Blog do Menon

Arquivo : ricardo oliveira

Renovação sente falta de um 9 e de um 10
Comentários Comente

Menon

É hora de um novo ciclo na seleção. De um trabalho já visando 2022, com gente jovem chegando para se juntar ao que restou da Copa da Rússia.

Eu trabalharia com Ederson, Alisson, Marquinhos, Casemiro, Coutinho, Neymar, Jesus, Firmino e Douglas Costa.

À essa base, juntaria Dedé, o grande zagueiro do Cruzeiro. Tem 30 anos.

A renovação viria com Militão (São Paulo), Thuller (Flamengo), Felipe (Porto), Guilherme Arana (Sevilla), Maycon (Shakhtar), Paquetá (Flamengo), David Neres (Ajax), Paulinho (Leverkusen), Vinícius Jr (Real Madrid), Richarlison (Wattford). Ainda há Fernando (Shakhtar), Lyanco (Torino), Pedrinho (Corinthians), Jorge (Monaco) e Malcon (Monaco. E Rodrygo. É Thiago Maia.

Dos nomes jovens citados, Arthur é o melhor. Jogador para ser titular nas três próximas Copas. Deveria ter jogado na Rússia. Felipe, Vinícius Jr, Paulinho, Maycon e Militão me parecem prontos para grandes responsabilidades.

Então, está tudo bem?

Longe disso.

Não vejo um atacante com bom cabeceio, com poder de decisão, capaz de ganhar a disputa no ombro, no tranco, com chute cruzado. Alguém capaz de fazer os gols que a Croácia fez na Inglaterra.

Não é por acaso que Ricardo Oliveira e Fred ainda tenham mercado.

Meu amigo Luís Augusto Mônaco, do espetacular http://chuteirafc.cartacapital.com.br/ lamenta a auseausê de um 10 pensador. Um Alex. Se não der, um Ganso ou Lucas Lima mais dinâmicos.

Sem esse tipo de jogador, a construção de jogadas se faz muito pelos lados, com triangulações e aproximação. Vinícius Jr, Neres, Richarlyson, Pedrinho, Malcon, Rodrygo são bons exemplos, mas não se faz um time de uma única maneira.

O trabalho principal de Tite é descobrir um centroavante e um meia pensador para seu time. Pensador e dinâmico. Tem quatro anos para isso.


Cautela excessiva de Aguirre prejudica o São Paulo
Comentários Comente

Menon

Com quatro rodadas, é possível dizer que, dificilmente, o São Paulo passará por sofrimentos como dos últimos anos no Brasileiro. Mas, fica claro também que, se quiser algo mais do que não sofrer, Diego Aguirre precisa ser menos cauteloso do que é. O empate por 2 x 2 com o Galo tem muito a ver com isso.

As duas primeiras substitituições foram terríveis.

Ao final do primeiro tempo, trocou Bruno Alves por Marcos Guilherme. O motivo? Tinha um cartão amarelo em dividida com Fábio Santos, que levou a mesma punição. Recuou Régis para a zaga, abandonando a linha de três. Foi muito ruim. Régis não é um bom marcador e o Galo passou a levar muito perigo por ali. E Fábio Santos ficou pendurado até o final. Precisava ter trocado?

Aos dez minutos, Nenê precisou sair. E Aguirre, que poderia colocar Cueva, Valdivia ou Lucas Fernandes, optou por Liziero. Uma opção novamente cautelosa. Nada de transição pelo meio. O time dependia, para levar a bola à frente, das parcerias Liziero/Reinaldo e Marcos Guilherme/Régis. Muito pouco.

E o Galo passou a atacar ainda mais. Empatou com Roger o Guedes e desempatou com Ricardo Oliveira. Falha de Arboleda, o melhor do time, e de Diego Souza, no primeiro pau. O mesmo Diego Souza que havia atrapalhado a zaga do Galo no primeiro gol do São Paulo, o primeiro de Éverton, outro que jogou bem.

