Blog do Menon

Arquivo : lyanco

Renovação sente falta de um 9 e de um 10
Comentários Comente

Menon

É hora de um novo ciclo na seleção. De um trabalho já visando 2022, com gente jovem chegando para se juntar ao que restou da Copa da Rússia.

Eu trabalharia com Ederson, Alisson, Marquinhos, Casemiro, Coutinho, Neymar, Jesus, Firmino e Douglas Costa.

À essa base, juntaria Dedé, o grande zagueiro do Cruzeiro. Tem 30 anos.

A renovação viria com Militão (São Paulo), Thuller (Flamengo), Felipe (Porto), Guilherme Arana (Sevilla), Maycon (Shakhtar), Paquetá (Flamengo), David Neres (Ajax), Paulinho (Leverkusen), Vinícius Jr (Real Madrid), Richarlison (Wattford). Ainda há Fernando (Shakhtar), Lyanco (Torino), Pedrinho (Corinthians), Jorge (Monaco) e Malcon (Monaco. E Rodrygo. É Thiago Maia.

Dos nomes jovens citados, Arthur é o melhor. Jogador para ser titular nas três próximas Copas. Deveria ter jogado na Rússia. Felipe, Vinícius Jr, Paulinho, Maycon e Militão me parecem prontos para grandes responsabilidades.

Então, está tudo bem?

Longe disso.

Não vejo um atacante com bom cabeceio, com poder de decisão, capaz de ganhar a disputa no ombro, no tranco, com chute cruzado. Alguém capaz de fazer os gols que a Croácia fez na Inglaterra.

Não é por acaso que Ricardo Oliveira e Fred ainda tenham mercado.

Meu amigo Luís Augusto Mônaco, do espetacular http://chuteirafc.cartacapital.com.br/ lamenta a auseausê de um 10 pensador. Um Alex. Se não der, um Ganso ou Lucas Lima mais dinâmicos.

Sem esse tipo de jogador, a construção de jogadas se faz muito pelos lados, com triangulações e aproximação. Vinícius Jr, Neres, Richarlyson, Pedrinho, Malcon, Rodrygo são bons exemplos, mas não se faz um time de uma única maneira.

O trabalho principal de Tite é descobrir um centroavante e um meia pensador para seu time. Pensador e dinâmico. Tem quatro anos para isso.


Cotia rende muito dinheiro, poucos gols e nenhum título
Comentários Comente

Menon

BoschiliaAtenção!!! Este post é um elogio à Cotia e um lamento em relação à estrutura do futebol brasileiro. Certo? Então, não cabem comentários do tipo “ah, por que você não fala do Corinthians e do Palmeiras, só sabe criticar o São Paulo”. Ou, bobagens do tipo: “Cotia só tem moleque criado com leite de pera, bom mesmo é o terrão”. Mesmo porque não existe mais terrão e a estrutura do Corinthians é boa.

Então, por que Cotia?

Porque o São Paulo teve competência e sorte para criar a geração 96/97, muito acima da média. Apenas como ilustração, fiz uma seleção baseada no esquema 4-1-2-3, para caber mais atacantes e também optei por jogadores que renderam dinheiro ao clube.

Fica assim: Lucas Perri, Auro, Lucão, Lyanco e Inácio; Gustavo Hebling, Lucas Fernandes e Boschilia; David Neres, Ewandro e Luiz Araújo. Ainda há Foguete, Junior Tavares, Shaylon, Gabriel, Banguelê, Artur, Queiróz, Joanderson, João Paulo e Araruna.

De toda essa turma, oito jogadores renderam muito dinheiro ao São Paulo.

David Neres – 12 milhões de euros. E o São Paulo continua com 20% dos direitos do jogador

Boschilia – 9 milhões de euros. São Paulo ficou com 6,3 milhões de euros.

Luiz Araújo – 10,5 milhões de euros. São Paulo ficou com 8,4 milhões de euros

Lyanco – 6 milhões de euros. E o clube pode receber mais 2 milhões de euros, dependendo do rendimento do jogador no Torino.

