Blog do Menon

Arquivo : borja

Roger Guedes, o maior erro de Alexandre Mattos
Comentários Comente

Menon

Roger Guedes é um dos destaques do Brasileiro. Talvez o maior deles. Com a camisa do Galo tem sido pródigo em gols e passes decisivos. E ainda tem vínculo com o Palmeiras. E porque faz a alegria dos atleticanos e não dos palmeirenses.

Na verdade, no ano passado, Guedes fazia a irritação dos verdes atingir níveis estratosféricos. Jogava bem um dia e mal nos outros dois. E, em muitos jogos, dava a impressão de ter ficado no ônibus e nem entrado em campo.

A solução foi um empréstimo.

É a solução mais fácil e não a mais correta.

O principal questionamento da situação é o seguinte: por que ele joga lá e não joga aqui?

Culpar o jogador é fácil, é lavar as mãos. Afinal, se o Palmeiras acreditou que poderia tirar Michel Bastos de seu sono eterno e incutir doses de responsabilidade em seu futebol, por que não fazer o mesmo com Guedes?

Como o Palmeiras tem muito dinheiro – é um fato e não uma crítica – não existe paciência com jogador. Vai lá e compra outro. E nem sempre essa ação agressiva é bem vista. Vamos lembrar três casos com Cuca.

Ele não gostava de Borja e pediu um novo atacante. Veio Deyverson, que tem uma indisposição amorosa com a bola.

Ele não gostava de Felipe Melo. Em vez de não escalar, o que é seu direito, afastou jogador dos treinamentos, o que a lei não permite. Melo foi buscar seus direitos e foi reintegrado. Hoje é fundamental ao time. E foi um dos causadores da saída de Guedes, que não gostou de um trote dado por ele.

Cuca queria mais um atacante. Pediu Richarlison, do Fluminense. O Palmeiras combinou tudo com o jogador e esqueceu de falar com o Flu, que se recusou a fazer negócio. Lógico, havia a possibilidade futura de uma negociação com o Exterior, o que se confirmou. Cuca chegou ao cúmulo de dar uma entrevista dizendo que havia falado com Abel, treinador do Fluminense, e garantido que ele não ficaria na mão. Que ele, Cuca, cederia alguns jogadores ao Flu. Ora, Alexandre Mattos ganha bem para Cuca dar uma entrevista dizendo que Abel receberia novos jogadores?

O caso mais recente foi o de Scarpa. O Palmeiras acreditou nos mesmos empresários que haviam quebrado a cara no caso Zeca. Disseram ao jogador que ele seria liberado e iria para o Corinthians. Quando viu que não era nada disso, Andrés pulou fora. E Zeca só saiu em troca de Sasha.

Bem, Alexandre Mattos deixou o Fluminense de lado e foi buscar o jogador, pagando diretamente a ele e a seus empresários. E a Justiça deu ganho de causa ao time carioca. Como fica? Os empresários devolverão o dinheiro e o Palmeiras o repassará ao Flu? Seja qual for a solução, Scarpa, se vier, somente em agosto.

Esse deslumbramento com dinheiro fácil é perigoso. Leva de erros menores como as contratações de Roger Carvalho, Fabiano, Fabrício, Michel Bastos e Juninho, até a perda do destaque do Brasileiro, passando por constrangimentos com um time rival. Constrangimento ainda mais desnecessário porque se transformou em derrota. Duas vezes.

 


Deixa o Borja trabalhar…
Comentários Comente

Menon

O Palmeiras fez um primeiro tempo espetacular. Domínio total, velocidade, jogo pelos lados, chegada pelo meio, Felipe Melo segurando tudo atrás. Decidiu o jogo. E, como é normal, diminuiu o ritmo no segundo. Até o final, quando o quarto gol voltou a ser uma possibilidade concreta. William, que tem muito crédito, errou como nem a querida Vó Stela erraria.

Muito boa a presença de Borja. No primeiro gol, recebeu passe de Keno, ganhou do rival, foi no fundo e cruzou para William. E no terceiro, as funções se inverteram. Ele voltou a ser flecha. Buscou o espaço vazio, recebeu passe perfeito de Lucas Lima e fez o que um centroavante de responsa faz. Meteu pra dentro.

Borja chegou ao Palmeiras carregando uma fama que não correspondia ao seu futebol. O Atlético Nacional havia vendido Copete para o Santos e foi buscá-lo no pequeno Cortuluá, onde tinha 22 gols em 25 jogos. Chegou em meio à Libertadores e foi fatal. Fundamental para o título. Tem 17 gols em 27 jogos. Números muito superiores aos do início da carreira.

