesa. O Corinthians é assim. Quem quiser, que decifre.

Foram dois gols marcados contra um Santos apático e sem nenhuma força. E ainda houve um impedimento bem marcado, afinal Romero não havia cortado a unha do dedão e estava à frente da zaga. Foram dois gols operários. O primeiro, de Romero, após o pivô muito bem feito por Jô. Romero é um jogador exemplar quando se fala de profissionalismo. Dedicado e sempre pronto a colaborar defensivamente. E é o artilheiro do Itaquerão. É humilhado pelos rivais, foi humilhado pela RGGT, mas está aí. Um profissional digno.

O segundo gol foi de Jô, que emulou Mandzukic e fez um gol parecido. Jô é um jogador singular. Canhoto, forte, 1,90m, difícil de marcar. E com bom poder de definição. Está aproveitando muito bem a segunda chance que teve.

O jogo foi marcado, uma vez mais, pelo uso de sinalizadores. Com o jogo ganho, os organizados descumpriram as ordens do Ministério Público e os pedidos da diretoria. É um ato de rebeldia contra um estado de coisas deprimente. Proibição em cima de proibição. Futebol em São Paulo é um orgasmo reprimido.

Se sinalizador é proibido, como eles entram? A PM, que tem revistado até jornalistas, é muito incompetente.

Depois que percebe que foi driblada, responde com violência. Vai lá e usa toda a truculência conhecida. Para que isso? Sinalizador não machuca ninguém. Na verdade, a PM está fazendo o que lhe mandam fazer: manter a ordem. Mesmo que seja a paz dos cemitérios. Porrada em quem desobedece. Porrada. Só pensam nisso. E o circo fica completo quando o narrador diz que a pessoa que enfrenta a PM é um mau cidadão.

Mau cidadão. Pessoas de bem….Palavreado que fica bem quando se quer manter o túmulo do futebol. Palavras com mofo de Ditadura.

Tags : romero


Rodrigo Caio, o Papa, o Dalai Lama e a ficção chamada fairplay
Comentários Comente

menon

E volta o tema Rodrigo Caio, devido ao ridículo show de simulações ocorrido nos campos do Brasil, uma semana após o zagueiro haver dito ao apitador que ele, e não Jô havia feito o contato com o goleiro Renan. Jô escapou do amarelo injusto, ficou liberado para jogar o próximo clássico e fez o gol que sacramentou o São Paulo fora da final. Impedido, talvez. E daí? Rodrigo Caio foi honesto.E a honestidade não pode ser questionada. Está certo e ponto final.

Agora, imaginemos um outro lance. O time está vencendo o jogo e tem um cruzamento em sua área. Sobem dois zagueiros e dois atacantes. A bola resvala na cabeça de um zagueiro e vai para fora. O juiz pensa que a bola bateu no atacante e dá tiro de meta. O zagueiro se acusa e diz que foi escanteio.

Ou, então, se o beque não se acusou, mas um companheiro foi até o juiz e disse: “eu vi, professor, foi meu colega que colocou a bola para fora”?

Os dois estão certos.. Elogios para eles.Todos. Mas eu consideraria muito normal que o treinador pensasse na possibilidade de não escalar mais aqueles jogadores.  Afinal, eles estão ali para praticar futebol ou para mudar o futebol? E olha, que eu coloquei um lance normal, sem lances de dramaticidade. E se o time sufocado estava garantindo o título? Ou a permanência na divisão? E se aquele escanteio que o juiz não viu, levar o time para a segunda divisão?

Ora, amigos, o lance que eu imaginei não aconteceria nem em um jogo entre Amigos do Papa Francisco x Amigos do Dalai Lama. Principalmente porque  o papa é argentino. (Atenção, esta é uma brincadeira, com meu amigo Pablo Carignano). Não é do jogo. E não deve ser reformado. Como ficaria uma partida de futebol com esse tipo de comportamento espalhado em campo? Foi falta minha, imagina, foi minha. Eu fiz pênalti, seu juiz. Não fez não, bobinho, acertou a bola…

Não prego a malandragem, não prego o golpe. Não sou do tipo que diz “o que acontece no campo, fica no campo” para justificar atos racistas, sou completamente contra as simulações ridículas, mas não dá para exagerar e exigir de jogadores um comportamento que ninguém tem em esporte algum, em país algum.

