Blog do Menon

Arquivo : pottker

Título do Corinthians não foi acaso
Comentários Comente

Menon

Vou contar uma coisa para vocês. Já aviso que parece fantasiosa, coisa de curupira ou boitatá. Até fiquei em dúvida em dizer o que vou dizer. Pensei em buscar provas. Mas, com o risco de passar por mentiroso, de ter minha credibilidade em dúvida, mas vou dizer: houve um tempo em que os torcedores de futebol reconheciam o valor dos rivais. O campeão era respeitado. Havia mais amizade e o ódio não escorria nas redes sociais. Bem, não havia redes sociais. Talvez seja por isso: cara a cara, olho no olho, é mais difícil ofender, colocar na tela os seus mais baixos instintos, como disse o probo Jefferson. Talvez a civilidade fosse apenas fake news.

Tomara que não. Sempre é bom acreditar na viabilidade da espécie humana. Mesmo que seja no passado.

É difícil ver méritos no título corintiano? É difícil o corintiano aceitar uma crítica sem vir com a história do fax? Ou do anti? Tenho um amigo que fala em anti, mas que comprou uma camisa do River para torcer contra o São Paulo, no Morumbi. Decorou músicas em casa, chegou cedo, se misturou com a torcida, arranhou o portunhol, gritou umas bobagens e foi para casa com dois cocos na cuca.

Quem desconhece méritos corintianos, quem se aferra a erros de arbitragem, quem fecha os olhos, está cometendo um grande erro, como eu disse AQUI. Está condenado a cometer o mesmo erro da arrogância e a sofrer na fila.

Em conversa matinal com meu amigo, o engenheiro Pinduca, o sucessor de Elisa, falamos sobre o assunto.

A contratação de Clayson foi um grande acerto. Ele jogou muito bem na Ponte.

Gabriel, que eu considero uma mala e um jogador desrespeitoso com os rivais, foi outro acerto. O Palmeiras o liberou para gastar os tubos com Felipe Melo. Os dois são marqueteiros, mas Gabriel não tentou derrubar o treinador e, apesar da maldade que coloca em muitas jogadas, subiu na fase final do Brasileiro.

Jô não foi um acaso. Foi uma aposta em quem estava mal, mas que tinha muita identidade com a torcida. Aposta ou não, rendeu muito mais que Borja ou Lucas Pratto.

Pablo? Foi um grande acerto. Chegou, formou ótima dupla com Balbuena e o Corinthians tenta mantê-lo no elenco. Com que dinheiro? O dinheiro da venda de Arana. E aí está outro grande acerto. O Corinthians conseguiu manter Arana, mesmo com grande assédio e mesmo não tenho uma situação financeira estável. Comparem com o São Paulo.

Carille foi um grande acerto, o maior de todos, mesmo não tendo sido a primeira opção. Quando Rueda não pôde vir, manteve-se Carille. Certíssimo.

Erro?

Kazim, o marqueteiro perna de pau. Não joga nada e todo mundo sabia disso.

Então, é assim. É  muito mais fácil falar de Kazim, Drogba, Pottker e juiz do que de todos os acertos.

Muito mais fácil. E muito mais errado.


Arbitragem do Coronel Marinho erra até quando acerta
Comentários Comente

Menon

A arbitragem comandada pelo Coronel Marinho erra até quando acerta. Foi o que se viu no jogo entre Inter x Luverdense. Já nos acréscimos, o Inter atacou e a bola foi lançada em diagonal. Pottker estava impedido e foi na bola. Não tocou nela. Quem dominou foi Joanderson, que não estava impedido. Ele deixou Pottker na cara do gol. E o gol saiu. Contou com a apatia do goleiro e dos zagueiros, que ficaram olhando a confecção da jogada, desde que a bola chegou até Joanderson.

E por que a defesa ficou parada? Porque foi induzida pelo erro do auxiliar, que levantou a bandeira. Que colocou a mão na cabeça. E que entrou no campo.

Foi prejudicado sim, o Luverdense, apesar do cinismo de Danilo Fernandes dizendo que a defesa “parou porque quis”. Outras pessoas defendem a tese acertada de que a bola só para quando o juiz apita. Correto, mas é evidente que a atitude do bandeira definiu o lance. E o jogo.

O juiz deveria levar isso em consideração e anular o gol? Evidentemente, não. Prejudicaria o Internacional, que nada fez de errado.

O errado é a tragicômica arbitragem brasileira, comandada pelo coronel que nunca apitou nada. Talvez, não sei como funciona, a ordem unida da PM, que ele comandava.


Ponte humilha o porquinho atrapalhado
Comentários Comente

Menon

Primeiramente….

A Ponte é um bom time. Fernando Bob joga muito. Pottker é um artilheiro respeitável. Clayson é bom jogador. Lucca tenta reconstruir a carreira, que sofreu um abalo. Aranha é veterano com carreira concreta. E os outros, como Hiago e Marlon, não destoam.

Todos os elogios à Ponte, que jogou com intensidade e velocidade.

Bem, espero com os dois primeiros parágrafos não cair no erro de analisar uma vitória pela ótica do derrotado.