Esperava-se uma torrente de gols. Não veio. Houve problema de adaptação, mas o mais importante é que Borja não é o que o torcedor esperava. Não é Evair. Mas é muito útil. É caneleiro, sim. Erra muitas vezes. Mas faz gols com facilidade. Borja é o homem do último toque. É o que se pode esperar dele. Um gol a cada dois jogos. Seria maravilhoso.

Deixem que faça o que sabe fazer. E na quantidade que se pode esperar. O antigo titular é muito melhor, mas já está no Manchester City. Que Borja receba um pouco de paciência para construir sua história no clube. Caneleiro, pero cumplidor.


Palmeiras honrou sua história
Comentários Comente

Menon

O Boca rapidamente fez dois gols e simplificou muito a equação. Ela passou a ter apenas uma variável: para conseguir uma vaga, o Júnior precisava vencer o classificado Palmeiras, em São Paulo.

Uma equação que poderia ser lida de outra forma: se o Palmeiras perder, elimina o poderoso (historicamente falando) Boca.

Na real: se o Palmeiras entregasse o jogo, deixava o Boca de fora.

Mas a gente aqui no Brasil não gosta de palhaçada esportiva. Não temos, em nossa história, um “jogo da vergonha”, como aquele Alemanha 1 x 0 Áustria da Copa de 82, na medida para eliminar a Argélia.

O Palmeiras não é assim..

Ganhou e mostrou a força do elenco.

Ganhou e terminou em primeiro entre todos os participantes.

Ganhou e mostrou que não teme o Boca, a quem derrotou na Bombonera.

Ganhou e recuperou Borja, que fez três gols.

Ganhou e foi digno.


Corinthians x Palmeiras. Hoje tem derby da redenção
Comentários Comente

Menon

Paulo Batista mostra que clássico é clássico

Hoje tem derby.

Derby da redenção.

Para o Corinthians, que ganhou um ponto nos últimos três jogos.

Para o Palmeiras, que perdeu os três clássicos no ano passado.

Uma vitória deixa o Corinthians em paz, pronto para uma arrancada, agora com Alex Teixeira e Sidcley.

Uma vitória deixa o Palmeiras, o melhor elenco do campeonato, ainda mais pronto para voar.

Uma derrota deixa muitas dúvidas para o Corinthians, que não rende como no ano passado. E a pergunta será: Alex Teixeira vai ajudar mesmo?

Uma derrota será o terceiro jogo sem vitórias do Palmeiras e as cornetas soarão: o que adianta tanto jogador se não ganha deles?

É o derby entre os três últimos campeões brasileiros.

É o derby entre os dois discípulos de Tite.

É o derby da recuperação final de Borja?

É o derby do Corinthians sem centroavante.

É o derby de Fagner ou de Dudu: De Maycon deslocado ou de Keno, saindo do banco?

É o derby no estádio mais lindo do mundo.

É o derby no estádio que parece uma impressora.

E, se não fosse tudo isso, ainda assim, seria o derby.

Porque o derby é o derby.

Ele se basta.

 


Máquina Verde engrena com rejeitados de Cuca
Comentários Comente

Menon

O Santos foi a quinta vítima do Palmeiras em cinco jogos. O Mirassol, no sábado, entre pierrôs e colombinas, no início do Reinado de Momo, será o sexto. O time parece imbatível, pelo menos em termos de campeonato. É muito favorito. Foi uma vitória tranquila, iniciada sem que o Santos praticamente houvesse tocado na bola.

Felipe Melo novamente fez uma ótima partida. Tem sido constante. E Borja fez um golaço. São dois jogadores que não cabiam no time de Cuca, o antigo treinador. O que nos leva a pensar no poder absoluto do treinador. No caso de Felipe Melo, Cuca disse que o afastaria do time porque ele tem um estilo de jogo que não se adaptava ao que Cuca queria. Analisemos por aí, sem pensar nos problemas extra-campo criados pelo jogador, inclusive com gravação em que ele ofendia o treinador.

Não caberia a Cuca fazer Felipe Melo se concentrar em jogar futebol? Não caberia a Cuca fazer Felipe Melo se adaptar ao seu estilo de jogo? Não? Tudo bem, não sou adepto de treinador que define um estilo, um esquema e faz o jogador se adaptar a ele. Mas, se fosse o caso, precisava afastar o jogador? (Não estou levando em conta as questões disciplinares).

E Borja? Ainda não é o mesmo do Atlético Nacional. Talvez nunca seja. Pode ter sido apenas um ciclo virtuoso, ou melhor, um ano virtuoso. Mas, está melhorando. Está rendendo bem e fez um belo gol. Com Cuca, não jogava. Aliás, ninguém do elenco servia, porque ele pediu Deyverson, que, convenhamos, também não é nenhum Evair.