O gol saiu no momento em que Cueva entrava em lugar de Hudson, aos 33 minutos. Poderia ter entrado antes. Deveria ter entrado , antes. E, com três minutos em campo, o peruano deu lindo passe para Diego Souza empatar o jogo.

Daí, até o final, os dois times buscaram o gol que valeria a liderança. Os dois com muita velocidade. Lá e cá. E ninguém marcou. Ninguém pode reclamar do placar, mas o são-paulino pode – e muito – reclamar da falta de ousadia de seu treinador. Assim como no jogo contra o Fluminense, tentou garantir a vantagem mínima.


São Paulo não consegue enfrentar o River Plate. E ainda, Jô, Mina e Profeta
Comentários Comente

Menon

Jô, Hernanes, Mina e Pratto….Atenção, senhoras e senhores, nada indica que serão os únicos ou os últimos. A barca vai continuar levando jogadores brasileiros para Japão, China, Barcelona e…até Buenos Aires. Pouco há o que fazer. Os clubes brasileiros não conseguem se organizar e competir com ninguém.

A exceção é o Palmeiras. A saída de Mina já era um fato. Ele ficaria até o final do semestre, mas o Barcelona bateu o pé, abriu a carteira e lá se vai o zagueiro bailarino. O caso é emblemático. Um clube brasileiro consegue um grande negócio, trazendo um ótimo zagueiro aqui da América do Sul, consegue fazer um bom negócio, mas Barcelona é Barcelona.

O caso mais triste é o de Pratto. Ele escancara toda a fragilidade do São Paulo. Um gigante, com um estádio maravilhoso, com dos centros de treinamento e com um currículo de ótimas vendas, o que é sinônimo de dinheiro em caixa. Um clube assim é tão mal administrado por anos a fio que não consegue competir com o River Plate, da vizinha Argentina. Um River Plate que flertou com a bancarrota há tempos, que foi para a série B e que se recuperou. Leco poderia fazer um estágio lá, com os millonários.

Hernanes estava aqui de passagem, todos sabiam. Infelizmente, para o torcedor do São Paulo, foi uma passagem curta.

Jô estava na pior, veio para o Corinthians, se recuperou e agora vai ganhar mais dinheiro lá no Japão.

Quem mais sofre entre os três grandes é o São Paulo. Principalmente por perder dois jogadores (já estou dando como certa a saída de Pratto), mas também pelo que significavam para o clube e, principalmente, pela mensagem que a saída deles transmite. Qual mensagem? Vamos brigar de novo para não cair. Apesar de um pouco pessimista, o pensamento é válido. O time passou sufoco enorme no ano passado, se recuperou e terminou o ano com uma boa base. Dorival pediu três reforços. Agora, vai precisar de cinco.

Quem sofre menos é o Palmeiras, que já havia se antecipado e contratado Emerson Santos. Se for insuficiente, sempre há possibilidade de um novo aporte, de uma nova ousadia. Quem tem dinheiro, manda buscar.

O Corinthians está acenando com Vagner Love. Deu certo uma vez. Dará novamente?

Enfim, é o velho filme. O ano começa com incertezas e mais incertezas. Uma rápida olhada para o Santos confirma. Perdeu Lucas Lima, Zeca  e Ricardo Oliveira e trouxe Romário. Quem? Romário, o lateral.


Santos, o time que não pode errar, acertou muito com Jair Ventura
Comentários Comente

Menon

Se há um grande paulista que não pode errar, é o Santos. Tem cota de televisão menor, arrecada menos com renda em seu estádio e perdeu dois jogadores muito importantes: Lucas Lima, o arco, e Ricardo Oliveira, a flecha. Sem contar Zeca. É preciso ter mais cuidado do que ousadia. Um erro como o de Leandro Damião (a pior contratação da história do futebol brasileiro) pode trazer sérios problemas.

O primeiro acerto da temporada foi a chegada de Jair Ventura. Ele chega após um ano e meio de ótimo trabalho no Botafogo, apesar da fraquejada no final do Brasileiro, o que ocasionou a perda da vaga na Libertadores. Jair é um sujeito sério, trabalhador, fiel às suas convicções e que sabe trabalhar com elenco médio. É o caso atual do Santos, que pode e deve melhorar.

