Blog do Menon

Arquivo : roberto dias

Rodrigo Caio é a cara do São Paulo
Comentários Comente

Menon

Rodrigo Caio tem 24 anos e 12 deles (metade da vida) ligado ao São Paulo. Veio de Dracena aos 12 anos para treinos semanais e, quando completou 14 anos, a idade mínima necessária, passou a residir em Cotia. Tem 266 jogos e 12 gols marcados. Além de jogar no São Paulo, torce pelo clube. É a cara do São Paulo.

Isto é bom ou ruim?

Péssimo para ele e para o clube. O fato de Rodrigo Caio ser a referência do clube em um período de falta de títulos mostra que ambos estão falhando. Rodrigo Caio não é um craque. Não é um jogador-referência. Não se pode falar no São Paulo de Rodrigo Caio como já se falou um dia em São Paulo de Raí, de Ceni… A comparação poderia ser com Roberto Dias, o único craque no período 1957-70, até então o maior jejum do clube em termos de campeonato paulista. Só que Roberto Dias, sim, era um grandíssimo jogador. Como zagueiro ou volante, fez 525 jogos e 79 gols pelo clube.

O caso de Rodrigo Caio é comparável com o de Marcelinho Machado, da seleção brasileira de basquete. Perto da aposentadoria, no último ano de carreira, pode-se dizer que é o jogador mais representativo dos últimos 15 ou 20 anos do basquete brasileiro. Que, coincidentemente, passa por seu período mais frágil, com pouquíssimas conquistas.

A culpa é de Marcelinho? Não, é do basquete, que não produziu ninguém melhor do que ele, a não ser os da NBA.

A culpa é de Rodrigo Caio? Não. Ele seria um coadjuvante espetacular em um bom time. Mas não lhe deram um bom time e ele não tem bola para mudar o status do time. Círculo vicioso.


Kaká é top 20. Do São Paulo.
Comentários Comente

Menon

Kaká é uma das maiores joias criadas no São Paulo. Formado na base, estreou ganhando um título que o clube não tinha (Torneio Rio-São Paulo), saiu logo por não suportar o comportamento imbecil da torcia que o culpava, juntamente com Luís Fabiano, pela falta de títulos Foi para o Milan, ganhou a Liga dos Campeões, foi eleito o melhor do mundo e jogou pela seleção, com dignidade.

E qual é seu lugar na história do clube?

Eu fiz duas listas. A primeira, baseada no que os jogadores fizeram no futebol.

A segunda, no que fizeram no São Paulo.

A primeira:

Friedenreich, o primeiro “maior jogador do Brasil”, nos anos 30

Leônidas, o maior jogador do Brasil nos anos 40, artilheiro da Copa de 38

Sastre, o grande craque argentino dos anos 40

Bauer, o Monstro do Maracanã, também revelado pelo São Paulo e integrante da seleção de 50

Zizinho, o maior jogador brasileiro dos anos 50, o ídolo de Pelé.

Didi, eleito o melhor jogador da Copa de 58.

Mauro Ramos de Oliveira, um dos mais técnicos zagueiros da história do futebol brasileiro, campeão do mundo em 1958.

Canhoteiro, chamado de “Garrincha canhoto” nos anos 50.

Dino Sani, volante com 110 gols marcados pelo clube. Jogou no Boca, na Itália e na seleção de 1958

Roberto Dias, zagueiro e volante, carregou o São Paulo nas costas no período de construção do Morumbi.

Pedro Rocha, o único uruguaio a disputar quatro Copas do Mundo.

Gérson, integrante da seleção brasileira de 1970.

Careca, integrante das seleções de 1986 e 1990.

Falcão, integrante da Copa de 82, o Rei Roma.

Toninho Cerezo, outro do quarteto mágico de 1982, com Falcão, Sócrates e Zico.

Raí, campeão mundial pelo São Paulo e pela seleção brasileira.

Muller, campeão mundial pelo São Paulo e pela seleção brasileira.

Rivaldo, ídolo no Palmeiras e no Barça, eleito o melhor do mundo em 1999.

Rogério Ceni, o maior goleiro artilheiro da história.

Kaká.

Esta é minha lista de 20, não está por ordem de preferência. Tentei manter uma linha do tempo. Não me fixei em muitos jogadores das décadas de 40 e 50, como Teixeirinha, Yeso Amalfi, Maurinho (jogou a copa de 54), Barrios, Renganeschi, Remo, Friaça. São lendas, grandes jogadores, mas não vi. Desse período, preferi ficar com os inquestionáveis.

E a lista dos jogadores, baseado no que fizeram pelo São Paulo?

Eu mantenho Friedenreich, Leônidas, Sastre, Bauer, Zizinho, Mauro Ramos, Roberto Dias, Dino, Canhoteiro, Pedro Rocha, Gérson, Careca, Cerezo, Raí, Muller e Rogério Ceni.

Tirei Didi, Falcão e Rivaldo.

E coloco Dario Pereyra, Lugano e estou em dúvida entre Leonardo, Toninho Guerreiro, Oscar e Serginho Chulapa.

