Blog do Menon

Arquivo : kazim

Corinthians, com cara de Tite, começa bem o ano
Comentários Comente

menon

O Corinthians – com um time em cada tempo – venceu o Vasco por 4 a 1 e está na final da Florida Cup, no sábado, contra o vencedor de River Plate x São Paulo.

É o Corinthians de Carille, mas com jeitão de Tite. Um time bem compactado, com duas linhas defensivas bem treinadas e com triangulações pelo lado do campo.

Os gols do primeiro tempo foram muito bonitos e parecidos. No primeiro, uma tabela entre Camacho e Rodriguinho, pelo meio do campo. Camacho subiu e Rodriguinho ajeitou.

No segundo tempo, a tabela foi novamente pelo meio, mas com jogadores que atuam pelo lado do campo. Marlone recuou, avançou pelo meio e tocou para Romero, que estava no meio.

Nos dois gols, Jô fez um bom papel, saindo da área. Ele, no começo do jogo, acertou bons chutes. A defesa corintiana, bem postada, foi vencida apenas em um lance de bela técnica de Eder Luis. De fora da área, iludiu a compactação.

No segundo tempo, os gols vieram pelos lados do campo, algo que pouco se viu no primeiro. Havia triangulações, mas não profundidade. Ela apareceu na boa jogada de Marquinhos Gabriel, que deu lindo passe para Kazim. Logo depois, Kazim retribuiu. O Vasco estava todo desorganizado e aceitou o contra-ataque.

É lógico que é o primeiro jogo do ano. É lógico que falta muito. Mas o Corinthians estava bem organizado. Bem treinado. A torcida pode comemorar, enquanto espera reforços mais significativos. Mas foi um bom começo de ano.

picadinhomenon

VIVA A VILA – A Vila Belmiro, pequenina Vila, é um dos estádios mais emblemáticos do mundo. É o estádio onde Pelé construiu a história do maior jogador da história do futebol mundial. E a Vila, gigantesca Vila, estádio de Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, ganhou um livro à sua altura. Escrito por Almir Rizzatto e Ted Sartori, é uma grande pedida. Abaixo, um texto do Ted sobre sua bela obra.

vilabelmiro“A edição do livro Histórias da Vila Belmiro – 100 anos de magia do estádio santista foi uma epopeia tão grande quanto a que o próprio local viveu neste centenário. A diferença é que em bem menos tempo.

A ideia veio em 2014. Em uma conversa informal com Almir Rizzatto, também jornalista e colega de curso, além de proprietário da RZT Comunicação, comentávamos de fazer algo sobre o Santos. O centenário do clube, porém, tinha passado há dois anos. Aí lembrei que a Vila Belmiro faria 100 anos em 2016. Foi o mote para começarmos.

A intenção inicial era reunir exatas 100 histórias em função do número do aniversário. No entanto, passamos disto nas 240 páginas da obra, lançada neste mês pela Editora Realejo – licenciada pelo Santos, com prefácio de Pepe, o Canhão da Vila, e posfácio de Milton Neves, após intensa campanha de crowdfunding (financiamento coletivo).

A meta a ser atingida era R$ 25 mil. Em 60 dias, conseguimos perto de R$ 15 mil. Mais 28 dias foram necessários – dos 30 previstos – para alcançarmos o valor. Por muitas vezes achei que não ia dar. E deu. Foram 1500 exemplares impressos e 770 vendidos só na campanha, o que equivale a mais da metade. Fora os comercializados depois.

O que nos chamou a atenção foi a forma carinhosa e emotiva com a qual todos tratam da Vila Belmiro, sejam jogadores, ex-atletas, dirigentes ou jornalistas. Parece até um ser vivo, um ente da família. E não deixa de ser, levando em conta que sua mística é carregada pela presença da torcida e pelo poder que dá ao time, somado ao nível técnico e ofensivo. Alçapão, por sinal, é apelido carregado desde 1930, justamente por essa fama.

Mas nem tudo é vitória. Há também derrota, como o jogo Santos 2 x 3 Novorizontino, pela fase final do Paulistão de 1993 (e que causou a eliminação do Alvinegro), que não acabou. Houve invasão de campo e o árbitro João Paulo Araújo se esquivava das agressões dos torcedores, que vinham em fila para agredi-lo. Quando foi levado pela Polícia para o vestiário, foi colocado de cara a cara com um torcedor que o tinha agredido e também a um policial. A Polícia, então, autorizou que o torcedor fosse agredido pelo árbitro, que não teve dúvidas e revidou, conforme contado por ele a mim em entrevista. João Paulo Araújo saiu do estádio após 1h30.

