Blog do Menon

Arquivo : neymar

Willian foi mais que Messi. E Renato Augusto?
Comentários Comente

Menon

Quando for um velhinho aposentado e quiser impressionar seu netinho, Willian poderá dizer que no dia 20 de fevereiro de 2018, jogou bem mais do que Messi. Se houver alguma dúvida, é só mostrar a gravação do jogo. Os dois fizeram os gols do empate, mas Willian superou o gênio. Além do gol, acertou as traves, uma de cada lado e sofreu faltas duras.

Messi, ao contrário, sucumbiu à marcação do Chelsea, principalmente de Kanté. Não conseguiu escapar, não conseguiu um espaço para atacar e chutar. Mas, Messi é Messi e, quando Iniesta roubou a bola e cruzou para trás, todo mundo, inclusive Courtois, sabia que o argentino não erraria. Pela primeira vez, marcou no Chelsea. Um tabu a menos.

A atuação de Willian é daquelas que, se compararmos com F-1, é como um carro se aproximando do líder e pedindo passagem. Galvão Bueno diz que chegar é uma coisa, ultrapassar é outra, mas a verdade é que a batata de Renato Augusto está assando. Precisa fazer muita coisa na China para se comparar com o que Willian tem feito na Inglaterra e na Liga dos Campeões.

Em 2014, ele chegou perto de Oscar, mas a ultrapassagem não ocorreu. Oscar foi até o final e fez o gol contra a Alemanha, no dia do vexame vergonhoso que Scolari chamou de apagão.

Muito bom para Tite porque Renato Augusto tem um bom histórico na seleção, sob seu comando. Caiu nos últimos jogos, mas, quando todos estiverem reunidos para a preparação final, poderá crescer e lutar por sua posição. Não vai ser fácil, não. Quem supera Messi em um jogo, pode muito bem superar Renato Augusto na briga pela vaga junto a Paulinho, Coutinho e Neymar.


Tite e os oito últimos passageiros rumo a Moscou
Comentários Comente

Menon

Em entrevista aos repórteres Danilo Lavieri, Dassler Marques e Pedro Ivo Almeida, do UOL, Tite definiu 15 nomes para a Copa do Mundo. Faltam, então, oito nomes. E eu me lembro do colega Roberto Benevides, com quem cobri a seleção brasileira lá no início dos anos 90. Eu dizia “Parreira deve chamar fulano” e ele me explicava: “você está raciocinando com os seus conceitos. Precisa raciocinar como se você fosse o Parreira, com os conceitos dele. Assim, fica mais fácil”.

Vou tentar fazer isso. E vou, já que eu sou muito aparecido, dar meus palpites também.

O interessante – e muito bom – é que vejo muitas notícias sobre o fato de o tal “radar” de Tite estar muito aberto. A cada semana, fala-se de outros nomes. Tite está aberto a novas chamadas.

Os nomes definidos por Tite são:

Goleiros – Alisson

Laterais – Daniel Alves e Marcelo

Zagueiros – Miranda, Marquinhos e Thiago Silva

Volantes – Casemiro e Fernandinho

Meias – Renato Augusto, Paulinho, Coutinho, Neymar, Willian

Atacantes – Gabriel Jesus e Firmino.

Defini a lista baseando-me no esquema 4-1-4-1 e as especulações também serão feitas pensando assim.

O que falta então?

Goleiros

EDERSON – é uma certeza, acredito mesmo que Tite tenha tido um lapso de memória ao não dizer seu nome.

CASSIO – Teve uma chance contra o Japão e falhou, sofrendo um gol de cabeça, em que ficou estático no gol. Mesmo assim, tem muita confiança do treinador.

Os outros nomes perderam espaço. Wendell é terceiro goleiro do Palmeiras. E Tite deixou claro que Vanderlei não é uma opção concreta para ele. Talvez Diego Alves tenha uma oportunidade, mas o jogo parece definido.

Minha opinião – Também levaria Cássio e Ederson

Laterais

DANILO – Teve chance de jogar como titular contra o Japão e rendeu bem. Como Fagner está caindo muito, ficou bem perto da Copa. Edílson deve ter alguma chance, mas não creio que ameaçará.

