Blog do Menon

Arquivo : régis

São Paulo tem segundo turno horrível
Comentários Comente

Menon

O São Paulo está em um beco sem saída. Faz um segundo turno abaixo da crítica – duas vitórias, cinco empates e duas derrotas – e não tem como reagir.

Continua, por enquanto, a ser um time difícil de ser batido, mas é insuficiente. A queda parece difícil de ser estancada.

Os problemas afloraram justamente no período de ascensão do Palmeiras, que é mais forte. Difícil segurar.

O que fazer para Nenê reagir?

Um jogo de folga, como forma de descanso? Um novo posicionamento, mais parado?

O mais complicado é que não há reserva. Shaylon faz boas jogadas, arrisca um chute ou outro, mas é muito tímido em campo. Não tem alma de protagonista.

Liziero, embora não seja da posição, pode ser a melhor opção. Mas não é uma solução.

E a ausência de Everton?

Ele está de volta, mas sua ausência foi terrível. Novamente, não havia reservas. Lucas Fernandes, uma decepção, já havia ido para um timinho de Portugal. Reinaldo é uma improvisação. Régis deixou o clube. Brenner e Caíque não entram. E quando entram, principalmente Brenner, não agradam.

E o ataque?

Rojas não tem reserva.

Diego Souza?

Vem fazendo um campeonato digno. Mas é veterano e pouco participativo. Pensem em Calleri. Ou Kardec.

E os reservas? Trellez teve bons momentos, apesar de tratar a bola como Vossa Alteza Imperial, mas não é certeza.

Gonzalo Carneiro me parece um engano terrível. Um grande erro de avaliação.

Com tantos problemas, como melhorar? Não vejo como, principalmente porque o time tem mostrado desconcentração em muitos momentos. Basta lembrar o jogo contra o América. E time aguerrido não pode perder foco.

A luta é por uma vaga na Libertadores. Me parece bem acessível. Mesmo que Aguirre não consiga melhorar o repertório do time, dá para ficar entre os seis, graças ao primeiro turno.

E eu, o que faria?

Não tem a mínima importância, não sou treinador, mas, vá lá… Fixaria a dupla Arboleda e Bruno Alves. E, quando Rojas e Everton estivessem fora, daria chance a Helinho e Brenner.

É o que tem para hoje.

 


O triste caso de Régis
Comentários Comente

Menon

Régis seguirá sua vida longe do São Paulo, após a rescisão do contrato. O clube não fechará as portas ao jogador, mas também não o ajudará efetivamente. Se fosse fazer isso, manteria o contrato. O que fará, caso seja procurado, é dar uma orientação ou sugestão para tratamento da doença.

Sim, Régis é doente. Um dos muitos que sofrem com a doença, perdem emprego, perdem família, uma luta cotidiana, inglória e terrível.

No caso específico de Régis, o treinador não sabia quanto e quando poderia contar com ele nos treinamentos. E, mesmo se treinasse bem durante a semana, é difícil saber se ele estaria apto a jogar, estaria inserido nas regras médicas presentes no futebol.

Como manter um jogador assim? Pode te dar três pontos durante o jogo e muitos problemas após o final.

É muito triste. A doenca é terrível e difícil de ser enfrentada.

Que Régis consiga reagir.

Está sozinho.


São Paulo: um ponto que pode valer muito
Comentários Comente

Menon

Em um campeonato apertado como este, perder um ponto em casa pode ser muito ruim. Principalmente após uma derrota inesperada do rival.

A primeira impressão do empate do São Paulo é essa. Mas há outras leituras.

O São  Paulo jogou com um a menos por 65 minutos. Achei exagerado o cartão vermelho para Diego Souza. E também achei uma bobagem dele usar cotovelo em um lance morno, longe da área.

O gol do Fluminense saiu em um lance infeliz da defesa. Faltou comunicação entre Sidão e Ânderson. O goleiro não precisava ter saído tanto.

E, com um a menos e sofrendo gol contra, o São Paulo se superou. Avançou a marcação e sufocou o Fluminense.