Diante das simulações e do cai-cai, sou contra o fairplay que obriga um jogador a desistir da jogada e jogar a bola para fora quando um rival está caído. Quem precisa decidir é o árbitro. Ele que mande parar o lance, ele que assuma a responsabilidade. Ele que precisa definir se aquele corpo estendido no chão precisa de cuidados ou de um cartão amarelo por fingimento.

Sou contra punições pós jogo, baseada em câmeras de televisão. Suárez mordeu Chelini? Se o juiz não viu, acabou. Um jogo tem 90 minutos e deve acabar quando termina. Ficar entrando com recursos por dá lá aquela palha é apenas uma tentativa de judicialização do esporte. A não ser que as câmeras de televisão pudessem mudar também o resultado do jogo. Terminou o jogo, vamos ver de novo. Aquele cara deu uma cotovelada que o juiz não viu? Suspensão nele. Mas e aquele gol em que a bola não entrou? Mudamos o placar. Aí, sim haveria coerência. Mas seria errado.

Futebol é um jogo. A violência deve ser combatida. A simulação deve ser punida. A honestidade precisa ser louvada. Mas não podemos exigir que os jogadores se transformem em acusadores de si próprios. Se for para dizer que fez o pênalti que o juiz não viu, melhor é não fazer, então. Simplificaria tudo. E, em vez, de entrar com ações no TJD para exigir punições pós jogo, teríamos clubes entrando com pedidos de canonização para seus jogadores no Vaticano. São Fagner, por exemplo.


Corinthians fez um ótimo jogo. O Inter também
Comentários Comente

menon

O Corinthians voltou de Porto Alegre com um grande empate. E não apenas por deixa-lo em boas condições para confirmar a classificação na próxima semana. Mas também, e é o mais importante, pelo bom futebol jogado. Mostrou mais do que havia mostrado até então. E não tinha o armador Jadson e o centroavante Jô.

O Internacional teve mais posse de bola, muito mais, mas o Corinthians teve tantas chances quanto as do Colorado para marcar. Chances até mais claras, o que fizeram de Lomba o grande destaque do jogo.

E me atrevo a dizer que a vitória do Corinthians só faltou por conta de uma rara falha de Pablo, que permitiu a antecipação de Dourado no gol de empate.

Foi um partidaço. Arana, muito bem, com um passe perfeito para o gol de Romero. O paraguaio perdeu boas chances, mas é impressionante como doa seu suor ao time. Rodriguinho também jogou bem, mas o mais importante foi a doação do conjunto, que manteve intensidade o tempo todo. No lado do Inter, gostei dos três volantes, Edenílson, Dourado e Uendel, capazes de desarmar e tocar muito bem a bola. Alternadamente, juntavam-se a Dalessandro na armação, como meias.

Um belo jogo. O melhor que eu vi do Corinthians, que manda novo aviso: é candidato. E um belo jogo do Inter, que também deu seu aviso: não vai esquentar lugar na segunda divisão.

E O PALMEIRAS? Não posso dizer nada, vi apenas os cinco minutos finais. Não sei se 11 minutos de acréscimo é justo ou não. É totalmente inusual. Mas, sem ver o jogo, é possível dizer que é hora de o Palmeiras ganhar jogos na Libertadores com mais facilidade. E não me venham dizer que Libertadores é assim mesmo, blablabla. O Wilstermann ganhou do Penarol por 6 a 2.


Jadson, em forma, e Clayton deixam Timão mais forte e versátil
Comentários Comente

menon

Há possibilidade de haver um novo Corinthians mais forte na fase do mata-mata do Paulistão. Na verdade, houve apenas a inscrição de Clayton, que é um bom jogador, mas não é um selecionável, digamos. Mesmo assim, é capaz de elevar o patamar do time. Carille tem apenas Jô e Romero. Guilherme foi uma decepção, como Marlone e Marquinhos Gabriel. Valter também foi inscrito, mas Cássio está dando conta do recado.

