Blog do Menon

Arquivo : reinaldo

Vasco vence São Paulo ruim e sem alma
Comentários Comente

Menon

O Vasco saiu na frente contra o Grêmio. Recuou. Perdeu de virada. O Vasco saiu na frente contra o Furacão. Recuou. Sofreu o empate na última bola. O Vasco saiu na frente contra o São Paulo. Ganhou por 2 x 0 e praticamente garantiu sua permanência na Série A.

A partida do São Paulo foi horrorosa em três aspectos: técnico, tático e anímico.

Técnico  –  O  Vasco tinha Maxi López, veterano argentino, com carreira na Europa. O São Paulo tinha Pedro Bortoluzzo, que era reserva de Joanderson e de João Paulo, no sub-20. Foi dispensado do Guarani e do Paraná.

Pois bem: Maxi fez uma parede linda e deu o passe para o segundo gol. Pedro praticou um jogo físico, cheio de faltas e sem nenhuma técnica. Nota: foi melhor que Trellez.

Não foi só. Reinaldo foi péssimo. Nenê foi mal. E Jucilei deu o passe para o primeiro gol do Vasco.

Tático  – Sai Aguirre, entra Jardine e a dupla Hudson e Jucilei é mantida. Não cobseguem fazer a transição. Levam muito tempo para fazer a bola chegar ao ataque.  Todo mundo sabe disso, mas eles são mantidos. Liziero deveria ter entrado.

Além disso, não havia profundidade. Bruno Peres, burocrático, não fazia a ultrapassagem, quando Helinho vinha para o meio.

Anímico – o time não reage às adversidades. Tem seis derrotas. Em quatro delas, saiu atrás e atrás ficou. Nas outras duas, saiu na frente e permitiu a virada. Um time sem alma. Sabia que um empate já seria um bom passo para conseguir a classificação direta à Libertadores  nem conseguiu fazer uma grande pressão, embora tivesse 68% de posse de bola.

E, por fim, é um elenco mal montado. Caro e ruim.

Justíssima vitória.

 


Com Reinaldo na ponta, Tricolor quer sabadão feliz
Comentários Comente

Menon

Todos jogos são importantes. Todos valem três pontos. Mas alguns são mais importantes que os outros. O do São Paulo contra o América, por exemplo.

O Coelho está bem atrás na tabela. É um adversário bem acessível. Se o São Paulo vencer o único jogo do sábado, ficará quatro pontos à frente do Colorado. Que terá mais pressão para vencer o Corinthians no domingo.

A vitória, pois, é importantíssima. E o São Paulo tem defalques importantes. Rojas e Everton, os homens do lado de campo.

Na esquerda, jogará Reinaldo, um passarinho me contou. Aguirre gostou do rendimento do lateral, quando adiantado. Brenner, que poderia ser uma opção, ainda está em processo de recuperação de autoconfiança.

E do outro lado?

Há duas opções: Everton Felipe, que entrou bem contra o Santos, ou Régis, no esquema 3-5-2, com a volta de Rodrigo Caio.

É um sabadão feliz no horizonte. Com obrigação de vitória.


São Paulo líder. Contratações perfeitas explicam.
Comentários Comente

Menon

Reinaldo lança Everton, que acha Diego Sousa na área. Gol.

Rojas faz boa jogada na direita e toca para Nenê. Gol.

Lançamento de Hudson, Trellez recebe, se complica e, marca na segunda tentativa.

Três boas jogadas, feitas por jogadores que chegaram em 2018.

Foram contratações perfeitas do São Paulo. O que não significa que sejam jogadores perfeitos. Apenas jogadores que chegaram e resolveram. Alguns de graça. Outros, custando caro.

Everton é o melhor do time. Rei do contra-ataque, ótimo cruzamento. Custou $15 milhões. São Paulo foi ousado em pagar a multa.

Joao Rojas ajuda a defesa na direita e puxa bons contra-ataque. Foi indicação de Aguirre, que o descobriu no Talleres, já em fim de contrato.

Como o São Paulo, na análise de Aguirre, é um time de resposta, fica fácil entender a importância dos dois.