O gol saiu de um cruzamento de Régis para Trellez. Duas substituições de Aguirre. Mérito para ele.

A jogada de Régis foi linda. Falha se Ayrton Lucas, que joga muito.

Mais um motivo para valorizar o ponto que manteve o time na liderança por mais uma rodada? O Fluminense chutou duas bolas na trave. E perdeu um gol no final.

O São Paulo foi muito valente, como sempre. Términou sua série acessível (Vasco em casa, Sport fora, Chape em casa, Paraná fora, Ceará em casa e Flu em casa) com 14 pontos ganhos em 18 disputados). 78% de aproveitamento.

O time está invicto há sete jogos, mas ganhou apenas cinco pontos dos últimos nove. E perderá Rojas e Arboleda por duas rodadas. Diego Souza por una e Everton por maus duas.

Não é fácil, mas quem disse que seria?

O São Paulo é valente e um osso duro de roer.


Cautela excessiva de Aguirre prejudica o São Paulo
Comentários Comente

Menon

Com quatro rodadas, é possível dizer que, dificilmente, o São Paulo passará por sofrimentos como dos últimos anos no Brasileiro. Mas, fica claro também que, se quiser algo mais do que não sofrer, Diego Aguirre precisa ser menos cauteloso do que é. O empate por 2 x 2 com o Galo tem muito a ver com isso.

As duas primeiras substitituições foram terríveis.

Ao final do primeiro tempo, trocou Bruno Alves por Marcos Guilherme. O motivo? Tinha um cartão amarelo em dividida com Fábio Santos, que levou a mesma punição. Recuou Régis para a zaga, abandonando a linha de três. Foi muito ruim. Régis não é um bom marcador e o Galo passou a levar muito perigo por ali. E Fábio Santos ficou pendurado até o final. Precisava ter trocado?

Aos dez minutos, Nenê precisou sair. E Aguirre, que poderia colocar Cueva, Valdivia ou Lucas Fernandes, optou por Liziero. Uma opção novamente cautelosa. Nada de transição pelo meio. O time dependia, para levar a bola à frente, das parcerias Liziero/Reinaldo e Marcos Guilherme/Régis. Muito pouco.

E o Galo passou a atacar ainda mais. Empatou com Roger o Guedes e desempatou com Ricardo Oliveira. Falha de Arboleda, o melhor do time, e de Diego Souza, no primeiro pau. O mesmo Diego Souza que havia atrapalhado a zaga do Galo no primeiro gol do São Paulo, o primeiro de Éverton, outro que jogou bem.

O gol saiu no momento em que Cueva entrava em lugar de Hudson, aos 33 minutos. Poderia ter entrado antes. Deveria ter entrado , antes. E, com três minutos em campo, o peruano deu lindo passe para Diego Souza empatar o jogo.

Daí, até o final, os dois times buscaram o gol que valeria a liderança. Os dois com muita velocidade. Lá e cá. E ninguém marcou. Ninguém pode reclamar do placar, mas o são-paulino pode – e muito – reclamar da falta de ousadia de seu treinador. Assim como no jogo contra o Fluminense, tentou garantir a vantagem mínima.


Jô, Jair e Jean…dúvidas e certezas
Comentários Comente

Menon

As contratações do treinador Jair Ventura, e do goleiro Jean, por Santos e São Paulo, respectivamente, além da saída do artilheiro Jô, do Corinthians para o futebol japonês são, à primeira vista, bons negócios. Mas há dúvidas também.

Jair Ventura – Foi a grande revelação do ano passado e levou o Botafogo a um bom papel na Libertadores. No final do Brasileiro, perdeu força.

Minha dúvida é se ele consegue mudar de estilo. Com os jogadores do Botafogo, um quinto lugar merecia aplausos. Então, ele podia jogar de maneira cautelosa. Em outro time, saberá ter novo repertório?

Jô – O Corinthians conseguiu muito dinheiro por um jogador de 30 anos. Era irrecusável. Mas o prejuízo técnico é grande. Como conseguir outro atacante?