Com ele, o tal DNA ofensivo e técnico do Santos, será deixado de lado. Ele montará um time forte defensivamente e com saída rápida de contra-ataque. Bruno Henrique e Copete estão aí. É um início, mas Lucas Lima realmente fará falta.

O Santos parece ter dado um passo rumo à realidade brasileira. Não há dinheiro. O mercado de transações está baseado em trocas. Tudo na base do três por um. Logo, logo, alguém vai oferecer um frigobar novinho por um atacante velhinho. É o que tem para hoje. Causou espanto o fato de o Bahia não aceitar Moisés, do Corinthians, como parte do pagamento de Juninho Capixaba. O motivo? Moisés ganha R$ 200 mil por mês. DU ZEN TOS MIL.

É preciso parar com essa roda gigante predatória. Paga-se muito para jogador grosso. A conta explode. E o buraco é tampado com a venda de alguma revelação. Vende-se o futuro para pagar o passado. Tomara que o Santos tenha dado um passo rumo à sanidade financeira e mental. E que outros o sigam.


Mais um dia de vexame do pobre futebol brasileiro
Comentários Comente

Menon

Um passar de olhos pelo UOL mostra motivos de preocupação com o futebol brasileiro, incomparável dentro e fora dos gramados. Para o bem e para o mal. Três notícias vergonhosas.

A eleição do Vasco está sub judice. Uma urna foi impugnada. Na dita cuja, Eurico Miranda tem 90% dos votos, uma porcentagem infinitamente maior do que nas outras.

Conselheiros de oposição do Corinthians fizeram uma reclamação formal à diretoria por conta da presença de Andrés Sanchez em volta do gramado do estádio, sábado, quando o time se preparava para enfrentar o Palmeiras. Segundo eles, a presença de Andrés, que não tem cargo no clube seria benéfica à sua candidatura.

O empresário Luiz Taveira teria dado uma entrevista ao sitio Calciomercato, garantindo que Lucas Lima e Ricardo Oliveira não ficariam no Santos em 2018. Depois de levar uma bronca de Modesto Roma Jr. passou a desmentir a entrevista.

Eurico está certo?

Eurico roubou a eleição?

Andrés teria o direito de ver o treino daquela posição?

Andrés estaria usando a máquina?

Taveira é empresário ou é dirigente?

Modesto Roma Jr. forçou Taveira a desmentir o que havia dito? Ou ele não havia dito?

Não tenho respostas para tantas perguntas.

A única certeza que tenho é que não são perguntas pertinentes à grandeza de Vasco, Corinthians e Santos. São perguntas que demonstram claramente o nível baixíssimo de nossos dirigentes.

São perguntas e situações que não caberiam em uma liga amadora de Engenheiro Mendes, Astrapéia e Orindiúva, as estações ferroviárias que existiam entre Aguaí e Casa Branca.

É uma vergonha por dia.

 


No meio do caminho, havia um Vanderlei, um Veríssimo…o Sobrenatural
Comentários Comente

Menon

O contra-ataque foi lindo, daqueles que merecem ser filmados e passados desde escolinhas de base até cursos de pós graduação de treinadores. Lucas Lima abriu na esquerda, Ricardo Oliveira cruzou rasteiro e Bruno Henrique, a melhor contratação do ano, fez o gol da vitória. Lucas Lima e Ricardo Oliveira, que jogaram mal, muito mal.

A classificação viria, mesmo sem o gol. E viria através de atuação destacada – uma a mais – de Vanderelei, que pegou tudo. Um recado dado a Tite. Ele também merece uma chance na seleção.

Vanderlei pegou tudo?

Quase tudo. Houve uma bola que passou por ele e foi salva por Lucas Veríssimo em cima da linha.

Vanderlei pegou tudo?

Quase tudo. Houve uma de Jonathan, que a trave salvou.