Com Clayton, o time passa a ter um atacante mais vertical, capaz de fazer uma dupla forte com Fagner, pela direita. Carille pode repetir a opção pela esquerda, com Romero e Arana. Duas duplas capazes de servir muito bem o atacante Jô. Com eles, o treinador pode montar o 4-2-3-1, com Jadson centralizado.

Acredito que é o melhor posicionamento para ele. Não precisa mais ser o parceiro de Fagner, o que ficaria a cargo de Clayton. No centro, pode conduzir o time para ao ataque, pode tornar o time mais criativo. Atrás, poderiam ficar Rodriguinho e Maycon, uma dupla de volantes com ótima saída de bola, deixando Gabriel na reserva. É uma solução um pouco ousada, mas há outras.

A dupla de volantes pode ser Gabriel e Maycon. Rodriguinho pode se juntar a Jadson, sacrificando Romero, boa opção para o banco. Ou então, mais cuidadoso ainda, com Gabriel e Camacho, Rodriguinho e Jadson, com Clayton e Jô.

O importante também é que Jadson está recuperando o seu melhor futebol. Houve alguns jogos de adaptação e a tendência é crescimento. Como o time é muito forte defensivamente, as chances de classificação em um mata-mata aumentam.

A fase de montar um sistema defensivo forte foi vencida. Após o final do Paulista, Carille precisa aumentar o poder de fogo do ataque. Clayton é o início, mas não é suficiente. Ao contrário do estadual, não é possível vencer o Brasileiro sem ataque.

LUCAS PERRI, 20 anos, foi inscrito pelo São Paulo para a fase final do Paulistão. Sidão, com lombalgia, foi cortado. É muito provável – e saudável – que Rogério mantenha Renan Ribeiro como titular e Denis no banco. A  inscrição de Perri aponta para uma mudança forte em 2018. Não acredito que Denis continue. E vejo Sidão na corda bamba. No mínimo, Perri será o terceiro goleiro. E Thiago Couto, dois anos mais novo, continua sendo muito elogiado no clube.

UM SAMBA – Não se deve amar sem ser amado/É melhor morrer crucificado/Deus nos livre das mulheres que hoje em

Sinhô, o Rei do Samba, caricaturado por Alvarus

dia/Desprezam o homem só por causa da orgia/Gosto que me enrosco de ouvir dizer/Que a parte mais fraca é a mulher/Mas o homem, com toda a fortaleza/Desce da nobreza e faz o que ela quer/Dizem que a mulher é a parte fraca/Nisto é que eu não posso acreditar/Entre beijos e abraços e carinhos/O homem não tendo é bem capaz de roubar (Gosto que me enrosco/Sinhô)

VITÃO ESTÁ NA ÁREA. E VITINHO? – Eduardo Baptista inscreveu o zagueiro Vitão, da base, em lugar de Lucas Barrios para a fase final do Paulista. Não conheço, mas sempre é uma boa opção apostar na base. Mesmo no Palmeiras, que não tem um passado de sucesso em revelações. Gabriel Jesus é uma esplêndida exceção. Vitinho, que apareceu muito bem no início do ano, teve sua chance, mas precisa de mais oportunidades para se firmar. A amostra deixada por ele é muito boa.

OUTRO SAMBA – Dizem que Cristo nasceu e Belém/A história se enganou/Cristo nasceu na Bahia, meu bem/E o baiano criou/Na Bahia tem vatapá/Na Bahia tem caruru/Moqueca e arroz-de-auçá/Manga/laranja e caju (Cristo nasceu na Bahia/Duque e Cirino)

PORTUGUESA E FRANCA – Estou torcendo muito pela Lusa. Seria catastrófico que o time caísse mais uma vez, agora para a A-3. Com duas vitórias nos dois últimos jogos, o pesadelo ficou mais longe. O time tem 19 pontos e esta a cinco da zona de rebaixamento. E está a seis da zona de classificação. Faltam cinco rodadas. Acho que não cai e não sobe. E quem está subindo muito é Franca, meu time de basquete. Está fazendo um segundo turno quase perfeito, com 11 vitórias e duas derrotas. O time, que foi de Hélio Rubens, agora é comandado por Helinho.