Jean – O São Paulo fez um contrato de cinco anos com o goleiro de 22 anos. O que significa? Está apostando em uma venda para a Europa, antes desse período. Será? O valor pago não é pouco, não. Nove milhões de reais, a cessão de Régis, que já estava lá e o mais preocupante: a saída de Iago Maidana, que fez uma ótima Série B com o Paraná. Ele poderia ser o substituto de Lugano.


Começa o saldão de Alexandre Mattos, o gastador. Quem vai levar?
Comentários Comente

Menon

alexandremattosApós as eliminações no Paulista e na Libertadores, o Palmeiras começa a preparação para o Brasileiro. Cuca disse que precisa de novos jogadores e também deixou claro que alguns serão dispensados para “enxugar” o elenco.

Há realmente um excesso de jogadores. Fiz uma busca no site oficial do Palmeiras e vi que há 21 atletas disputando as quatro vagas disponíveis para meias e atacantes. Muita gente vai sair. Os mais cotados são o atacante Luan e o meia Fellype Gabriel, que sofreram com contusões e não atuaram na temporada.

A lista do Palmeiras:

ATACANTES – Cristaldo, Dudu, Erik, Gabriel Jesus, Lucas Barrios, Alecsandro, Rafael Marques, Roger Guedes e Luan.

MEIAS – Cleiton Xavier, Robinho, Allione, Regis, Moisés e Fellype Gabriel.

15 para quatro vagas. Se o treinador levar oito para o jogo, sete ficam de fora, apenas treinando. Muitas vezes fazendo bico. Aqui, parece natural que o facão passe por Fellype Gabriel, Luan, Moisés e Régis. Os três últimos foram contratados em 2016 e praticamente não são utilizados (Moisés vinha bem, mas sofreu grave contusão). São fruto da falta de planejamento de Alexandre Mattos, que pega o dinheiro de Paulo Nobre e gasta sem pensar no amanhã.

Além destes, Erik não tem rendido o que se esperava. Cristaldo e Rafael Marques vão ser ameaçados duramente por Roger Guedes. Lucas Barrios vai continuar se ficar na reserva de Alecsandro, algo muito justo pelo que se viu até agora?

Indiscutível mesmo é Gabriel Jesus.  Dudu, Cleiton Xavier, Robinho, Alecsandro e Roger Guedes estão bem cotados.

VOLANTES – Arouca, Gabriel, Jean, Mateus Sales, Rodrigo, Tiago Santos

Seis para duas vagas. Dois em campo, dois no banco e dois no ócio. Cuca, após a eliminação para o Santos, disse que o Palmeiras tem muitos jogadores jovens, que ainda vão dar alegrias mas que não estão prontos. Pe-ri-go, pe-ri-go para Sales. Arouca ainda não rendeu o que se esperava. Jean foi deslocado para a lateral. E Rodrigo, também chegado há pouco, se contundiu e nem estreou.

LATERAIS – João Pedro, Lucas, Victor Luiz, Egídio e Zé Roberto

O deslocamento de Jean para a direita é um sinal de que a batata de Lucas e Joao Pedro está assando. Na esquerda, Zé Roberto conta com a polivalência que pode lhe garantir também um lugar como volante ou meia. Victor Luiz corre perigo.

ZAGUEIROS – Vitor Hugo, Thiago Martins, Edu Dracena, Nathan, Leandro Almeida e Roger Carvalho.

Muita gente vai rodar em uma área onde apenas Vitor Hugo mostra constância. Edu Dracena ainda não mostrou o futebol do Santos. Alias, esse mesmo futebol não havia sido mostrado no Corinthians. Thiago Martins é um jovem em busca de oportunidades que Nathan, outro jovem, não teve recentemente (em 2014 jogou bastante). Leandro Almeida está queimado e pode fazer parte da negociação com Roger Guedes. Já Roger Carvalho não mostrou muito serviço quando jogou.