EwandroEwandro – 3 milhões de euros. São Paulo fica com 2,25 milhões de euros.

Inácio – 3 milhões de euros como parte do pagamento de Maicon

Artur foi emprestado para o Colubus Crews, dos EUA e Gabriel Rodrigues foi para o Ventforet Kofu, do Japão.

Araruna está no clube e vai ganhar espaço com Rogério Ceni. Está voltando de contusão.

Gustavo HeblingShaylon é ainda uma aposta, pode explodir no ano que vem.

Os outros citados foram para times menores e alcançaram pouco sucesso, exceção a Auro, que estava bem no América MG e se contundiu.

O São Paulo, então, arrecadou 37,95 milhões de euros. Quantia que pode aumentar ainda a partir de um bom rendimento de Lyanco (mais 2 milhões) e de uma futura venda de Neres. Se vender por 30 milhões, o São Paulo ganhará mais seis milhões.

Muito dinheiro, não é?

E gols? Foram 21, assim divididos: Luiz Araújo, 51 jogos e nove gols; Boschilia (44/5), Ewandro (22/4) David Neres (8/3)  e Lyanco (25/1).

Títulos? Nenhum, a não ser os muitos na categoria de base.

E qual foi o grande erro do São Paulo? Por que jogador rende dinheiro e não faz história no clube? A meu ver, o grande e único erro foi não renovar o contrato de Gustavo Hebling, volante de alto nível. Saiu de graça. Foi para o PSG, com contrato de cinco anos e está emprestado ao PEC Zwolle, da Holanda.

Se o São Paulo não errou, de quem é a culpa?

Da fragilidade do futebol brasileiro, que é um reflexo da fragilidade do Brasil. Nós exportamos jogador. E com o dinheiro recebido, pagamos contas. E contratamos veteranos.

É assim. E ponto. Fica muito pior quando as finanças do clube são assaltadas por um presidente. Fica muito pior quando a diretoria não consegue um patrocínio. E vive, primordialmente, com o dinheiro da televisão. Fica muito pior quando o buraco da dívida diminui pouco, apesar de tanto dinheiro. Com o câmbio de hoje, seriam 140 milhões de reais.

Sai muito jogador. Entra muito dinheiro. O buraco não diminui. E o que se pode esperar? Que a saída de Militão, que é 98, seja boa. Só pra lembrar que Augusto Galvan, também 98, rendeu 1 milhão de euros. E mais dois, se for bem no Real Madrid.

No fim, o que fica é jogador como Araruna. Joga bem, pode evoluir, mas não vai para a Europa. É um bom jogador que não custou nada. Como foi Jean.

O resto, a dívida come.

E a torcida fica esperando que seus futuros ídolos joguem bem em outros clubes. Ou, que joguem mal e possam voltar um dia. O mais lógico é que, daqui a dez anos, uma nova revelação seja vendida e o dinheiro gasto para o retorno de David Neres, já com com 30 anos.


São Paulo tem cinco motivos para sorrir. Botafogo precisa de um 9
Comentários Comente

Menon

lyancoTrês pontos. Lyanco. Lucas Fernandes. O São Paulo tem muito a comemorar após a estreia no Brasileiro, vencendo o Botafogo por 1 x 0 em Volta Redonda.

Sem os titulares, Bauza escalou muitos jogadores da base. Foi dominado – teve apenas 35% da posse de bola – mas resistiu bem e conseguiu uma vitória fundamental em um campeonato ao qual se aplica o clichê do “toda rodada é uma decisão”.

Não é o caso de pensar que todos os garotos são craques. E nem de acreditar que, com eles, não são necessários reforços. É só colocar contra o Galo que tudo está resolvido. Nada disso. Primeiramente, é bom lembrar que o time titular do Botafogo também em muitos garotos: Leandrinho, Sassá, Ribamar, Neílton… E que Auro, Lucão  e Matheus Reis já deveriam ter desabrochado. São jogadores que não irão além do que se viu: homens para compor o elenco. Banguelê teve sua primeira chance, merece outras, mas mostrou mais do mesmo: força física, pouca velocidade e pouca habilidade para iniciar jogadas de ataque.