MAIS UM SAMBA – Se você jurar/Que me tem amor/Eu posso me regenerar/Mas se é/Para fingir,mulher/A orgia eu não vou deixar/ (Se você jurar/Ismael Silva/Francisco Alves e Nílton Bastos)

 


Neymar era roubado pelo pai. Delcir Sonda é quem diz
Comentários Comente

menon

Um dia após entrevista coletiva no Brasil, o empresário Delcir Sonda subiu ainda mais o tom contra Neymar (o pai) em entrevista publicada hoje pelo Diário As, da Espanha. O empresário mostra-se muito magoado com a  postura atual do craque e não poupa críticas ao progenitor. Um resumo:

“Desde o início, seu pai exerceu uma má influência sobre ele. O pai de Neymar é como dizemos no Brasil, um vagabundo. Um pedreiro que ficou rico da noite para o dia, graças ao filho. A ganancia deste homem o levará para o mau caminho. Desde o início, ele se aproveitou de Neymar. ” 

“Neymar tinha muitos contratos publicitários e só recebia metade do combinado. O resto ficava com o pai. Neymar percebeu quando fez um anúncio publicitário da Gilette junto com Ganso, seu amigo. Conversando entre eles, viu que Ganso havia recebido mais. Foi reclamar e ficou sabendo o real valor e percebeu que a metade havia ficado com o pai”.

Depois, Sonda repete o que disse o Brasil, em coletiva. Que Neymar estava acertado com o Real e que terminou no Barcelona porque seu pai foi subornado com 10 milhões de euros por Bosell, presidente do Barça. A mágoa é grande. Diz que pode perdoar o craque, mas nunca o pai.

Sempre considerei o pai de Neymar uma péssima influência. É do tipo que se comporta como um amigo de balada e não como um conselheiro. E, se Delcir Sonda está dizendo a verdade, o Pai Herói de herói não tem nada.

 

NOVENA POR CUEVA – A TORCIDA DO São Paulo, além de confiar na excelência do departamento médico do clube, deveria   contribuir com uma novena pela recuperação do peruano. Cueva é o melhor jogador do São Paulo e, em sua posição, o melhor do Brasil. E, além disso, só agora o São Paulo conseguiu um reserva. Thomaz é uma aposta e Shaylon, uma esperança. Cueva é a certeza

Junior Cohen e seu magnífico Cartola de camisa listrada. Verde e rosa, é lógico

de um rendimento muito maior para o time.

UM SAMBA – O chefe da polícia/pelo telefone/mandou me avisar/que na Carioca/Tem uma roleta/para se jogar (Pelo Telefone – Donga)

INJUSTIÇADOS DA COPA – Dois jogadores saíram muito marcados da Copa: Fred e Jô. Fred, que era titular, jogou realmente mal e passou a ser considerado um poste, um grosso, um atraso. Na verdade, ele é um centroavante. Dos bons. E tem provado a cada dia. O outro foi Jô, que praticamente não jogou. Depois, Jô andou pela China e voltou sob desconfiança. Sua contratação parecia um ato de favor da diretoria. E está provando que será muito útil ao Corinthians.

OUTRO SAMBA – Mulher, tu não me faz carinhos/Teu prazer é me ver aborrecido/Ora, vai mulher, tu estás contrariada/Tu não és obrigada a viver comigo (Me faz Carinhos – Ismael Silva)

EDU DRACENA – Como se fosse Ayrton Senna atrás de Alain Prost, Edu Dracena pede passagem para Vitor Hugo. Com sobriedade, fora no combate e bom posicionamento, a cada dia o veterano mostra que não é um multicampeão por acaso. Tem ainda muita lenha para queimar.