ALEX SANDRO – Jogou bem contra o Japão e, como é mais talentoso, deve ganhar a vaga de Filipe Luiz. Arana pode ser uma surpresa.

Minha opinião – Levaria Danilo e Filipe Luiz. Sou retranqueiro.

Zagueiros

RODRIGO CAIO – Jémerson falhou feio contra o Japão. Foi superado na bola alta, o que é lamentável, quando falamos de atacantes japoneses. O zagueiro do São Paulo tem sido muito constante nas chances que teve na seleção (mais do que no clube) e tem a admiração de Tite pela conduta na seleção olímpica e por uma certa liderança.

Minha opinião – Eu levaria Geromel, sem dúvida. Tem jogado em alto nível há tempos. E, para esticar um pouco, não levaria Thiago Silva e teria muitas dúvidas em relação a Marquinhos. Mas, como eles estão definidos…

MEIAS E ATACANTES

Com Casemiro e Fernandinho definidos, não haveria mais vagas para um volante, para o homem mais atrasado do meio. Mas é importante notar que Tite tem dado chances a Fernandinho na linha de frente (como um dos 4 e não como o 1), o que abriria uma vaga mais atrás. Tite também busca um atacante mais incisivo pelos lados do campo. O tal radar estaria olhando para Richarlison, David Neres e Malcon. E um atacante de área, mais fixo também seria uma opção. Por isto, fala-se em Willian José, que se machucou. No meio, há Lucas Lima, Diego Souza e Talisca, que está sendo observado, além de Giuliano. Douglas Costa, Taison e Luan.

Acredito que os nomes de Tite serão:

ARTUR – Penso que as experiências com Fernandinho abrem uma fenda enorme para o garoto do Grêmio.

MALCON – Está jogando muito na França.

GIULIANO – Teve muitas chances com Tite, correspondeu e não vejo ninguém “atropelando” em sua posição.

Eu levaria Artur, Malcon e Jô. Para mim, é fundamental ter um atacante de área, com presença, bom de cabeça.

Assim, acredito que os oito passageiros de Tite serão: Ederson, Cássio, Danilo, Alex Sandro, Rodrigo Caio, Artur, Giuliano e Malcon.

Os meus seriam Ederson, Cássio, Danilo, Filipe Luiz, Geromel, Artur, Malcon e Jô.

E vocês?


Neymar está nas cordas
Comentários Comente

Menon

Neymar sim. E não o PSG. Porque aqui não se trata de clichês do tipo “quando ganha, todo mundo ganha quando perde, todo mundo perde”. Se perder para o Real Madrid, o PSG continuará sendo o que tem sido: um time sem tradição, com muito dinheiro e lutando para mudar de patamar. E, para impulsionar a mudança, apostou em….Neymar, transformado na maior transação da história do futebol. Também trouxe Mbappé e outros, mas o nome do projeto, a cara do projeto é Neymar.

Se o PSG ganhar a Liga dos Campeões, será por conta de Neymar, mesmo que não seja. O título que dará ao PSG o direito de ombrear-se aos gigantes da Europa será creditado ao brasileiro. Então, como pau que bate em Chico, bate em Francisco (obviamente, estamos falando de futebol e não de meandros da justiça brasileira), caberá a ele o ônus do fracasso.

E além do fracasso do projeto PSG, também haverá o fracasso de outro projeto. O projeto pessoal de Neymar. Ele mudou de time para ser o melhor do mundo. Para ser o astro principal. Para ter um time seu. E tem exercido com maestria. Jogando muita bola, é claro, mas também exercendo o direito adquirido. Aqui, quem manda sou eu. Neymar não moveu uma palha pelo coletivo, pela harmonia do grupo, sempre mostrou que o time era ele. Que o time era dele. Então, o fracasso será dele.

Se houver fracasso, é lógico. O jogo está aberto, apesar de o Real Madrid começar o jogo em Paris classificado. E continuar classificado, mesmo que o PSG marque um gol. Neymar já esteve em situação parecida no ano passado. Duas vezes. Na primeira, após derrota por 4 x 0, comandou o Barça na famosa virada por 6 x 1, que classificou o time para a semi da Liga dos Campeões. A vítima? O PSG, seu time atual. Seu time atual. Nos dois sentidos.