Reinaldo foi reintegrado, após temporadas na Ponte e Chape. Está jogando muito.

Hudson voltou ao clube após uma temporada no Cruzeiro. Foi trocado por Neílton. Sério. É o melhor volante do time.

E os dois velhinhos.

Diego Souza custou $ 10 milhões. Demorou a jogar bem. Quase saiu.

Nenê veio do Vasco, em fim de contrato. Muita gente, como eu, não acreditou e falou mal. Jogou bem desde o início. É o condutor do time.

Cada um deles fez 11 gols no ano.

O jogo contra o Sport foi fácil. O time pernambucano ficou atrás e, como não tem contra-ataque, foi presa fácil. Facílima, após o erro de Gabriel.

O São Paulo controlou o jogo, decidido após o segundo gol.

Deu tempo para poupar os velhinhos, estrear Everton Felipe e dar chance a Shaylon e Trellez.

Então, o susto com o gol do Sport e o alívio, com Trellez.

São Paulo colhe o que plantou.


Cautela excessiva de Aguirre prejudica o São Paulo
Comentários Comente

Menon

Com quatro rodadas, é possível dizer que, dificilmente, o São Paulo passará por sofrimentos como dos últimos anos no Brasileiro. Mas, fica claro também que, se quiser algo mais do que não sofrer, Diego Aguirre precisa ser menos cauteloso do que é. O empate por 2 x 2 com o Galo tem muito a ver com isso.

As duas primeiras substitituições foram terríveis.

Ao final do primeiro tempo, trocou Bruno Alves por Marcos Guilherme. O motivo? Tinha um cartão amarelo em dividida com Fábio Santos, que levou a mesma punição. Recuou Régis para a zaga, abandonando a linha de três. Foi muito ruim. Régis não é um bom marcador e o Galo passou a levar muito perigo por ali. E Fábio Santos ficou pendurado até o final. Precisava ter trocado?

Aos dez minutos, Nenê precisou sair. E Aguirre, que poderia colocar Cueva, Valdivia ou Lucas Fernandes, optou por Liziero. Uma opção novamente cautelosa. Nada de transição pelo meio. O time dependia, para levar a bola à frente, das parcerias Liziero/Reinaldo e Marcos Guilherme/Régis. Muito pouco.

E o Galo passou a atacar ainda mais. Empatou com Roger o Guedes e desempatou com Ricardo Oliveira. Falha de Arboleda, o melhor do time, e de Diego Souza, no primeiro pau. O mesmo Diego Souza que havia atrapalhado a zaga do Galo no primeiro gol do São Paulo, o primeiro de Éverton, outro que jogou bem.

O gol saiu no momento em que Cueva entrava em lugar de Hudson, aos 33 minutos. Poderia ter entrado antes. Deveria ter entrado , antes. E, com três minutos em campo, o peruano deu lindo passe para Diego Souza empatar o jogo.

Daí, até o final, os dois times buscaram o gol que valeria a liderança. Os dois com muita velocidade. Lá e cá. E ninguém marcou. Ninguém pode reclamar do placar, mas o são-paulino pode – e muito – reclamar da falta de ousadia de seu treinador. Assim como no jogo contra o Fluminense, tentou garantir a vantagem mínima.


Dorival fica, mas precisa ousadia para chegar ao Brasileiro
Comentários Comente

Menon

A direção do São Paulo resolveu que Dorival Jr. continua no comando da equipe. Espera por um bom resultado contra o CRB e por uma melhora de rendimento no Paulista, de modo que o time chegue com uma cara definida no Brasileiro. Se o plano der errado, Dorival será demitido. A tese sem cabimento de que é necessário um ano para se avaliar um treinador não encontra eco em quem tem a caneta no São Paulo. Para ser avaliado após um ano, é necessário ter resultados, muito mais que rendimento, que o permitam chegar a um ano de trabalho.