MAIS UM SAMBA – Gosto tanto tanto de você/Que os meus olhos falam o que não vê/Ainda há de chegar o dia/Que eu hei de ter tanta alegria/Quando você souber compreender/Num olhar o que eu quero dizer (Fita meus olhos – Cartola)


Corinthians vence com futebol lento, ritmo de valsa
Comentários Comente

menon

Fabio Carille disse que o Corinthians era favorito ao título. E é mesmo. Mas precisa melhorar o futebol mostrado na vitória por 1 a 0 pe de valsasobre o São Bento, em Sorocaba. Em tempos de jogo intenso, de marcação alta, o Corinthians foi todo lento, apostando em passes e mais passes. Nada de rock. O Timão foi pura valsa.

Marcou um gol de pênalti, bem batido por Jô. O atacante se enrolou com o zagueiro Pitty em um daqueles incontáveis pênaltis que alguns dão e outros ignoram.

Depois do gol, no início do segundo tempo, o São Bento pressionou com algumas bolas altas. O Corinthians se defendeu bem. Carille disse que o Corinthians seria um time compacto e bem posicionado na defesa. Cumpriu a promessa. Mas faltou velocidade. O meio campo do Corinthians tem Rodriguinho, Marlone, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel, Romero e Camacho para a criação. Não são maus jogadores. São bons. Mas dificilmente jogam bem ao mesmo tempo. Em um jogo, alguém se destaca. No outro, afunda. A inconstância não permite que o time tenha um rendimento uniforme.

Enfim, são três pontos. Importantes, como toda vitória.

O futebol precisa melhorar, precisa ser mais intenso, mais veloz, mais intenso. Mais rok n roll.


Corinthians, com cara de Tite, começa bem o ano
Comentários Comente

menon

O Corinthians – com um time em cada tempo – venceu o Vasco por 4 a 1 e está na final da Florida Cup, no sábado, contra o vencedor de River Plate x São Paulo.

É o Corinthians de Carille, mas com jeitão de Tite. Um time bem compactado, com duas linhas defensivas bem treinadas e com triangulações pelo lado do campo.

Os gols do primeiro tempo foram muito bonitos e parecidos. No primeiro, uma tabela entre Camacho e Rodriguinho, pelo meio do campo. Camacho subiu e Rodriguinho ajeitou.

No segundo tempo, a tabela foi novamente pelo meio, mas com jogadores que atuam pelo lado do campo. Marlone recuou, avançou pelo meio e tocou para Romero, que estava no meio.

Nos dois gols, Jô fez um bom papel, saindo da área. Ele, no começo do jogo, acertou bons chutes. A defesa corintiana, bem postada, foi vencida apenas em um lance de bela técnica de Eder Luis. De fora da área, iludiu a compactação.

No segundo tempo, os gols vieram pelos lados do campo, algo que pouco se viu no primeiro. Havia triangulações, mas não profundidade. Ela apareceu na boa jogada de Marquinhos Gabriel, que deu lindo passe para Kazim. Logo depois, Kazim retribuiu. O Vasco estava todo desorganizado e aceitou o contra-ataque.

É lógico que é o primeiro jogo do ano. É lógico que falta muito. Mas o Corinthians estava bem organizado. Bem treinado. A torcida pode comemorar, enquanto espera reforços mais significativos. Mas foi um bom começo de ano.

picadinhomenon

VIVA A VILA – A Vila Belmiro, pequenina Vila, é um dos estádios mais emblemáticos do mundo. É o estádio onde Pelé construiu a história do maior jogador da história do futebol mundial. E a Vila, gigantesca Vila, estádio de Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, ganhou um livro à sua altura. Escrito por Almir Rizzatto e Ted Sartori, é uma grande pedida. Abaixo, um texto do Ted sobre sua bela obra.

vilabelmiro“A edição do livro Histórias da Vila Belmiro – 100 anos de magia do estádio santista foi uma epopeia tão grande quanto a que o próprio local viveu neste centenário. A diferença é que em bem menos tempo.

A ideia veio em 2014. Em uma conversa informal com Almir Rizzatto, também jornalista e colega de curso, além de proprietário da RZT Comunicação, comentávamos de fazer algo sobre o Santos. O centenário do clube, porém, tinha passado há dois anos. Aí lembrei que a Vila Belmiro faria 100 anos em 2016. Foi o mote para começarmos.