Foi uma partida memorável do craque. Ofuscou Messi, Iniesta e todos os outros companheiros de Barcelona. E, embora não mandasse no clube, como manda hoje, foi o grande nome do jogo.

Na segunda vez, em que esteve nas cordas, Neymar não pôde ajudar o Barcelona. Um 0 x 0 após derrota por 3 x 0, deixou o time fora da decisão, classificando a Juventus. Não se pode culpar Neymar, é claro. O time não era dele. Ele apenas fazia parte dele.

E, como disse meu amigo Luis Augusto Monaco, da CHUTEIRA FC , qual será o ânimo de Neymar em se dedicar ao insosso campeonato francês, sabendo que seu projeto de ser o melhor do mundo está adiado por um ano?


Tottenham aposta em Lucas; o Grêmio em Maicosuel
Comentários Comente

Menon

Tottenham, da Inglaterra, e Grêmio, do Brasil, fazem, no mesmo dia, apostas em jogadores desvalorizados. Apostas que mostram o desnível do futebol brasileiro em relação ao inglês, tamanha a diferença entre Lucas e Maicosuel. Diferença econômica, é claro, porque não há nível de comparação entre os jogadores brasileiros e os ingleses. A História comprova. E também, é imperativo dizer, o Grêmio é muito maior que o Tottenham. Maldita economia que nos faz sempre estar no sótão do futebol.

Lucas saiu do Brasil com 20 anos. E hoje, aos 25, está muito desvalorizados. Custou 40 milhões de euros ao PSG e sai por 28 milhões. Os franceses perderam 30% do que gastaram nele. Quando saiu, o São Paulo esperava por uma revenda em pouco tempo para um dos grandes da Europa, por muito mais que os 40 milhões, o que, pelo mecanismo de solidariedade lhe renderiam um bom dinheiro. Não foi o que ocorreu. O PSG ficou rico e decidiu que não havia mais lugar para Lucas. O clube cresceu e o jogador encolheu.

Quando Lucas deixou o Brasil, a demência que rege a rivalidade entre torcidas, fez com que são-paulinos ousassem compará-lo com Neymar, após haver marcado 33 gols em 128 jogos pelo clube. No PSG, jogou 229 vezes e fez 46 gols. Teve bons momentos, mas nunca se firmou. E teve um comportamento que considero muito errado, comparado com o de Kaká no Real Madrid. Acomodou-se. Acostumou-se em jogar pouco. Só reagiu, quando, do banco passou às tribunas. Deveria ter saído antes. Deveria ter lutado antes. Que, em seu novo clube, mostre a paixão pelo futebol e a vontade de vencer que tinha antes.

Maicosuel é outro caso. Não há comparação entre ambos. Ele é apenas mais uma aposta do Grêmio em jogadores encostados. Pode dar certo ou não. Acho muito difícil. O São Paulo pagou R$ 3,6 milhões por ele no ano passado. Praticamente o que receberá agora, pela venda de Lucas ao Tottenham. Para “se livrar” de Maicosuel, pagará metade do seu salário enquanto estiver no Grêmio. No São Paulo, ficou marcado por muitas contusões e poucos jogos. E também por haver recusado receber salários enquanto não se recuperasse; O São Paulo acertou. Um acordo que, de parte a parte, atenta contra o profissionalismo.

Voltou das férias treinando muito forte. Foi elogiado por todos, mas, na estreia, levou alguns dribles humilhantes na derrota por 2 x 0 para o São Bento. Parece que houve indisciplina, após isso.

Enfim, é assim. Um gigante brasileiro precisa se contentar em recuperar um jogador que não deu certo em outro gigante. E o Tottenham, que venceu o campeonato inglês apenas duas vezes, a mais recente delas há 47 anos (temporada 60/61), fica com Lucas.