Há também curiosidade, como a levantada pelo Almir em entrevista com o ex-presidente Marcelo Teixeira. Em sua primeira gestão à frente do Santos, em 1992-93, surgiu uma ideia de que o entorno da Vila Belmiro, do lado de fora, fosse coberto por trepadeiras. A má fase da equipe na época tornava o local suscetível a pichações e não teria como fazer isso com a presença da planta. Porém, alguém lembrou que tudo ficaria verde e a cor remetia ao Palmeiras. A inciativa foi abortada de imediato.”


Timão teve Casão. E agora, se contenta com Kazim…. (Picadinho)
Comentários Comente

menon

Não me matem, eu sou apenas o mensageiro de más notícias. Não sou causa e nem efeito. Nem a frase do post é coisa minha. Ela e de casagrandeNelson Nunes, um dos grandes jornalistas com quem tive o prazer de trabalhar. Texto ótimo, visão acurada e com a capacidade de fazer uma pauta espetacular. Com ele, o repórter sempre era bem guiado. E o coração corintiano de Nelsinho Nunes sofre. Mas onde achar razão dentro de tanta emoção?

São épocas diferentes e é dura a comparação para todos os atacantes que foram ou forem contratados. Casagrande foi um dos grandes, com 103 gols marcados. Centroavante. Meia. Inteligente, questionador, muita raça em campo. Mas a questão é outra. Quem esperava tudo isso de Casagrande, após uma passagem por empréstimo à Caldense?

O Casagrande ídolo foi o Casagrande da base, um garoto como tantos outros que fizeram a história do Corinthians. Como Léo Jabá, por exemplo. Léo Jabá pode ser um novo Casagrande? Não sei. Kazim pode ser um novo Casagrande? Tenho certeza que não.

A situação política do Corinthians é terrível. O presidente Roberto Andrade, de mandato fraquíssimo pode sofrer um impeachment injusto. A situação econômica é péssima. Há problemas com o estádio e há problemas de caixa e uma coisa tem muito a ver com a outra. E, para complicar, o Palmeiras nada de braçada, com patrocínio forte e ainda aproveitando-se do empréstimo de pai para filho, de marido para amante, de Paulo Nobre, o Golden boy.

É hora de olhar para a base, como o São Paulo está fazendo. A solução pode vir daí. Ela não virá de Paulo Roberto, o volante reserva do Sport, já com 29 anos. Não virá com Jadson, dono de altos salários. Gabriel pode ajudar, mas há uma névoa de incertezas sobre suas condições físicas. Pablo? Pottker?

Está complicado. É hora de ter calma, de levar o barco devagar, pois o nevoeiro é perigoso. É hora de olhar para a história. Não a recente, que resultou na troca de Marciel por Willians, o do short verde (que bobagem a cor de roupa usada por um trabalhador), mas a de Rivellino, Edu Gaspar, Casagrande e que cada um complete sua lista de dez grandes revelações da base, ex-terrão.

picadinhomenon

O PRÍNCIPE BARRADO – Houve um tempo em que o Brasil ansiava por um novo Pelé. Zagallo pensou que fosse Ticão, neguinho de Bauru (muita coincidência) e o convocou para a seleção. Houve outros. O principal foi Ivair Ferreira, chamado de O Príncipe. Também ivairnascido em Bauru e que fez sua carreira na Portuguesa, onde jogou dos 12 aos 24 anos, antes de se transferir para o Corinthians. Em 1964, estava na decisão do Paulistão, quando a Lusa foi derrotada pelo Santos por 3 a 2. A Lusa tinha Orlando; Jair Marinho, Ditão, Wilson Silva e Edilson; Pampolini e Nair; Almir, Henrique Frade, Dida e Ivair. O Santos tinha Gilmar; Ismael, Modesto, Haroldo e Lima; Zito e Mengálvio; Toninho Guerreiro, Coutinho, Pelé e Pepe. O Rei venceu o Príncipe.

Ivair esteve também na lista de 47 jogadores pré selecionados por Vicente Feola para a Copa de 1966. Foi cortado, juntamente com Rinaldo, do Palmeiras. Edu, do Santos, e Paraná, do São Paulo, ficaram com as vagas.

Esta semana, o Príncipe Ivair foi barrado na Portuguesa. Um segurança o impediu de entrar no clube. Há culpados na história? Todo ex-jogador pode entrar no clube? São muitos pontos a se considerar, mas a tristeza é grande. O segurança (provavelmente não conhece nada da história da Lusa) também não conhece Ivair.

E eu apenas consigo me lembrar de Aldir Blanc, o gênio. “É o tempo, Maria, te comendo feito traça em um vestido de noivado”.