A intenção inicial era reunir exatas 100 histórias em função do número do aniversário. No entanto, passamos disto nas 240 páginas da obra, lançada neste mês pela Editora Realejo – licenciada pelo Santos, com prefácio de Pepe, o Canhão da Vila, e posfácio de Milton Neves, após intensa campanha de crowdfunding (financiamento coletivo).

A meta a ser atingida era R$ 25 mil. Em 60 dias, conseguimos perto de R$ 15 mil. Mais 28 dias foram necessários – dos 30 previstos – para alcançarmos o valor. Por muitas vezes achei que não ia dar. E deu. Foram 1500 exemplares impressos e 770 vendidos só na campanha, o que equivale a mais da metade. Fora os comercializados depois.

O que nos chamou a atenção foi a forma carinhosa e emotiva com a qual todos tratam da Vila Belmiro, sejam jogadores, ex-atletas, dirigentes ou jornalistas. Parece até um ser vivo, um ente da família. E não deixa de ser, levando em conta que sua mística é carregada pela presença da torcida e pelo poder que dá ao time, somado ao nível técnico e ofensivo. Alçapão, por sinal, é apelido carregado desde 1930, justamente por essa fama.

Mas nem tudo é vitória. Há também derrota, como o jogo Santos 2 x 3 Novorizontino, pela fase final do Paulistão de 1993 (e que causou a eliminação do Alvinegro), que não acabou. Houve invasão de campo e o árbitro João Paulo Araújo se esquivava das agressões dos torcedores, que vinham em fila para agredi-lo. Quando foi levado pela Polícia para o vestiário, foi colocado de cara a cara com um torcedor que o tinha agredido e também a um policial. A Polícia, então, autorizou que o torcedor fosse agredido pelo árbitro, que não teve dúvidas e revidou, conforme contado por ele a mim em entrevista. João Paulo Araújo saiu do estádio após 1h30.

Há também curiosidade, como a levantada pelo Almir em entrevista com o ex-presidente Marcelo Teixeira. Em sua primeira gestão à frente do Santos, em 1992-93, surgiu uma ideia de que o entorno da Vila Belmiro, do lado de fora, fosse coberto por trepadeiras. A má fase da equipe na época tornava o local suscetível a pichações e não teria como fazer isso com a presença da planta. Porém, alguém lembrou que tudo ficaria verde e a cor remetia ao Palmeiras. A inciativa foi abortada de imediato.”


Felipe Melo x Imprensa: uma boa luta, mas sem ofensas pessoais, por favor
Comentários Comente

menon

justiçaobesaA contratação de Felipe Melo transcende ao futebol. Vai dar muito o que falar também fora de campo. Em sua apresentação, ele mostrou-se como um jogador esclarecido e com intuito de confrontar jornalistas. A Imprensa, como ele diz. Eu acho ótimo. Contestação e discussão sempre fazem bem. Traz a luz. Dialética.

O problema é que a contestação de Felipe Melo se baseia em mágoa e vai além da discussão teórica. Ele, que não se julga violento, vai com os dois pés (ou duas bocas?) e busca o lado pessoal de quem considera inimigo. Foi assim com Zé Elias. Foi assim com Renato Maurício Prado. E, dizem, foi assim com Neto. Não ouvi.

Também discordo quando ele fala “a imprensa”, como uma entidade unitária. Não existe “a imprensa”. Existem jornalistas e cada um tem o seu pensamento. A grande maioria convergiu quando colocou Felipe Melo como o culpado pela eliminação do Brasil na Copa. Eu acho que ele foi o maior culpado, sem dúvida. O Brasil dominou o primeiro tempo, Robinho fez um gol (passe genial dele, Felipe Melo) e depois piorou muito. Julio Cesar errou, o jogo ficou equilibrado, com Sneijder dando um show. E Felipe Melo, após uma falta violentíssima, foi expulso.

Sou contra a caça às bruxas, mas é preciso apontar um culpado. Foi ele. Se não tivesse feito a falta, se não tivesse sido expulso e o Brasil vencesse, ele seria aclamado pela maioria dos jornalistas e brasileiros, como o herói do jogo. Como um volante moderno, que deu um passe de Gerson de Oliveira Nunes.  Não foi. E, é preciso repetir, seu erro foi fundamental para a eliminação do Brasil.