São 32 jogadores, fora os goleiros. Cuca vai pedir pelo menos um zagueiro e um volante. Muita gente vai sair. Façam suas ofertas, afinal não há comedimento no planejamento do perdulário Alexandre Mattos.

 

.


Onze micos e muita decepção
Comentários Comente

Menon

Alguns foram contratados. Outros, já estavam no elenco esperando a sua hora. Outros, retornaram ao porto seguro. E todos, de uma micoleaomaneiro ou outra falharam. Decepcionaram muito. É a seleção das decepções nesse semestre de 2016.

DENIS – Chegou ao São Paulo em 2009 e pacientemente esperou uma oportunidade de substituir Rogério Ceni. E mostrou uma insegurança muito grande para sair do gol, principalmente em jogadas pelo alto. Debaixo das traves, vai bem, mas é pouco.

LUCAS – Veio para o Palmeiras respaldado por uma boa temporada no Botafogo e está indo muito mal. Tem boa presença ofensiva, mas falha bastante na defesa. Tenta compensar com vitalidade, mas fica na violência. Perdeu o lugar para Jean, volante.

LUGANO – A torcida esperava muito dele. Mais do que ele poderia dar. As contusões e a idade estão presentes e ele tem jogado pouco. Demorou para entrar em forma, fez algumas boas partidas e cometeu alguns erros graves. Seu lugar pode ser tomado também por LEANDRO ALMEIDA, herança de Marcelo Oliveira e que cometeu, contra o São Bento, o erro mais tosco do ano.

HENRIQUE – Pivô de uma disputa entre Flamengo e Fluminense, não tem dado segurança nenhuma à zaga do Flu. É um jogador muito caro que não corresponde. Difícil imaginar que fizesse parte da seleção na Copa de 2014. LUCÃO, do São Paulo é outro concorrente fortíssimo. Os erros que cometeu em Itaquera, contra o Corinthians, foram primários.

PIKACHU – É lateral pela direita, mas eu o escalei na esquerda porque tinha de estar na seleção. Foi a contratação mais cara do Vasco e não consegue render.

CRISTIAN – Esse é o grande erro do Corinthians. Voltou ao elenco depois de um tempo na Turquia e jogou pouquíssimas vezes. Quase nunca joga, mas recebe altíssimo salário. Sua contratação foi uma cara e frustrante homenagem.

DIEGO SOUZA – Veio do Sport para o Fluminense, que superou concorrentes também interessados, ficou algumas partidas e voltou a Recife. Nenhum profissionalismo. Nenhum futebol.

CENTURIÓN – Veio no ano passado do Racing, em troca de R$ 14 milhões. Começou bem, fez gols decisivos, mas caiu muito. Com Bauza, teve muitas oportunidades mas mostrou apenas vontade de ajudar a marcação. No ataque, errou muito.

ERIK – Veio do Goiás por R$ 13 milhões, após um bom Brasileiro. Fez algumas boas partidas, mas caiu muito. Hoje, entra pouco e quando o faz não acrescenta qualidade ao time.

PAULINHO – Veio para o Santos e logo teve de explicar porque havia posado com a camisa do Corinthians. Mas não foi o único problemas. Não jogou nada e perdeu lugar para Serginho, Ronaldo Mendes e outros. Quando entra em campo, vem a saudade de Geuvânio e Marquinhos Gabriel.

FRED – Uma enorme seca de gols e ainda protagonizou a ópera bufa “A volta dos que não foram”. Sente-se dono do Fluminense e entrou em rota de colisão com Levir Culpi. Prometeu sair e voltou rapidamente.

Há outros nomes que poderiam estar na lista: Régis, Cleiton Xavier, Carlinhos, Guilherme, Barrios, Rildo e André.

 


Vexame do Palmeiras. Culpa de Marcelo Oliveira
Comentários Comente

Menon

moliveiraO Palmeiras perdeu para o Linense, em Pompeia. Foi o primeiro grande a perder para um pequeno no Paulistão-16. Sua invencibilidade caiu e o que ficou foi uma campanha medíocre, com uma vitória, uma derrota e dois empates.