Dorival precisa mudar de atitude. Ele deve abandonar a convicção de que um bom trabalho se faz lentamente, com os jogadores assimilando conceitos e rendendo mais. Sempre foi assim. Procurem no gooogle Dorival + evolução ou Dorival + imediatismo e encontrarão resultados desde 2013. Está sempre reclamando de críticas que considera imediatistas e pregando uma evolução. Muitas vezes ela pode ter vindo, mas agora parece mais uma quimera. Ninguém vê a tal evolução. E não é porque não quer, como Dorival insinua. É porque está realmente difícil de ver.

No ano passado, houve evolução, é preciso reconhecer. O rendimento no segundo turno foi bom. Aí, o clube perdeu Pratto e Hernanes e tudo voltou ao zero. E tome Dorival pedindo tempo para evolução. Evolução que pode levar aonde? A um quinto lugar no Brasileiro? É o máximo que se pode sonhar, enquanto o pesadelo tem proporções muito maiores. O São Paulo pode cair, com certeza pode.

O São Paulo, atualmente, é um clube grande que diminuiu de tamanho. Hoje, é um desses times que vive no limbo. Se fizer um bom campeonato, chega à Libertadores. Se for mal, cai. Diante desse quadro, é difícil ter um ano de trabalho antes de ser avaliado. E, aliás, Dorival já tem sete meses.

A mudança precisa ser rápida. Como foi com a chegada de Carille no Corinthians, como foi com a chegada de Muricy ao São Paulo em 2013, como tem sido com Thiago Larghi no Galo. É possível ter um choque, é possível ter mudança instantânea. Para isso, Dorival precisa mudar.

O treinador do São Paulo parece um estudioso de piano muito aplicado, daqueles que decora todos os movimentos, todas as combinações entre as notas musicais e que chega na hora do concerto apresenta um trabalho tecnicamente irrepreensível, mas sem nenhuma improvisação, nenhuma emoção. Ele treina, treina, trabalha duro, mas não consegue pensar fora da caixinha. Contra a Ferroviária, foi uma overdose de lugares comuns. Sai Diego e entra Trellez. Nunca os dois juntos. Entra Nenê e sai Valdívia. Por que não Petros? Entra Paulinho Boia e sai Marcos Guilherme. Por que não Hudson.

Dorival precisa mudar.

Tentar um 3-4-3. Sidão, Arboleda, Caio e Anderson; Marcos Guilherme, Militão, Cueva e Reinaldo, Paulinho Boia, Diego Souza e Brenner

Tentar um 4-1-2-3 com Sidão, Militão, Arboleda, Caio e Reinaldo, Jucilei, Cueva e Diego, Pauinho Boia, Brenner e Caíque

Pode subir Liziero para a lateral.

Pode dar tudo errado. Os dois esquemas que eu falei podem ser um fracasso total. Mas, se ele mantiver o estilo papai e mamãe, se continuar trocando seis por meia dúzia, se não ousar mais, ai, sim, é a certeza do fracasso total. E ele não chegará ao Brasileiro.


São Paulo “estreia” com vitória e mostra que pode melhorar. Precisa muito
Comentários Comente

Menon

Assim como Cueva chegou atrasado aos trabalhos de 2018, o São Paulo chegou atrasado no Paulistão. Pode-se dizer que a vitória sobre o Botafogo foi a estreia. Com Cueva em campo, dando mais qualidade ao time, fazendo gol e pedindo perdão (ou paz?) e com a estreia de Nenê, que fez boa partida. Ainda há Trellez e Valdívia, que ainda não jogaram.

Com eles e com os garotos – Shaylon, Brenner, Caíque e Lucas Fernandes me parece os mais “prontos” – Dorival terá armas para montar seu time. Há boas opções e um grande problema, a meu ver. Dorival quer jogar no 4-1-4-1 e tenta encaixar Petros no esquema. Eu o considero um bom jogador, de muita personalidade e com qualidades técnicas, mas não o vejo ali, como meia. Para mim, seria melhor que recuasse e atuasse ao lado de Jucilei. E, de trás, com a bola dominada, aportasse qualidade técnica à chegada do time ao ataque. Do jeito que está, há um espaço muito grande entre Jucilei e os meias.