Tudo, bem?

Agora, vamos falar do Palmeiras. E, me desculpem os colegas que adoram táticas e subtáticas (são muito importantes e ajudam a explicar o futebol), mas não foi o que levou o Palmeiras a um vexame deste tamanho.

Um time de futebol, seja pobre ou rico, seja esforçado ou extremamente técnico, não pode entrar em campo com aquela moleza toda, com aquele descomprometimento todo. A Ponte deu ao jogo a importância que o jogo tem. O Palmeiras, não. Talvez não dê tanto valor ao campeonato. Afinal, seus jogadores são instruídos a falar sempre no Mundial, mesmo antes o início da Libertadores.

A Ponte deu a saída e fez o primeiro gol aos 37 segundos. E antes do gol, o Palmeiras perdeu a bola duas vezes. Não pode, né? Com sete minutos, o time estava mal postado e levou o segundo, em belo contra-ataque. E o terceiro veio com uma queda inesperada do Zé Roberto, talvez traído pelo campo molhado. Talvez.

Mas, digamos que o Palmeiras tenha sido surpreendido pela velocidade e vontade da Ponte. Terrível, mas pode acontecer. O inaceitável é manter a postura apática no segundo tempo, já com três contra? Ora, se não dá para ganhar, vamos fazer de tudo para marcar uma vez. Uma vez e as chances para o segundo jogo aumentam.

Nada disso. O Palmeiras continuou sem vontade. Tinha mais posse de bola, mas nada daquele sufoco que um time grande aplica quando está atrás. Nada de subir as linhas, nada de pressão, nada de chuveirinho. Chuveirinho demonstra desespero? OK, mas ficar tocando de lado demonstra o quê?

O Palmeiras dava a impressão de querer 3 a 0, com a certeza absoluta de que pode reverter o resultado. Inaceitável. E ainda foi ajudado com a não marcação do pênalti de Prass em Pottker.

Como na antiga fábula, a Ponte apontou o dedo e mostrou a verdade inconveniente. O rei está nu. E aí, basta lembrar as dificílimas vitórias na Libertadores, conquistadas na bacia das almas. Pelo menos ali, o porco foi de briga, foi um javali. Em Campinas, foi Babe, o Porquinho Atrapalhado.

 


Jogador finge mais que o poeta de Fernando Pessoa. Ponte elimina o Peixe
Comentários Comente

Menon

Caricatura de QI

Um dos poemas mais conhecidos do português Fernando Pessoa me faz lembrar imediatamente dos jogadores de futebol do Brasil. Aqui está ele:

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

É impressionante o que fazem. Uma vergonha. Rivaldo, na Copa de 2002, levando as mãos ao rosto ao receber uma bolada no peito. A pantomina é sempre igual. Mãos no rosto. Seja qual for a parte do corpo tocada, a mão vai ao rosto. Pottker deu um murro no ombro de Bruno Henrique, por trás. O santista coloca a mão no rosto e cai. E rola. Uma patacoada sem tamanho. A coisa se propagou qual vírus. Hoje, tem juiz fingindo agressão e caindo ao chão. Tem gandula desmanchando e indo ao chão, qual uma jaca.

Não tem virgem no bordel. Todos fazem parte da desmoralização. Quando vão á Europa, por seu drible, por sua cabeçada, por seu chute forte, por seu lançamento preciso, entregam também sua veia artística. Sua falta de respeito. São piscineiros natos. Acrobatas. Está na hora de haver uma ação contra este tipo de atitude que depõe contra o futebol brasileiro. É muito mais grave que comemorar tirando a camisa ou ironizando um rival.

Mas, falemos de futebol. A Ponte está na semifinal do Paulista. Deu um show nos pênaltis, com cobranças perfeitas e fez cinco contra quatro. O Santos foi bem melhor durante o jogo, mas não fez o segundo gol. E o pior de todos foi o árbitro. Um verdadeiro fingidor. Fingiu que tem capacidade para apitar um jogo assim, tão importante. Fingiu e ninguém acreditou.

 


Timão teve Casão. E agora, se contenta com Kazim…. (Picadinho)
Comentários Comente

Menon

Não me matem, eu sou apenas o mensageiro de más notícias. Não sou causa e nem efeito. Nem a frase do post é coisa minha. Ela e de casagrandeNelson Nunes, um dos grandes jornalistas com quem tive o prazer de trabalhar. Texto ótimo, visão acurada e com a capacidade de fazer uma pauta espetacular. Com ele, o repórter sempre era bem guiado. E o coração corintiano de Nelsinho Nunes sofre. Mas onde achar razão dentro de tanta emoção?

São épocas diferentes e é dura a comparação para todos os atacantes que foram ou forem contratados. Casagrande foi um dos grandes, com 103 gols marcados. Centroavante. Meia. Inteligente, questionador, muita raça em campo. Mas a questão é outra. Quem esperava tudo isso de Casagrande, após uma passagem por empréstimo à Caldense?

O Casagrande ídolo foi o Casagrande da base, um garoto como tantos outros que fizeram a história do Corinthians. Como Léo Jabá, por exemplo. Léo Jabá pode ser um novo Casagrande? Não sei. Kazim pode ser um novo Casagrande? Tenho certeza que não.