Em uma ou outra, Kaká tem lugar, com as ressalvas que fiz sobre os anos 40. Pode estar entre os 20, 30 ou até 10, conforme o gosto de cada um e do que viu de futebol.

Um posto excelente, quando se lembra que estamos falando do São Paulo.

Um grande jogador, que deixará saudades.

 

 

 

 

 

 


Diego Alfredo Lugano Moreno é História
Comentários Comente

Menon

O primeiro a se dizer sobre a despedida de Lugano é que ele fez uma boa partida, bem ao seu estilo: discreto, praticando jogo de contato, usando os atalhos para evitar que a pouca velocidade trouxesse problemas, pressionando o juiz…. E por que foi uma boa partida? Porque Lugano, que não jogava há muito tempo, todo um turno, estava em forma física. Esteve treinando como nunca. E como sempre. Não vestiu pijamas. Estava pronto para jogar, contra o Bahia e em todos os jogos anteriores.

A despedida mostrou que ele deveria e poderia ter atuado muito mais vezes do que foi utilizado. Quantas vezes? Todas aquelas em que Lucão estava em campo. Ou Douglas. E também Bruno Alves. No mínimo. Desde que voltou, no ano passado, Lugano fez 37 partidas. Algumas muito boas (River no Monumental, Flamengo no Morumbi, Palmeiras no Morumbi) e nenhuma mal. Para se lembrar de um erro dele é precisa pensar muito. E ainda fez dois gols.

Mas, acabou. É passado. Diego Lugano não joga mais.

Entrou na História do clube. Assim, com Maiúscula.

Imaginem um concurso com notas sobre impulsão, toque de bola, passe, vigor nas divididas, cobertura entre Lugano e Mauro Ramos . de Oliveira, Oscar, Bellini, Miranda, Roberto Dias. O uruguaio talvez fosse o último colocado. Então, por que ele é o mais querido zagueiro de todos os tempos, por que ele é um dos mais amados jogadores de todos os tempos?

Estou falando do São Paulo, é lógico.

Porque ele é são-paulino.

Todo torcedor do São Paulo se sente representado ao vê-lo com a camisa das três cores. Todo torcedor são-paulino sabe que, se estivesse em campo, não conseguiria ter mais respeito e amor ao clube do que Diego Lugano. Poderia até jogar mais do que ele, mas não jogaria com mais amor.

E futebol é muito mais do que a soma das qualidades específicas exigidas para cada função.

Fosse assim, não seria futebol. Seria concurso público.

Diego é uma incógnita. Seus detratores o chamam de paneleiro e quem jogou com ele, como Calleri, Eguren “(Nunca tive um capitao como Lugano, primeiro ele cuida da gente e depois cuida dele”), Cavani, Alex diz, sem titubear, que ele é o Capitão. Alguém que sabe respeitar e se fazer respeitar. Dos mais velhos aos mais jovens. Brenner, de 17 anos, fez seu primeiro gol na despedida de Lugano. Ganhou a camisa, ganhou um beijo. E sempre se lembrará dele.

Outros dizem que é carniceiro. E não se conformam quando ele termina mais uma partida sem ser expulso. Poucas vezes, foi para o chuveiro antes de o jogo terminar.

Comparem Lugano com Felipe Mello.

Quem joga mais?

Quem se preocupa com o clube?

Quem trata bem os mais jovens?

Quem vai para a reserva e respeita a decisão:

Quem derruba técnico?

Felipe Mello é a resposta correta para as opções A e F.

Lugano é o capitão celeste mais carismático depois de Obdúlio. Lugano mudou a cara do futebol uruguaio, lutando contra Paco Casals para que a Celeste recebesse muito mais dinheiro. E para que os jogadores sem nenhuma expressão, da segundona uruguaia e também dos times pequenos, recebessem um mínimo de dignidade.

Como jogador, foi muito além do que poderia ir. Muito além do que estava determinado a ir. Superou suas falências e, assim, as desconfianças de todos com quem trabalhou.

Foi assim, com suor, com superação, dignidade e caráter, que deixou o futebol para entrar na História.

Leia agora porque LUGANO, HONRA E DIGNIDADE ESTÃO SEMPRE JUNTOS


Clube grande cai, sim. Está caindo
Comentários Comente

Menon

Time grande não cai.

Os são-paulinos (tomo a parte pelo todo, uma grande parte, diga-se) gritaram exaustivamente a frase, em 2013 e 2015. Havia uma outra frase, de mesmo sentido. Time grande cai, mas time gigante não cai.

São frases divertidas, uma gozação bem feita contra os rivais Palmeiras e Corinthians. Mas são também frases a mostrar o último suspiro da tal soberania, varrida dos campos há uma década, com aquele coito interrompido que foi a vitória contra o Tigre, na sul-americana de 2012.

Gritar que não cai é o que restou a quem gritava é campeão com a mesma assiduidade que um ano substitui outro. Ou, lembrando um pouco mais longe, como um semestre substitui outro.

Não ganhamos, mas não caímos. Somos grandes e os outros são pequenos. Somos gigantes e os outros, vá lá…são apenas grandes. Somos soberanos e tudo é uma questão de tempo, pois daqui não cairemos.