Espaço que o Botafogo aproveitou bem. Chutou bolas na trave e teve outras duas grandes chances. O Botafogo teve sete chutes no gol e mais quatro fora dele. O São Paulo, apenas duas finalizações no alvo (dois gols, 100% de aproveitamento) e outras oito fora do gol.

Outro problema começou a ser solucionado, com a entrada de Reinaldo. Ele deu o passe para o primeiro gol, após uma boa chegada na linha de fundo. Com Edimar, não há ultrapassagem e o time fica ainda mais. Quando se lembra que Militão é um zagueiro improvisado na direita, fica mais gritante a necessidade de uma saída de bola mais aguda pelo outro lado.

Não foi um grande jogo do São Paulo. Aliás, o primeiro tempo foi horrível. Mas, se for considerado como um ponto de partida e sabendo que há muito o que se fazer, é possível ter esperança de dias melhores.

Título? Não acredito. Mas fiquemos com a resposta de Dorival Jr. ao repórter Bruno Grossi. “No momento certo, com calma, se tivermos merecimento e se continuarmos trabalhando bem. Virá para coroar nosso trabalho, que é bom”. Se para Parreira, o gol era um detalhe, para Dorival, o título é um penduricalho ao ótimo trabalho que ele acredita estar fazendo.


São Paulo tem barca de dispensados e pode antecipar férias
Comentários Comente

Menon

A vitória do Corinthians foi saudada no Morumbi. Afastou com aquele 1% de chances que o São Paulo ainda tinha da cair. Muito pouco para se torcer pelo rival? A instabilidade do clube é tão grande que nada é desprezível. Agora, definitivamente na Série A em 2017, é hora de planejar o próximo ano.

Uma ideia é antecipar as férias dos jogadores após o jogo contra o Galo e colocar garotos para a partida de despedida, contra o Santa Cruz. Não é exequível em sua totalidade porque a equipe sub-20 está disputando as finais da Copa do Brasil e do Paulista. Mesmo assim, seria possível escalar um time com Lyanco, Douglas, Matheus Reis, Wellington, João Schmidt, Luiz Araújo, Pedro, David Neres, Robson, Jean Carlos….

O clube caminha também para a definição da barca de jogadores que deixarão o São Paulo. Não haverá uma lista de dispensa e nem muito estardalhaço, mas haverá muita gente saindo. Um roteiro das dispensas é o seguinte:

OS CANSADOS – Michel Bastos, Carlinhos e Wesley são jogadores com muita rejeição diante da torcida. Bastos não soube reagir e está definido que sai. Carlinhos também não fica. O fato de Ricardo Gomes o escalar contra o Grêmio pegou muito mal para o treinador, que nem o levou para a derrota contra a Chape. Wesley, que reagiu bem diante da torcida, ganha muito e tem mercado, o que define a questão. Também sai. São jogadores considerados boa moeda de troca.

OS DESESPERADOS – Ytalo, Jean Carlos e Robson são exemplos de contratações erradas. Vieram em um momento de sufoco e não resolveram nada. Ytalo chegou para a Libertadores e os outros dois para o Brasileiro. Reforços da última janela das competições e que não ajudaram em nada. Ytalo tem contrato terminado no final do ano. Jean e Robson, até o final do Paulista. Se algum clube aparecer e topar pagar o salário, deixam o clube imediatamente.

OS CAROS – Kelvin já foi e será substituído por Wellington Nem. Mena só fica se o clube não gastar nada por ele. A avaliação do chileno é boa, apesar dos cruzamentos na lua. Ele é um dos fatores da força defensiva do São Paulo, que deve ser preservada a todo custo.

OS LATERAIS – Reinaldo está de volta e não vai ficar. Muitos clubes querem o jogador que a torcida odeia. Matheus Reis deve ir para a Ponte, assumindo o lugar de Reinaldo, para ganhar experiência.

A JOIA E O GROSSO – Lucão deve ser envolvido em alguma negociação. O clube aposta em sua recuperação longe do Morumbi e da torcida. Chávez é elogiado pela entrega e luta em campo, mas muito contestado por suas qualidades técnicas. Ficará como reserva

O MILIONÁRIO – Gilberto fica por falta de opção. Tem contrato de dois anos, recebendo R$ 150 mil por mês. Ninguém aceitaria pagar esse valor por um jogador que não correspondeu em nada.