É preciso acabar com o poder absoluto dos treinadores. Não dá para ser assim: não está se adaptando ao que quero, afasto e a diretoria que contrate outro. Logicamente, nem sempre o treinador está errado. Há casos em que, como Dorival, ele pede um ponta veloz e recebe um meia lento. Mas o inverso é mais comum. Pedem, pedem, pedem e não abrem mão de seu esquema preferido. Como uma criança tentando colocar um bloquinho redondo em um espaço retangular. O poder absoluto.


Borjão da Massa resolveu a parada
Comentários Comente

Menon

O time do Botafogo tem qualidade. E o calor de Ribeirão Preto é senegalesco, como dizia o querido Renato Fabretti lá na redação do Diário Popular. E o Palmeiras venceu os dois, Botafogo e o calor, com um gol de Borja. No limiar da pequena área, pé esquerdo na bola, sem goleiro. Fácil de fazer? Então, vai lá e faz.

É gol de centroavante, uma função subavaliada dentro do futebol. Já há tempos. Diz a lenda (será mesmo?) que Paulo Leão, centroavante do Guarani nos anos 70, fez cinco gols em um jogo e o jornalista Paulo Rosky lhe presentou com uma nota 2. “Fez cinco gols e mais nada”, foi o comentário.

Borja é assim. O homem do monólogo e não do diálogo. O cara da última bola e não da tabelinha. No ano passado, foi inútil em vários jogos, nada participativo e sem gols. É o risco que se corre. Outras vezes, ele decide. No final do jogo, o Palmeiras teve o contra-ataque para resolver e até golear. O calor e o cansaço impediram, por exemplo, gols de Dudu. Não é só isso, é lógico. Dudu não é nove.

Sem Borja, o Palmeiras tem outras opções. O time fica mais leve e mais ágil com Keno, Dudu e William. O importante é ter as duas opções, as duas possibilidades. E Borja pode ser a opção do nove-nove. Em 2017, não foi.

A torcida deve ter paciência com ele? Ajudaria. O que não pode é esperar dele um rendimento efetivo como era o de César Maluco. Ou, então, esperar dele, coisas de Evair. Aí, é covardia com o Borjão.


Título do Corinthians não foi acaso
Comentários Comente

Menon

Vou contar uma coisa para vocês. Já aviso que parece fantasiosa, coisa de curupira ou boitatá. Até fiquei em dúvida em dizer o que vou dizer. Pensei em buscar provas. Mas, com o risco de passar por mentiroso, de ter minha credibilidade em dúvida, mas vou dizer: houve um tempo em que os torcedores de futebol reconheciam o valor dos rivais. O campeão era respeitado. Havia mais amizade e o ódio não escorria nas redes sociais. Bem, não havia redes sociais. Talvez seja por isso: cara a cara, olho no olho, é mais difícil ofender, colocar na tela os seus mais baixos instintos, como disse o probo Jefferson. Talvez a civilidade fosse apenas fake news.

Tomara que não. Sempre é bom acreditar na viabilidade da espécie humana. Mesmo que seja no passado.

É difícil ver méritos no título corintiano? É difícil o corintiano aceitar uma crítica sem vir com a história do fax? Ou do anti? Tenho um amigo que fala em anti, mas que comprou uma camisa do River para torcer contra o São Paulo, no Morumbi. Decorou músicas em casa, chegou cedo, se misturou com a torcida, arranhou o portunhol, gritou umas bobagens e foi para casa com dois cocos na cuca.

Quem desconhece méritos corintianos, quem se aferra a erros de arbitragem, quem fecha os olhos, está cometendo um grande erro, como eu disse AQUI. Está condenado a cometer o mesmo erro da arrogância e a sofrer na fila.

Em conversa matinal com meu amigo, o engenheiro Pinduca, o sucessor de Elisa, falamos sobre o assunto.

A contratação de Clayson foi um grande acerto. Ele jogou muito bem na Ponte.

Gabriel, que eu considero uma mala e um jogador desrespeitoso com os rivais, foi outro acerto. O Palmeiras o liberou para gastar os tubos com Felipe Melo. Os dois são marqueteiros, mas Gabriel não tentou derrubar o treinador e, apesar da maldade que coloca em muitas jogadas, subiu na fase final do Brasileiro.

Jô não foi um acaso. Foi uma aposta em quem estava mal, mas que tinha muita identidade com a torcida. Aposta ou não, rendeu muito mais que Borja ou Lucas Pratto.

Pablo? Foi um grande acerto. Chegou, formou ótima dupla com Balbuena e o Corinthians tenta mantê-lo no elenco. Com que dinheiro? O dinheiro da venda de Arana. E aí está outro grande acerto. O Corinthians conseguiu manter Arana, mesmo com grande assédio e mesmo não tenho uma situação financeira estável. Comparem com o São Paulo.