Está caindo o São Paulo. Os avisos foram gritados, os sinais foram escancarados, mas a gerontocracia de ideias que dirige o clube há décadas, não viu e não ouviu. Preferiu a briga intestina (nos dois sentidos) à busca de uma solução, que poderia passar pela unidade. Talvez não ajudasse, porque as ideias do outro lado…ah, quais são, mesmo?

Quem gritava que time grande não cai, sabia que estava dizendo uma sandice. Palmeiras, Corinthians, Inter e tantos outros grandes representantes do futebol brasileiro caíram.

E, se clube grande não cai, time médio cai. Deitado em devaneios soberanísticos, a diretoria do São Paulo esqueceu que não há justiça no futebol. Um elenco melhor do que alguns outros, pode cair, sim. Não é o investimento que decide, não é uma análise crítica dos jogadores contratados. É o campo que resolve.

O São Paulo tem aproveitamento de 77,8% quando falamos de seu enfrentamento com Vitória, Avaí e Atlético-GO, seus companheiros de infortúnio. Não é suficiente. Precisa vencer os outros também. E, sempre é bom lembrar, o tal aproveitamento gigantesco foi construído no Morumbi.

A diretoria do São Paulo não pode se apegar a um clichê moribundo: “o São Paulo não merece estar nesse lugar”; Por que não? Pelo passado glorioso? Já vimos que não conta, que outros gigantes de foram.

Pelo futebol apresentado? Também não, apesar de não ter sofrido nenhuma goleada, nenhum vexame. Tivesse ocorrido, talvez o tal aviso tivesse sido ouvido.

Pelo elenco que o time tem?

Vamos conversar sobre isso. O elenco tem problemas graves. Não vou comparar com outros, não vou fazer uma análise posição por posição, mas o elenco do São Paulo tem carências enormes. E elas permitem que outros clubes, talvez mais fracos o ultrapassem.

Bruno e Buffarini, por exemplo. Um, é pior na defesa. Outro, é pior no ataque. Os dois são ruins no conjunto. As entidades Brunarini ou Buffaruno são assustadoras. O que defende melhor, levou dois dribles humilhantes na Vila. O que ataca melhor, não acerta cruzamentos.

Júnior Tavares. Esqueça a louvação a Cotia. Nem de lá, ele veio. Junior veio do Grêmio com a fama de indisciplinado, bom no ataque e ruim na defesa. A primeira, com dedicação aos treinamentos, ele afugentou. Nada de indisciplina. A segunda, confirmou-se em parte. Ele é um desafogo na esquerda. E é um tormento na defesa. Em um time equilibrado, ele teria sua função e poderia render muito. Em um time cheio de problemas, só os erros aparecem e de forma exponencial. Foi um erro deixar tudo nas costas de um garoto. Participou de praticamente todas as partidas do ano. E seu reserva, Edimar, só o departamento de análise e desempenho garante. É um jogador a ser burilado e não uma solução.

Rodrigo Caio é um bom zagueiro, apesar do pouco físico. Não é bom como outros que fizeram sucesso há dez anos. Miranda, Lugano, Fabão, André Dias, Rodrigo e Breno foram melhores. Fabão, sim. Pense um pouco e veja quem errou mais. Novamente, é a questão do momento. Se Rodrigo Caio estivesse lá, naquele tempo….Não está.

Pela fama que tem, Rodrigo Caio deveria ser a individualidade capaz de carregar o time nas costas. Como Roberto Dias fez há 50 anos. O mesmo vale para Pratto. Um grande jogador em um time fraco e desequilibrado, não deveria ser a salvação? Não tem sido. Cueva é o mesmo caso, apesar de haver melhorado um pouco.

Não é o caso de Jucilei, que tem rendido muito bem, mas que, pela posição em que joga não está ali para resolver. Como parece ser, não nos precipitemos, o caso de Arboleda.

Jogadores que deveriam decidir e não decidem. Jogadores fracos. Jogadores com uma responsabilidade técnica acima de suas forças. E o que mais?

Uma incógnita como Gómez, que foi bem na Colômbia, mas que fez dois jogos sem nenhum protagonismo.

Jogadores médios, que poderiam render em times bem organizados, como é o caso de Marcinho. E de Petros, que fala muito bem, que tem personalidade, mas que joga menos que Thiago Gomes. E Wellington Nem, que perdeu a velocidade em algum lugar do passado.

Jogadores jovens, como Lucas Fernandes, Brenner e Shaylon, a quem não pode ser dada a missão de salvamento. A eles, deveria ter sido dadas oportunidades de jogar. Mas, preferiram, por exemplo, Denílson.

E é um time assustado. Quando faz um gol, não resiste ao assédio, como qualquer adolescente esperando o primeiro beijo. Quando sofre um gol, se desmancha, como picolé ao sol.

É um time caindo. Está cumprindo os avisos que estão sendo dados há muito tempo. E que os ouvidos soberanos apenas ouviram. Mandaram a mensagem para o cérebro soberano. E que o cérebro soberano respondeu através da boca soberana. “Time grande não cai”. Cai, sim.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>