Quem deu motivos para ilusões foram Lyanco e Lucas Fernandes.

Lyanco é um zagueiro sério e duro. Bom no jogo pelo alto e nas travadas. Tem personalidade. E futuro. Vai ter muitas oportunidades no Brasileiro. E, com o passaporte sérvio, tem caminho na Europa. Vai render milhões de euros.

Lucas Fernandes é rápido e habilidoso. Movimenta-se bem, sempre pela esquerda, é encarador e cobrou muito bem a falta do gol.

Caricatura de J. Bosco

Caricatura de J. Bosco

Helton Leite colaborou um pouco, mas o mérito é todo de Lucas.

O Botafogo, já havia mostrado isso na decisão do Carioca, tem dificuldades para finalizar. Para transformar em gol a posse de bola. Precisa se reforçar. Pimpão não é esse tipo de jogador. É preciso um 9. Mesmo que seja um 7, como Túlio Maravilha.


Breno passará por cirurgia. Lyanco, perto de uma vaga
Comentários Comente

Menon

O zagueiro Breno, do São Paulo (Crédito: Rivaldo Gomes/Folhapress)

O zagueiro Breno, do São Paulo (Crédito: Rivaldo Gomes/Folhapress)

*atualizada às 18h35

Os médicos do São Paulo decidiram que Breno terá de passar por uma nova cirurgia no joelho direito. A decisão saiu duas horas depois de o blog dar a informação com exclusividade. Fora dos campos desde fevereiro, o zagueiro passou por fortalecimento muscular e drenagem no joelho. Não deu certo. Agora, o atleta passará por uma reconstrução do ligamento cruzado. O procedimento deve acontecer ainda esta semana.

“O jogador estava se recuperando de uma sinovite no joelho e mesmo com todo o trabalho de reabilitação, não apresentou a melhora esperada que o possibilitasse treinar com o grupo. O joelho dele se mantém com derrame e dor e por isso somente uma intervenção vai trazer de volta a estabilidade necessária. O ligamento do joelho está íntegro, porém insuficiente”, explica o médico do clube, José Sanchez, em confirmação publicada no site do clube.

Desde que voltou ao São Paulo, após quatro anos de prisão na Alemanha, Breno enfrenta dificuldades físicas. O tipo de exercício que fazia na prisão – em ambientes fechados – não são os mesmos de um jogador profissional. Desde que reestreou, em julho do ano passado, foram apenas oito partidas. Em 2016, só duas.

Luiz Cunha, diretor de futebol, me disse há uma semana que o clube confia muito em Breno. “Desde que ele volte a ter as condições físicas de um atleta”, afirmou, deixando claro que as dificuldades eram grandes.

Enquanto uma das grandes revelações da base – estreou em 2007, com 17 anos e, com menos de 20 partidas foi vendido para o Bayern de Munique – sofre para dar continuidade à carreira, um novo zagueiro ganha pontos com a comissão técnica. Lyanco, que veio do Botafogo há dois anos, treina muito bem e agrada a Patón, como já havia agradado a Osorio.

Ele tem dupla nacionalidade e tem sido convocado, em rodízio, pelas seleções de base do Brasil e da Sérvia. O clube vê nele um grande potencial para uma futura venda. E o Brasileiro lhe dará chances constantes de atuar. A ver: Maicon talvez não fique (o Porto quer Lyanco para liberá-lo), Breno tem o problema no joelho, Lugano ainda não jogou três partidas seguidas, Rodrigo Caio pode desfalcar o time por até 18 rodadas no Brasileiro – seleções olímpica e principal – e é bem provável que Paton tenha de recorrer a Lucão e Lyanco.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>