Lucas Veríssimo fez uma partida espetacular. Grande atuação, marcou muito bem.

O Furacão sai eliminado e pode lamentar tudo o que passou na Vila. Atacou muito mais, foi corajoso, fez o Santos jogar arrinconado em eu campo, fechado em sua defesa…

Foi um time corajoso e que fez um jogo excelente.

Mas, em vez de uma pedra no meio do caminho, havia um Vanderlei, havia um Veríssimo, havia uma trave…Tudo obra do Sobrenatural de Almeida, só pode ser.

 


Nilmar pode ser o novo Ricardo Oliveira
Comentários Comente

Menon

Nilmar chega sem pompa e sob desconfiança ao Santos? Por que, se tem uma carreira com bons números? São 188 gols em 492, se  foi uma estrela no Inter, desde o seu aparecimento, marcando 73 gols em três passagens pelo Colorado, se teve bons momentos no Corinthians e se não decepcionou na Seleção?

Porque está tudo no passado. O presente é de contusões e de ostracismo e de jejum de gols nos Emirados Árabes. São 32 partidas e nenhuma alegria. Há a desconfiança, como em tudo na vida, como em todas as profissões. O que conta, nesses casos é o tempo. É a nova idade de Nilmar, a ser comemorada na próxima semana. Três ponto três.

Lembra o caso de Ricardo Oliveira, que chegou no Santos em 2015, também sob desconfiança. Também vinha dos Emirados Árabes e também chegou sem pompa. A diferença? Tinha 35 anos e não 33. E os dois foram submetidos a rigorosos exames médicos.

Nilmar, como Ricardo Oliveira, assinou um contrato muito mais baixo do que o que está acostumado na carreira. Há cláusula de produtividade. Nilmar, como Ricardo Oliveira, pode contribuir muito para o Santos. Desde que as comparações não cheguem ao número de gols. Ricardo é muito mais centroavante e Nilmar muito mais um atacante de lado. Ricardo é um centroavante que sabe sair da área. Nilmar é um segundo atacante, homem de lado e que chega bem na área. Ricardo tem quase 400 gols na carreira, Nilmar está chegando nos 200.

Pode ser um ataque de 600 gols e de 70 anos de idade.

O que prevalecerá?

 


Borja ou Pratto? Pratto ou Borja?
Comentários Comente

Menon

Miguel Angel Borja tem 23 anos e 1,83m.

Lucas David Pratto tem 28 anos e 1,88m.ponto

Borja nasceu em Tierra Alta, na Colômbia, e é destro.

Pratto nasceu em La Plata, na Argentina, e é destro.

Borja recusou jogar na China para construir uma carreira na seleção colombiana.

Pratto recusou jogar na China para construir uma carreira na seleção argentina.

Borja teve uma ascensão meteórica em 2016, quando trocou o Cortuluá pelo Atlético Nacional.

Pratto tem uma carreira mais consolidada, com dois anos no Velez e mais dois no Galo.

Prato, nos dois últimos anos, fez 42 gols em 107 jogos pelo Galo.

Borja, no último ano, fez 36 gols em 47 jogos, pelo Cortuluá e pelo Atlético. Em 2015, fez 10 gols em 49 jogos pelo Santa Fe.

Borja é mais centroavante, tem velocidade e força. É um nove nove.

Pratto é mais técnico, joga como centroavante, mas também um pouco recuado. É um oito e meio.

Pratto chega com a responsabilidade de fazer o combalido São Paulo funcionar.

Borja chega com a responsabilidade de fazer o campeão Palmeiras mais campeão ainda.

Borja tem a sombra de Willian, pequenininha, e de Alecsandro, bem forte.

Pratto tem a sombra de Chávez e de Gilberto. Sombrinhas mixurucas.

Pratto chega para ser líder do time.

Borja chega para ser mais um jogador, no aspecto liderança.

Se Borja jogar o que jogou no ano passado, será um sucesso. É  quase impossível que não jogue.

Se Pratto jogar o que jogou nos últimos quatro anos, será um sucesso. É bem provável que jogue.