Neymar, mimado, pode ser o melhor do mundo?
Comentários Comente

Menon

A rádio “El Larguero” deu a notícia e os jornais AS e Sport repercutiram: Florentino Perez, presidente do Real Madrid, estaria disposto a tudo para contratar Neymar na próxima janela. E “tudo” significa incluir Cristiano Ronaldo no negócio, como parte do negócio. Sim, daria CR7, que tem monopolizado prêmios de melhor do mundo e mais dinheiro por Neymar.

Poderia ser um impulso para que a previsão de Xavi, grande destaque do Barça há alguns anos, pudesse se concretizar. Ele disse que após a aposentadoria de Messi e Cristiano Ronaldo, haveria um período de três ou quatro anos com Neymar dominando o mundo do futebol.

Concordo com a previsão, mas vejo Neymar sofrendo concorrência dura de jogadores em ascensão, como Mbappé. Não há no horizonte nenhum jogador que seja entronizado como o melhor, sem concorrência. Como Pelé, como Maradona….

O que poderia facilitar a vida de Neymar é ter uma atitude mais profissional em campo. Melhorar o seu jeito de encarar as constantes vitórias e parcas derrotas. É difícil porque nunca lhe ensinaram isso. O empresário Wagner Ribeiro e o pai, Neymar, sempre o trataram como alguém especial, destinado a brilhar, a ser o maior de todos. E, se a realidade ainda não confirmou a previsão, azar da realidade.

Cada zagueiro, cada volante, cada juiz é considerado alguém como um intruso, alguém disposto a fazer com que a previsão não se concretize. Um bandido a impedir a estrada do heroi. Neymar tem sempre um sorriso irônico para o zagueiro. Sempre tem um ar de superioridade com o árbitro que não aceitou sua versão sobre a queda. Difícil acabar com a fama de piscineiro.

Quando a situação fica mais difícil, Neymar apela. Em outubro de 2016, empurrou um zagueiro Vezo, do Granda, na escada que levava os dois times aos vestiários, em jogo na Espanha. Faz por mal? Logico, afinal sabe o risco que ocasionaria uma queda. E por que faz? Porque não aceita ser desrespeitado por um inferior.

Para ser o melhor do mundo, Neymar tem duas opções. A primeira é esperar a aposentadoria de Messi e de Cristiano e esperar o trono cair no seu colo. Há o perigo, pequeno na minha opinião, de ser atropelado por algum novo jogador. A segunda opção é supera-los antes da aposentadoria ou antes da queda física. Para isso, é necessário se espelhar em Messi e Cristiano Ronaldo, que possuem uma postura mais profissional em campo. Eles sabem que jogadores inferiores têm o direito de estar em campo e que estão em campo para impedir que seu enorme talento prevaleça. São obstáculos a serem suplantados, não seres desprezíveis que nem deveriam estar ali. Ou que, já que estão, que se limitem a aplaudir.

Talvez, na infância, os pequenos Lionel, Cristiano e Neymar, tivessem, diante de uma vitrine com muitos brinquedos, a mesma reação. Bater o pé e exigir que os pais lhes dessem o presente. No futebo, Cristiano e Lionel já superaram essa fase. Neymar precisa fazer o mesmo urgentemente.


Pouco Neymar para muita retranca
Comentários Comente

Menon

Catenaccio italiano. Ferrolho suíço. E o que a Inglaterra apresentou contra o Brasil, como se chama. R E T R A N C A. Me lembrou de uma foto da seleção do Uruguai, no Maracanã, na véspera do jogo decisivo da classificação para a Copa de 94. Os 22 jogadores, mais dirigentes e ídolos da Copa de 50 posaram na frente do gol. Um recado de que não passaria nada. Romário não viu a foto e logo fez dois gols e acabou com a pose celeste.

Neymar foi o melhor do Brasil no duro teste. Um lindo passe de trivela para Gabriel Jesus, algumas arrancadas, bons passes, mas faltou muito. Faltou porque nada mais funcionou e tudo ficou em suas mãos. Ou pés. Precisava ter brilhado mais, ousado mais, triplicado o que fez. Talvez assim, o Brasil vencesse.

E, se o brilho de Neyar foi insuficiente, o motivo está na má partida dos outros. Ao se fechar, com cinco zagueiros e três volantes e tendo pouca velocidade de contra-ataque, a Inglaterra deu um grande espaço para o Brasil trabalhar no meio-campo.