Felipe Melo, que chegou falando grosso, dizendo que vai bater na cara de uruguaios no Uruguai, precisa ser valente também para assumir seu erro. Aliás, eu não entendi a frase: vou bater na cara dos uruguaios com responsabilidade para não ser expulso. Então, faltou responsabilidade em 2010?

A mágoa contra “a imprensa” faz Felipe Melo ver coisas que não existem. Seria ótimo se existisse, mas não é o caso. “Eu acho que a classe (dos jogadores) é uma classe muito desunida. Vocês, jornalistas, são muito unidos. Se um jogador fala mal de qualquer um de vocês, vocês se unem e vão contra. Nós, jogadores, somos bobos, porque temos que ser mais unidos”.

Ora, Felipe, se a classe fosse tão unida assim, não aceitaria a ditadura dos assessores de imprensa (que também são jornalistas) e talvez tivesse um piso salarial maior.

Mas, mesmo tendo suas críticas baseadas no caldo de cultura da mágoa e mesmo tendo uma visão equivocada da “imprensa” como algo único e coeso, Felipe acertou quando falou no exagero das críticas pesadas. Disse que jornalistas chamam jogadores de “songamongas”. Nunca ouvi, mas já ouvi pior. Já li coisa pior.

Limpeza, por exemplo. Um dos orgulhos da minha carreira é nunca haver usado esse termo para me referia à uma dispensa de vários jogadores ao mesmo tempo. Jogador não é lixo. Felipe está certíssimo. Precisa haver respeito e jornalista precisa saber seu limite. Eu me lembro de um narrador que se negava a dizer o nome de Edmundo. Falava apenas “o número sete” do Palmeiras. E dizia, alto e bom som, que “a respeito dele, só falo dentro de campo”. Uai, mas onde mais? Que direito, ele teria fora do campo, fora do aspecto essencialmente profissional? Ele acerta também ao falar que não vai generalizar, mas, reparem que repete a todo momento: vocês são isso, vocês são aquilo…

Felipe também disse não precisar da relação com jornalistas. “Nunca precisei de imprensa para nada. Nunca precisei ir em programa de TV para ficar famoso ou ganhar isso ou aquilo. Sempre precisei de Deus. É ele que me capacita. E da minha família”. O problema aí, e não estou falando dele, é que muitos jogadores procuram a aproximação quando necessária. Como os jornalistas ficam sabendo que o jogador foi levar ovo de páscoa para crianças doentes? Porque eles avisam. Dias antes. Repetidamente. Pedem. Não seguem os ensinamentos de Jesus Cristo e não praticam o bem sem olhar a quem. Fazem e avisam para todo mundo. E eu duvido que comprem os ovos de páscoa. Não colocam a mão no bolso, não.

Por fim, o último desabafo de Felipe Melo é uma lição, a meu ver, de como deve ser a relação entre jornalista e jogador.  “Sei que quando eu fizer jogada boa, vão falar ‘o Felipe é bom’, quando eu fizer falta vão falar ‘o Felipe é maldoso’. Antes isso me preocupava, hoje entra pelo meu ouvido e sai pelo outro”.

Mas, não tem de ser assim? Se jogar bem, é elogiado, se for expulso, será criticado. Qual é o problema?

Que os jornalistas e Felipe Melo cheguem a um consenso. Que haja justiça para ambos. Que não seja a justiça obesa retratada pelo escultou dinamarquês Jens Galchiot, com o povo pobre carregando uma justiça mórbida e lenta, favorece apenas o mais poderoso.

picadinhomenon

ROBERTO ANDRADE, O POLTRÃO – O presidente Roberto Andrade, do Corinthians, protagonizou uma cena ridícula ao receber aproximadamente 15 torcedores organizados em seu gabinete. Foi à tarde, é lógico, porque eles conseguiram liberação do trabalho para ir até a sede do clube. Ou são todos autônomos. Bem, durante a conversa, um deles tuitou algo do tipo: “a reunião está pacífica, até o momento”. Pois é, poderia não estar. Poderia haver agressões. Sonho com presidentes que ousem enfrentar estes brutamontes, sempre dispostos à pior escolha, sempre prontos a achar que reunião pacífica pode acabar a qualquer momento.