Borja e Pratto são contratações ousadas. Contratações que mudam as aspirações de cada time. Contratações que deixam o futebol paulista mais forte.

Borja e Pratto são as duas grandes atrações do futebol brasileiro, quando se fala de área. Paolo Guerrero é outra.

E os brasileiros? Os melhores são Frederico Chaves Guedes e Ricardo Oliveira, veteranos donos de carreiras invejáveis que tanto Pratto como Borja gostariam de construir.

Onde estão os nossos outros centroavantes? Borja e Pratto são um alerta para as nossas categorias de base.

Pratto ou Borja? Borja ou Pratto? Com certeza, não é uma pergunta tão absurda como Messi ou Taison?

A resposta pode ser Borja e Pratto. Prato e Borja.

Obs – Não levei em consideração valores financeiros e tempo de contrato.

 


Santos, campeão perseguido; Botafogo, vice ameaçado. Viva Audax e Vasco
Comentários Comente

Menon

As finais de Rio e São Paulo envolveram dois clubes que estarão na Série A do Brasileiro. O Santos foi campeão paulista e o Botafogo, vice do Rio. Os dois terão problemas para cumprir suas metas a partir do próximo domingo.

O Santos cedeu Lucas Lima, Gabigol e Ricardo Oliveira à seleção. Gabigol pode ficar 18 jogos fora do Brasileiro, por estar em duas listas: Copa América e Olimpíada.

Com tantos desfalques, será difícil  lutar pelo título.

Na decisão, o time teve uma postura muito cuidadosa. Ao contrário de outros grandes, não pressionou o Audax. Ficou na espera, jogou no contra-ataque e foi campeão contra um time menor e que jogou melhor. O Audax repetiu, na final do campeonato, seu compromisso com o futebol bem jogado. Foi vencido por um golaço de um grande lobo das áreas. Desta vez, fora dela. Ricardo Oliveira saiu e iniciou um rápido contra-ataque.

Tomara que um time grande dê oportunidade a Fernando Diniz.

No Rio, o campeão foi o Vasco. Invicto. Sofreu pressão inicial do Botafogo e teve dificuldades para sair da defesa. Depois de 20 minutos, conseguiu dar ritmo mais lento ao jogo.

No segundo tempo, o Botafogo marcou logo no início, de cabeça. Aos 11 minutos, Jeferson falhou e houve o empate, também de cabeça. E até o final, foi pressão do Botafogo e boa postura defensiva do Vasco.

O campeão tem tudo para sobrar na Segundona. Uma vaga é sua.

O vice-campeão precisa olhar para a história do campeão do ano passado. O mesmo Vasco. Ganhou e foi um fiasco no Brasileiro. O Botafogo precisa melhorar. O atacante Salgueiro é bem fraco. E, se é bonito terminar uma decisão estadual com os garotos Luis Henrique, Neilton e Ribamar, no Brasileiro a coisa é diferente.

Alegria pode virar tragédia.


Modesto Roma Jr derrota o Corinthians
Comentários Comente

Menon

Ricardo Oliveira foi apenas o instrumento. Os gols que deram a vitória ao Santos foram mesmo de Modesto Roma Jr, 63 anos, acima do peso e com problemas cardíacos. O presidente que fez a lei ser cumprida. Enfrentou os piratas chineses, não cedeu ao mimimi de Ricardo Oliveira e preferiu ficar com seu belo centroavante do que com um belo punhado de dólares.

E Ricardo Oliveira mostrou que Modesto estava certo. Fez um gol de centroavante, após cruzamento de Serginho. Estava na área e marcou.

E fez uma obra de arte. Caneta em Allan Mineiro, transformou Yago em Boateng e terminou com cavadinha.

Uma vitória que traz luzes ao Santos, que havia sido derrotado pelo Red Bull.

Uma derrota que traz sombras ao Corinthians, que estava invicto. Allan Mineiro, Edílson, Williams… todos juntos em campo, de um lado só, pode ser um grande complicador.