E não funcionou.

Faltou a projeção de Paulinho ou até de Casemiro. Uma chegada forte, vida de trás. Só apareceu com Fernandinho.

Faltou jogo ofensivo aos laterais. Daniel estava irritado e Marcelo, blasé. Pouco ataque.

Faltou drible.

A meu ver, Tite deveria ter colocado Willian ao lado de Coutinho, saindo Renato Augusto. Ele preferiu tirar Renato Augusto e colocar Fernandinho. Uma opção válida que ele tem levado em conta.

Em resumo, no dia em que pôde escalar sua seleção principal, com todos os titulares, Tite não conseguiu descobrir o segredo do cadeado. Precisava de um mágico. E o mágico foi bom, apenas. Precisava ser ótimo, já que os assistentes….


Neymar, Coutinho e Jesus. Um trio de ouro que ninguém mais tem
Comentários Comente

Menon

Trio de Ouro

Dalva de Oliveira, Herivelto Martins e Nilo Chagas criaram o Trio de Ouro, que fez grande sucesso nos anos 50 do século passado.

Gabriel Jesus marcou na dura vitória do City 100% sobre o ótimo Napoli. Coutinho fez um dos sete gols do Liverpool sobre o fragílimo Maribor. Firmino fez dois, mas vamos falar dos outros dois. Jesus e Coutinho formam uma dupla de coadjuvantes para Neymar que ninguém mais tem. Um trio de ouro.

Cristiano Ronaldo é mais que Neymar, mas não tem ninguém a seu lado. Ninguém de nível. Bernardo Silva é o melhor.

Messi é o maior de todos. Tem Dybala e Di Maria, mas eles ainda não renderam. A Argentina, enquanto time, não existe. É um bando de bons jogadores esperando Messi resolver. Tudo pode mudar, pois Sampaoli é bom treinador, mas ainda não.

Alemanha, Bélgica e França são concorrentes fortes do Brasil na Copa do Mundo da Rússia. São times bons, com alguns trios (Pogba, Mbappé e Griezman; Hazard, De Bruyne e Lukaku; Kroos, Muller e Draxler) mas não tem um destaque. Podem até vencer a Copa, principalmente Alemanha e França.

Mas ninguém tem um trio tão homogêneo como o Brasil. Neymar tem companheiros que fariam inveja a CR7 e Messi, os melhores do mundo. Com esses três, Tite tem uma base muito boa. Um trio de ouro, com coadjuvantes ótimos como Paulinho, Marcelo e Daniel Alves. Dá para fazer um grande time.


Et nóis. O melhor ataque do mundo
Comentários Comente

Menon

A Europa está avisada, como disse o L’Equipe. O PSG, como Átila, o Rei dos Hunos, o Flagelo de Deus, que subjugá-la.

O torcedor do PSG tem todo o direito do mundo de achar que Neymar, Mbappé e Cavani formam o melhor ataque do Planeta Terra. Mesmo porque o MSN não existe mais. Messi e Suárez perderam Neymar e viram Dembelé, o substituto, se contundir.

E o BBC é muito eficiente, matador, pode até ser o melhor de todos, mas falta magia a Bale. BBC pode ser o melhor, afinal lá está Cristiano Ronaldo, mas qual seja a sopa de letrinhas do PSG (NMC, NCM, MNC, MCN, CNM ou CMN) representa um futebol mais leve, mais fluido, mais elegante e bonito.

As deslocações envolvem também Cavani. O uruguaio saía da área quando o dono dela era Ibra. Pode sair novamente, para a chegada de Neymar, Mbappé ou dos que vêm de trás, como Draxler ou Rabiot.

Os 6×2 contra o Bordeaux foram uma aula de passes rápidos, passes curtos, bolas enfiadas, passe de letra e cobrança de falta genial. Didi, nosso Folha Seca, faria melhor. Em quantidade, talvez. Mas aquela de Neymar na manhã de sábado, foi incomparável.