Carille foi um grande acerto, o maior de todos, mesmo não tendo sido a primeira opção. Quando Rueda não pôde vir, manteve-se Carille. Certíssimo.

Erro?

Kazim, o marqueteiro perna de pau. Não joga nada e todo mundo sabia disso.

Então, é assim. É  muito mais fácil falar de Kazim, Drogba, Pottker e juiz do que de todos os acertos.

Muito mais fácil. E muito mais errado.


Palmeiras pagou 50 milhões por seis gols. Artilheiros de pólvora molhada
Comentários Comente

Menon

O Palmeiras, com o grande apoio da Crefisa (mérito do Palmeiras) não tem medo de errar. Se contrata um jogador que não corresponde às expectativas, vai logo buscar outro. O problema é quando o segundo também não resolve. É o que está acontecendo com os goleadores. Ou melhor, com os que foram contratados para serem goleadores.

Borja e Deyverson são artilheiros. De pólvora molhada. Cada um deles fez três gols no Brasileiro. Hernanes, que não é atacante, fez sete. E custaram pouco. E não recebem pouco.

O colombiano veio por 10 milhões de euros. Já não foi bem com Eduardo Baptista. Com a chegada de Cuca, caiu ainda mais. Chegou a ser escalado para os cinco minutos finais de um jogo. É um brigador, um atacante de área, um definidor. Não se espere mais do que isso. Cuca queria mais e pediu outro atacante.

E veio Deyverson, por 5 milhões de euros. É mais participativo, briga mais fora da área, faz pivô, disputa bola no alto, mas gol que é bom, é pouco, quase nada. Cuca diz que confia nele, que é titular e que está correspondendo dentro de campo. Fala, mas se não jogar bem em 2018, logo virá outro atacante. Antes dele, o Palmeiras tentou Richarlison e Diego Souza.

São 50 milhões de reais. Sem contar o que foi gasto com Felipe Melo. Muitos palmeirenses respondem com ostentação: o time é rico, a patrocinadora é forte e se não der certo, nós (sim, eles falam como se fossem donos do clube) contratamos outro.

Tudo bem, aceitemos essa tese do dinheiro farto. Mas, se não há perigo de vermelho nas contas, pelo menos deveria se esperar um rendimento esportivo muito maior do que o que se vem.

Se for para não ganhar nada, melhor gastar pouco.

E meu amigo Dassler Marques traz um dado interessante ao post. Barrios não serviu para Cuca. Gabriel Jesus teve jejum com Cuca. E Deyverson e Borja faziam gols aos montes antes de serem dirigidos por Cuca.

 


Sete contratações que se transformaram em micos
Comentários Comente

Menon

Todos os grandes clubes apostam em seu departamento de estatística para diminuir a possibilidade de erros em contratações. Nada que envolva julgamento humano tem 100% de possibilidade de acerto, o que se tenta é errar menos. E, apesar do trabalho feito, sempre há o que parecia ouro e se revela pó. Alguns exemplos, a seguir. É uma lista em ordem alfabética e que não tem a pretensão de abarcar todos os nomes.

8086


Barcelona impede Palmeiras de enfrentar o Real Madrid
Comentários Comente

Menon

O Palmeiras tinha o Real Madrid na mira. Perdeu para o Barcelona, de Guayaquil. Toda a programação foi montada, com altos investimentos, para que o time vencesse o Mundial. A Libertadores era tratada como um trâmite, como algo burocrático. Não é exagero. Todo jogador contrata do fazia o discurso combinado. Vim para o Mundial. Não irão.

Não vi o jogo, pois estava trabalhando na partida do Galo. Mesmo assim, posso dizer que Moisés foi épico. Voltou de uma contusão grave e fez seu segundo jogo. Marcou um gol e ainda, mancando, acertou o pênalti.

Como não vi o jogo, posso falar apenas do ano. E foram muitos erros. Erros que eu não critico porque pareciam acertos.

Quem diria que Borja, artilheiro da Libertadores passada, fosse jogar tão mal no Palmeiras? Peso da camisa? Estilo de jogo? Mas jogador que só rende em um esquema é pouco, não é?

Quem diria que Felipe Melo se perderia em bazófias e pouco futebol. Falou muito, gritou, bateu e, quando colocado na reserva, revelou-se um comandante de si mesmo.

Cuca, o Salvador. Veio para resolver, após uma passagem ruim de Eduardo Baptista. E nada melhorou, não é? Foi eliminado na Copa do Brasil e tem mínimas, para não falar nenhuma, chance no Brasileiro.

Michel Bastos não se firmou.

E, entre tantas contratações, não sobrou dinheiro para um bom lateral esquerdo.

O Palmeiras agora precisa colocar a cabeça no lugar e lutar para estar na próxima Libertadores. O sonho de disputar o Mundial continua.