OS FANTASMAS – O goleiro Leo terminará sua aventura no São Paulo. Após cinco anos e apenas 45 minutos em campo, deixará o clube. O meia Daniel, com dois anos no elenco, acumulando muitas contusões e poucas partidas ainda está sendo avaliado.

OSSO DURO – O São Paulo faz de tudo para ficar com João Schmidt, mas o jogador não demonstra vontade de ficar. Ele acredita que foi desprestigiado e que teve poucas oportunidades. É contemporâneo de Rodrigo Caio e acredita que sua carreira poderia ter deslanchado de maneira similar à do companheiro.


Alex Reinaldo é o quinto reforço da Portuguesa
Comentários Comente

Menon

O lateral-direito Alex Reinaldo, de 24 anos, será apresentado na sexta-feira como reforço da Portuguesa. É a quinta contratação, a primeira vinda da Série A do Paulistão. É velocista e fez bom campeonato pelo São Bento, como me informa o companheiro Luiz Ademar, do Blog Futebol Caipira.

Antes dele, chegaram o meia Francisco Alex, que se destacou na campanha do Água Santa, de Diadema, que conseguiu o acesso, e o zagueiro Anderson Luiz, de 33 anos, que ajudou o Boavista a escapar do rebaixamento no Rio. O zagueiro foi indicação do treinador Junior Lopes.

Ele pediu também a chegada do goleiro Felipe. São dois homens de confiança para a montagem de uma nova defesa. Ela será completada pelo lateral-esquerdo Dieyson, que foi revelado pelo Vasco e estava no Icasa.

Outros nomes estão sendo sondados, como o lateral-direito Lucas Neílton, que subiu com o Novorizontino e o meia Danilo Sacramento, comandante da Ferroviária na conquista do título da A-2. Fabinho Capixaba não continuará e Tom será no máximo o terceiro goleiro. Mais um virá.

Os nomes estão dentro da previsão de José Reis, executivo de futebol. Ele sempre disse que buscaria jogadores na Série A-2. Gente jovem, com vontade de vencer e alguns experientes, como Anderson Luiz.

Nas redes sociais, os torcedores reclamam. Não há motivos. A falta de dinheiro impede nomes conhecidos. O jeito é torcer para que os que vieram possam dar conta do recado.


São Paulo vence sem sustos. Ganso foi pego em flagrante amando a bola
Comentários Comente

Menon

O São Paulo não correu riscos contra o XV de Piracicaba. Fez uma partida sem sustos mas também sem brilho. Algumas considerações

1) Pato não marcou, mas jogou bem. Tem velocidade, se desloca bastante, faz Ganso render mais. Muricy deve fazer com que atue mais, passe a ajudar um pouco mais na marcação e se firmar como o parceiro de Luís Fabiano.

2) O XV mostrou uma postura corajosa, marcando a saída de bola do São Paulo. E o time mostrou alguma dificuldade para enfrentar esse tipo de marcação. Os laterais não passavam e as tentativas eram sempre com ligação direta, o que não dava certo.

3) Luís Fabiano fez um gol e sofreu um pênalti. Para alguns, ele sempre precisa fazer mais e mais e mais.

4) Com a entrada de Tiago Mendes em lugar de Pato, Muricy fez uma tentativa com o 4-2-3-1 e também com o estilo losango, com Hudson fixo, Tiago Mendes e Maicon mais livres para atacar. Tenho dúvidas se Tiago Mendes pode ser um bom meia. Me parece um bom volante. De qualquer forma, foi uma boa tentativa porque Pato não pode jogar dois dos seis primeiros jogos da Libertdores.

5) Acho que Boschilia merece mais chances.

6) Ceni fez mais um gol. A cada jogo, a despedida fica mais perto. É um grande jogador se despedindo. O futebol perde.

7) Espetacular o lançamento de Reinaldo.

8) Domínio de bola perfeito de Ganso. Ele tem uma intimidade pornográfica com a bola. É um caso de amor em lugar público.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>