O PSG parece, pelo menos externamente, haver aparado as arestas entre os jogadores. Neymar cobrou a também a falta. Neymar cobrou o pênalti. Manda quem pode, obedece quem tem juízo. Esperemos o próximo pênalti para ver se há um rodízio, ou se o dono do time também é o dono da bola parada.

A defesa do PSG não mostrou a mesma beleza de seu ataque. E nem a mesma eficiência. O pênalti em Cafu era desnecessário e Meunier mostrou ser o típico defensor que não perde a viagem. E o primeiro gol do Bordeaux foi uma linda linha de passes pelo meio da defesa do PSG. Logicamente, há a ressalva de que Daniel Alves e Thiago Silva não estavam em campo.

Podia ser vira cinco e acaba dez, mas o PSG tirou o pé e se contentou com “apenas” seis.


Neymar, Cavani, Dani, Mbappé…Paris é uma festa
Comentários Comente

Menon

O PSG está jogando um futebol de sonhos. Um futebol de festa. Em Paris. O tridente Neymar, Mbappé e Cavani, devidamente assessorado por Daniel Alves e Rabiot está escrevendo uma história inesquecível. É lógico que o investimento é sinônimo de exigência de título, mas, mesmo que não venha (coloquei no singular porque só a Liga dos Campeões é que vale), mas é muito bom desfrutar o que se está vendo a cada partida. Uma ode ao futebol que gostamos.

A mobilidade de Neymar e Mbappé é impressionante. O brasileiro na direita, na esquerda e no meio. O francês, pelos lados. E, se Neymar saiu do Barcelona para não ser sombra de Messi, é bom saber que terá, em pouco tempo, uma grande sombra. Mbappé será para Neymar o que Neymar foi para Messi.

E há Cavani, um matador implacável. É difícil entender como o Uruguai, com apenas três milhões de habitantes e com um futebol baseado muito na postura defensiva, pôde produzir, ao mesmo tempo, três artilheiros como Cavani, Suárez e Forlán.

Falta fraternidade no PSG. Os cumprimentos entre Cavani e Neymar ainda são protocolares. Mas a igualdade (entre oibes atacantes) e a liberdade para criar estão lá presentes.

Paris é uma festa. E um aviso para Barcelona, Madri e Londres.


Golaço de Neymar contra a homofobia
Comentários Comente

Menon

Neymar usou as redes sociais para se posicionar sobre a decisão que considera homossexualidade como doença e possibilita tratamentos de reversão. A chamada “cura gay”. Ele postou uma música de Lulu Santos que diz: “consideramos justa toda forma de amor”. Uma grande atitude do jogador, colocando-se ao lado da modernidade e contra o obscurantismo.

O silêncio dos atletas sobre assuntos que não são o seu esporte é gritante, ensurdecedor. Murilo, do vôlei, é crítico à gestão de Ary Graça…e quem mais, mesmo? O basquete brasileiro está acabando e ninguém fala. Guilherme Giovannoni é o representante dos atletas junto ao NBB e vai jogar pelo Vasco, time que atrasou salários na temporada passada. Ele nunca se posicionou junto aos companheiros. O presidente do COB é suspeito de corrupção e… nada.

Joanna Maranhão, salvo engano, é uma voz solitária contra os desmandos de Coaraci.

A Bolsa-Atleta tem problemas, foi diminuída e pode acabar e… nada.

E jogadores de futebol? Nunca falam nada de nada. Posicionaram-se há dois anos juntamente com o Bom Senso, mas graças apenas a líderes como Fernando Prass e Rogério Ceni, que estava em atividade e outros que já haviam se aposentado. O Bom Senso acabou e, mesmo antes disso, Ceni já havia aceitado participar de uma viagem da seleção, como consultor ou algo assim. Juntamente com diretores que ele havia criticado. Tite assinou um manifesto contra Del Nero e, ao aceitar o cargo de treinador, o beijou.

Nesse contexto total de alienação, é importante o que Neymar fez. Principalmente por ser em um caso que é controverso no Brasil. É, mas não deveria ser. Há milhares de pastores “médicos de gays” prontos para faturar e para criticar Neymar.

Homossexualidade não é doença. Homofobia é doença.