ALELUIA, ELE VOLTOU – Vasco e Bahia já jogaram. Hoje, é o Corinthians. Amanhã, o São Paulo. E os dois paulistas podem até se enfrentar na final da Flórida Cup. Os garotos da Copinha que me perdoem, mas estava sentindo a falta dele, o futebol de verdade. Sem ele, não somos nada. O danado é o sal de nossa vida.

NBA NA GLOBO – A GLOBO vai mostrar a fase final da NBA. Todos os sete jogos decisivos. Tomara que aprenda e não obrigue mais o NBB a ser decidido em um ou três jogos. Hortência será a comentarista. O narrador ainda não foi escolhido. Minha torcida é por Odinei Ribeiro, para que eu possa ver tudo, por todos os ângulos.

O TIME DE CARILLE – Cássio, Fagner, Paulo Henrique, Balbuena e Moisés; Gabriel; Romero, Camacho, Rodriguinho e Marlone. Na frente, Jô. É o que tem para hoje. Ou, melhor, para o primeiro tempo de hoje. No segundo, muda tudo. É o primeiro Corinthians de 2017, não muito distinto do último Corinthians de 2016. Gostaram?

 


Palmeiras é o time a ser batido em 2017. Vai ser difícil
Comentários Comente

menon

O que é mais difícil: agarrar um porco ou impedir o vôo de um periquito? Seja qual for o mascote escolhido, a missão será dura. O Palmeiras, que perdeu seu treinador e sua grande estrela é, ainda assim, o time a ser batido em 2017. O nível de investimento é maior. O nível qualitativo dos jogadores contratados também é maior.

A primeira lista, com Keno, Rafael Veiga e Hyoran não impressiona tanto. Mas não é diferente dos nomes que os rivais estão trazendo: Sidão, Jô, Kazim, Neílton…

A segunda lista, ainda não concretizada, é que mostra a diferença entre quem tem sonhos e quem tem dinheiro. A torcida do São Paulo faz juras de amor a Felipe Melo, o volante responde dizendo que adora o clube. Mas, como amor é uma coisa e dinheiro é outra, Felipe está com um pé (quase dois) no Palmeiras.

Outro exemplo: o Palmeiras não tinha um bom meia. Trouxe Cleiton Xavier, que não pegou no breu. Então, está trazendo o venezuelano Guerra, grande destaque do Nacional da Colômbia, campeão da Libertadores. E ainda há a possibilidade de Miguel Borja, letal goleador.

Haverá um período de adaptação no comando do time. Eduardo Batista é um treinador com conceitos diferentes de Cuca. Ele prefere o jogo mais cadenciado, com maior posse de bola. Mas os outros grandes terão problemas de adaptação também. Ceni deve utilizar a linha defensica com três jogadores, não necessariamente tres zagueiros. A ala direita pode ser de David Neres. Ele quer dois jogadores com bom passe para iniciar as jogadas de ataque. Podem ser Cueva e Cícero. Deslocará Buffarini para a esquerda. Ainda não tem um centroavante e vai perder João Schmidt. É muita mudança. Um possível time pode ter Sidão; Maicon, Rodrigo Caio e Lugano; Neres, Thiago Mendes, Cícero, Cueva e Buffarini; Gilberto e Nem. Algo assim, muito diferente do que se tem hoje. Muito trabalho para dar certo.

Carille também é novidade no Corinthians. Deve tentar retomar o que Tite fez. Difícil, ainda mais com jogadores como Potker e Jô, que estão chegando. É bastante adaptação. É muita incerteza.

O Santos mantem o ótimo Dorival Jr, que deve implantar a linha de cinco defensiva, com Renato ao lado de Cléber como um dos defensores centrais. Também demandará trabalho.

Todos se mexem. Dos quatro grandes, apenas um tem o mesmo treinador.

E todos correm atrás do Palmeiras, o atual campeão. Periquito ou porco, não interessa. Vai ser difícil…