O jogo que interessa é o de terça-feira, contra o River Plate, em Maldonado. Tudo bem. Por isso, Marcelo escalou um time reserva. E ponto. Para por aí. Foram muitos erros.

O treinador engessou o Palmeiras em um 4-2-3-1 e não teve criatividade alguma em muda-lo. Já começou errado porque tanto Allione como Rafael Marques em vez de se aplicarem no jogo pelos lados do campo, vinham muito pelo meio. E os laterais não apoiavam.

Moisés começou bem e caiu quando sucumbiu à marcação de Marcão.

O gol do Palmeiras foi injusto, com um pênalti inexistente.

A comemoração foi grande e não previu um lindo lançamento para Poker, que achou um latifúndio entre Egídio e Vitor Hugo, para, com bela definição, empatar.

Marcelo veio com Regis em lugar de Moisés. Meia por meia, embora Regis seja mais habilidoso. Mas, por que não a saída de um volante? Ou de Rafael Marques, muito mal?

Depois, entrou Erik em lugar de Rafael. E Cristaldo em lugar de Alecsandro. Com 20 minutos, já havia feito as três substituições. E nada de novo. Por que não Jesus com Erik? Ou Cristaldo em lugar de Allione? Nada disso.

O time melhorou apenas porque Erik é muito bom jogador. Deu mais técnica à equipe. Mérito dele e não de Marcelo.

No final, outro contra-ataque do Linense. Novo gol. E o time do interior ficou tocando bola, sem sofrer uma grande pressão organizada do Palmeiras.

Ou seja, o Palmeiras tem melhores jogadores. O Linense foi mais bem dirigido, mais bem plantado em campo, esperando um contra-ataque salvador. E conseguiu dois.

Notícia boa?

O próximo adversário é o River Plate e não o Nacional ou o Rosario Central.


Régis sonha jogar no São Paulo. Vai conseguir?
Comentários Comente

Menon

Régis, meia de 21 anos da Chapecoense, tem um sonho futebolístico: ser titular do São Paulo. E ainda acredita nisso, após deixar o clube do Morumbi no início de 2014, após dez anos na base.

A decisão de sair foi tomada após uma conversa no departamento do futebol. Ele não diz o nome do interlocutor. “Eles queriam renovar meu contrato por três anos e me emprestar novamente. Disseram que eu não tinha condições técnicas no momento para ficar no time de cima. Nem para ficar no grupo, então resolvi sair. Agora , tenho 55% dos direitos e o São Paulo ficou com os outros 45%.

Não pesou na avaliação do São Paulo o bom desempenho de Régis no América de Natal, clube que defendeu na fase final da Série B. “Participei de dez partidas, fiz cinco gols e dei quatro assistências”, lembra.

Os números e os vídeos chegaram a alguns clubes. A Chapecoense levou a melhor. “Desde 20 de dezembro, quando soube que ele estava livre, fiz mais de 50 ligações para garantir a contratação”, diz o diretor João Carlos Maringá.

Régis chegou fora de forma a Chapecó e ficou na reserva. Participou de apenas três jogo. No primeiro, contra o Metropolitano entrou aos 18 minutos do segundo tempo. O jogo estava 0 x 0 e ele fez um dos dois gols da virada. Contra o Marcílio Dias, entrou no segundo tempo. E, contra o Avaí, começou a virar ídolo. O time perdia por 1 x 0. Ele entrou no segundo tempo, fez dois gols e, aos 30 minutos, saiu por conta de uma bolada no estômago.

Com certeza, será titular na Série A do Brasileiro. “O clube tem uma estrutura muito boa e o fato de estar na Série A me ajudou a decidir. Tenho contrato até o final do ano e depois, vou ver o que fazer.”

E o São Paulo, foi uma injustiça?

“Não, eu não falo isso. O que eu sei é que, se a pessoa trabalha duro e seriamente, merece ser valorizada. No futebol também é assim”.

Tags : régis


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>