Felipe Mello – Achei uma ótima contratação do Palmeiras. O ano tem calendário diferente dos outros, as competições correrão simultaneamente e não há mais aquela possibilidade de vencer a Libertadores e fazer gazeta no Brasileiro. É preciso rodar. É preciso elenco. Felipe entra em um setor que foi muito bem, com Tche Tche e Moisés. Tem estilo diferente, é mais marcador, apesar de ter um bom passe. Mesmo quem não pensa nele como titular, há de reconhecer que é opção mais forte do que Thiago Santos. Quanto às expulsões, elas virão. Aqui, se expulsa até quem pensa em palavrão. Mas não esqueçamos que Gabriel Jesus foi expulso – e merecidamente – em um jogo importante.

Modesto Roma Jr – O presidente do Santos fala em Robinho e traz Kayke. A promessa tão megalomaníaca como vazia serve apenas para criar uma aura de desilusão sobra o novo contratado. Começa no clube como aquele que veio porque Robinho não pôde vir.

Calleri – Se o argentino voltar, o São Paulo terá dado um enorme salto de qualidade na montagem de um bom time. Mas é bom a torcida se acostumar com Colmán, o paraguaio.

Cabe mais um? A Fifa definiu que a Copa do Mundo terá 48 países. Nem o esfacelamento de muitas Iugoslávias e outros tantos de Uniões Soviéticas justifica. Eu só entendo o inchaço em uma situação específica: as Eliminatórias classificam 16 seleções para a segunda fase. A primeira fase reúne 32 times em um mata-mata, já no país sede. Os 16 classificados se unem aos 16 primeiros e segue o baile, como é agora. Apenas um jogo para definir as chaves. Pensando em termos de América do Sul, nas última copas, a quinta vaga foi jogada pelo Uruguai contra a Jordânia (Copa-14), Costa Rica (Copa-10), Austrália (Copa-06) e Austrália (Copa-02). Estes jogos seriam realizados já na sede, como um grande aperitivo. Ganhou, fica na Copa. Perdeu, foi eliminado e volta para casa.

 

 

 


Palmeiras é o time a ser batido em 2017. Vai ser difícil
Comentários Comente

menon

O que é mais difícil: agarrar um porco ou impedir o vôo de um periquito? Seja qual for o mascote escolhido, a missão será dura. O Palmeiras, que perdeu seu treinador e sua grande estrela é, ainda assim, o time a ser batido em 2017. O nível de investimento é maior. O nível qualitativo dos jogadores contratados também é maior.

A primeira lista, com Keno, Rafael Veiga e Hyoran não impressiona tanto. Mas não é diferente dos nomes que os rivais estão trazendo: Sidão, Jô, Kazim, Neílton…

A segunda lista, ainda não concretizada, é que mostra a diferença entre quem tem sonhos e quem tem dinheiro. A torcida do São Paulo faz juras de amor a Felipe Melo, o volante responde dizendo que adora o clube. Mas, como amor é uma coisa e dinheiro é outra, Felipe está com um pé (quase dois) no Palmeiras.

Outro exemplo: o Palmeiras não tinha um bom meia. Trouxe Cleiton Xavier, que não pegou no breu. Então, está trazendo o venezuelano Guerra, grande destaque do Nacional da Colômbia, campeão da Libertadores. E ainda há a possibilidade de Miguel Borja, letal goleador.

Haverá um período de adaptação no comando do time. Eduardo Batista é um treinador com conceitos diferentes de Cuca. Ele prefere o jogo mais cadenciado, com maior posse de bola. Mas os outros grandes terão problemas de adaptação também. Ceni deve utilizar a linha defensica com três jogadores, não necessariamente tres zagueiros. A ala direita pode ser de David Neres. Ele quer dois jogadores com bom passe para iniciar as jogadas de ataque. Podem ser Cueva e Cícero. Deslocará Buffarini para a esquerda. Ainda não tem um centroavante e vai perder João Schmidt. É muita mudança. Um possível time pode ter Sidão; Maicon, Rodrigo Caio e Lugano; Neres, Thiago Mendes, Cícero, Cueva e Buffarini; Gilberto e Nem. Algo assim, muito diferente do que se tem hoje. Muito trabalho para dar certo.

Carille também é novidade no Corinthians. Deve tentar retomar o que Tite fez. Difícil, ainda mais com jogadores como Potker e Jô, que estão chegando. É bastante adaptação. É muita incerteza.

O Santos mantem o ótimo Dorival Jr, que deve implantar a linha de cinco defensiva, com Renato ao lado de Cléber como um dos defensores centrais. Também demandará trabalho.

Todos se mexem. Dos quatro grandes, apenas um tem o mesmo treinador.

E todos correm atrás do Palmeiras, o atual campeão. Periquito ou porco, não interessa. Vai ser difícil…


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>