A situação política do Corinthians é terrível. O presidente Roberto Andrade, de mandato fraquíssimo pode sofrer um impeachment injusto. A situação econômica é péssima. Há problemas com o estádio e há problemas de caixa e uma coisa tem muito a ver com a outra. E, para complicar, o Palmeiras nada de braçada, com patrocínio forte e ainda aproveitando-se do empréstimo de pai para filho, de marido para amante, de Paulo Nobre, o Golden boy.

É hora de olhar para a base, como o São Paulo está fazendo. A solução pode vir daí. Ela não virá de Paulo Roberto, o volante reserva do Sport, já com 29 anos. Não virá com Jadson, dono de altos salários. Gabriel pode ajudar, mas há uma névoa de incertezas sobre suas condições físicas. Pablo? Pottker?

Está complicado. É hora de ter calma, de levar o barco devagar, pois o nevoeiro é perigoso. É hora de olhar para a história. Não a recente, que resultou na troca de Marciel por Willians, o do short verde (que bobagem a cor de roupa usada por um trabalhador), mas a de Rivellino, Edu Gaspar, Casagrande e que cada um complete sua lista de dez grandes revelações da base, ex-terrão.

picadinhomenon

O PRÍNCIPE BARRADO – Houve um tempo em que o Brasil ansiava por um novo Pelé. Zagallo pensou que fosse Ticão, neguinho de Bauru (muita coincidência) e o convocou para a seleção. Houve outros. O principal foi Ivair Ferreira, chamado de O Príncipe. Também ivairnascido em Bauru e que fez sua carreira na Portuguesa, onde jogou dos 12 aos 24 anos, antes de se transferir para o Corinthians. Em 1964, estava na decisão do Paulistão, quando a Lusa foi derrotada pelo Santos por 3 a 2. A Lusa tinha Orlando; Jair Marinho, Ditão, Wilson Silva e Edilson; Pampolini e Nair; Almir, Henrique Frade, Dida e Ivair. O Santos tinha Gilmar; Ismael, Modesto, Haroldo e Lima; Zito e Mengálvio; Toninho Guerreiro, Coutinho, Pelé e Pepe. O Rei venceu o Príncipe.

Ivair esteve também na lista de 47 jogadores pré selecionados por Vicente Feola para a Copa de 1966. Foi cortado, juntamente com Rinaldo, do Palmeiras. Edu, do Santos, e Paraná, do São Paulo, ficaram com as vagas.

Esta semana, o Príncipe Ivair foi barrado na Portuguesa. Um segurança o impediu de entrar no clube. Há culpados na história? Todo ex-jogador pode entrar no clube? São muitos pontos a se considerar, mas a tristeza é grande. O segurança (provavelmente não conhece nada da história da Lusa) também não conhece Ivair.

E eu apenas consigo me lembrar de Aldir Blanc, o gênio. “É o tempo, Maria, te comendo feito traça em um vestido de noivado”.

Felipe Mello – Achei uma ótima contratação do Palmeiras. O ano tem calendário diferente dos outros, as competições correrão simultaneamente e não há mais aquela possibilidade de vencer a Libertadores e fazer gazeta no Brasileiro. É preciso rodar. É preciso elenco. Felipe entra em um setor que foi muito bem, com Tche Tche e Moisés. Tem estilo diferente, é mais marcador, apesar de ter um bom passe. Mesmo quem não pensa nele como titular, há de reconhecer que é opção mais forte do que Thiago Santos. Quanto às expulsões, elas virão. Aqui, se expulsa até quem pensa em palavrão. Mas não esqueçamos que Gabriel Jesus foi expulso – e merecidamente – em um jogo importante.

Modesto Roma Jr – O presidente do Santos fala em Robinho e traz Kayke. A promessa tão megalomaníaca como vazia serve apenas para criar uma aura de desilusão sobra o novo contratado. Começa no clube como aquele que veio porque Robinho não pôde vir.

Calleri – Se o argentino voltar, o São Paulo terá dado um enorme salto de qualidade na montagem de um bom time. Mas é bom a torcida se acostumar com Colmán, o paraguaio.

Cabe mais um? A Fifa definiu que a Copa do Mundo terá 48 países. Nem o esfacelamento de muitas Iugoslávias e outros tantos de Uniões Soviéticas justifica. Eu só entendo o inchaço em uma situação específica: as Eliminatórias classificam 16 seleções para a segunda fase. A primeira fase reúne 32 times em um mata-mata, já no país sede. Os 16 classificados se unem aos 16 primeiros e segue o baile, como é agora. Apenas um jogo para definir as chaves. Pensando em termos de América do Sul, nas última copas, a quinta vaga foi jogada pelo Uruguai contra a Jordânia (Copa-14), Costa Rica (Copa-10), Austrália (Copa-06) e Austrália (Copa-02). Estes jogos seriam realizados já na sede, como um grande aperitivo. Ganhou, fica na Copa. Perdeu, foi eliminado e volta para casa.

 

 

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>