Blog do Menon

Arquivo : real madrid

Timão mantém receita e terá sucesso em 2018
Comentários Comente

Menon

Pequena viagem aos anos 70:

Segunda-feira – Virado à paulista

Terça-feira – Bife a rolê

Quarta-feira – Feijoada

Quinta-feira – Macarrão com frango

Sexta-feira – Peixe à dorê

Sábado – Feijoada.

O cardápio nos botecos do centro eram imutáveis. Bons restaurantes também o replicavam, com mais qualidade, é lógico. Na saída do banco, antes de ir para o cursinho, com amigos como Zé Roberto, Nelsinho Juncioni, Edinho (saudades do amigo), Jorginho Tequila ou quando me encontrava com outros casabranquenses como Irineu, Zimbres e Laércio, era sempre o mesmo cardápio.

Eu gostava. Gosto de comida assim, caseira. Feijão, farinha e pimenta me fascinam. Hoje (ou será que já existia naquele tempo) há restaurantes que servem espuma e feijoada desconstruída. Vi uma foto, uma vez. Eram bolinhas parecidas com as de gude da infância, mas recheadas de feijoada. Nada daquele prazer de misturar o feijão, a farinha, o caldo de feijão com pimenta, a costelinha….bem, a couve vocês podem levar…Banana e torresmo, não.

A falta de dinheiro fez com que o Corinthians tivesse um time pé no chão no ano passado. Aquela comida caseira muito bem temperada pelo Mestre Carille. O resultado, todos viram. Dois títulos importantes.

A situação financeira não melhorou, pelo menos que eu saiba. E três destaques se foram: Arana, Pablo e Jô. O que fazer, senão buscar a melhor reposição possível. O Corinthians foi ao mercado e, com parcimônia e sem loucuras está trazendo boa reposição. Juninho Capixaba é um lateral promissor, apesar de não ter sido um grande destaque no Brasileiro. Carille viu, gostou e pediu. Ele merece crédito, apesar de have pedido o Kazim. E aí está o Capixaba, com o Guilherme Romão na reserva.

Henrique está chegando para a zaga. Está bem, eu concordo que Scolari errou muito em levar Henrique à Copa. Miranda é muito mais. Também concordo que Henrique virou folclore no Barcelona, mas nada disso vale agora. É um bom zagueiro, mais que bom, na verdade. Não vai pesar a camisa e tem condições de suprir a saída de Pablo.

E, se o Corinthians perdeu um dos artilheiros do campeonato, está trazendo o outro. É uma falsa verdade. Ou melhor, uma verdade insuficiente para explicar a diferença técnica entre Jô, que sai, e Henrique Ceifador que deve vir. Jô é muito mais técnico, sabe jogar fora da área, é mortal caindo ali pela esquerda….mas o que não se pode negar é que Henrique sabe fazer gols. E é o melhor cobrador de pênaltis do mundo.

Ainda vieram Renê Jr, que eu considero um jogador muito bom. É versátil, pode fazer as três funções do meio (volante, volante de saída e até de chegada na área rival) e Júnior Dutra, que fez bom campeonato.

Vai dar tudo certo? Novos títulos virão? Não sei e ninguém sabe.

Mas a receita foi mantida. E ela fez muito sucesso. Se nada desandar….


Clubes brasileiros podem apostar no talento, como faz o Real Madrid
Comentários Comente

Menon

Qual foi o esquema utilizado pelo Real Madrid na decisão contra o Sevilha? Bem, havia um goleiro e quatro zagueiros. E depois? 4-1-2-3? 4-2-3-1? 4-2-1-3? 4-1-4-1? Todas as anteriores? Não sou muito de números explicando um jogo, mas é possível dizer que todas as situações foram utilizadas por Ancelotti, sem contarmos o avanço de Carvajal ou Coentrão.

O importante é notar que qual seja a disposição em campo de Kroos, Modric, James, Bale, Benzema ou Cristiano, são seis jogadores que sabem jogar bola. E entraram em campo para jogar. Não foi como Oscar, praticamente um terceiro volante no Mundial.

Kroos e Modric se revezavam como primeiro volante. E também estiveram juntos. James foi o único armador ou teve o auxílio de Kroos ou Modric? Ou ainda teve Bale e Cristiano como companheiros na linaha de três armadores? Benzema era um atacante solitário ou tinha Bale de um lado e Cristiano de outro?

Em todas as situações, o Real NÃO ABRIU MÃO de ter o domínio do jogo. Era ele quem mandaria no jogo, estava definido desde, desde….antes de entrar em campo. O exemplo está aí e pode ser seguido. Sim, eu sei que nenhum time tem tantos jogadores desse nível. Parece que o valor do Real Madrid chega a 466 milhões de euros.

Mas, se não se tem os melhores do mundo, que se escale os melhores do elenco. Apostar no toque, no domínio da bola. Lembrar que jogadores como Denílson, Ralf e Alison deveriam tentar a vida como zagueiros. Como Mascherano no Barça. Como volante, não. É preciso mais para ser um jogador que inicia as jogadas de ataque.

É preciso entender o volante como alguém que vai iniciar as jogadas de ataque e não apenas impedir as jogadas do rival.

Por que não jogar com Souza, Kaká e Ganso, Pato, Luis Fabiano e Kardec? Ou Osvaldo?

Elias, Renato Augusto e Jadson, Romarinho, Guerrero e Romero?

Jean, Conca e Cícero, Wagner, Sobis e Fred?.

Willians, Aranguiz e Dalessandro, Alan Patrick, Alex e Rafael Moura?

Arouca, Lucas (Ronaldinho Gaúcho vem?) e Gabrial, Thiago, Damião e Robinho?

Wesley, Valdivia e Allione, Mouche, Henrique e Leandro?

Essas escalações que fiz com ajuda do Jonas Magalhães (@jonasrio_sp) não são definitivas. São apenas indicativos de que é possível apostar na qualidade. Na melhor qualidade possível.

É preciso ver como se fazer a melhor recomposição possível, como não ser um time totalmente desprotegido e outras coisas importantes. É preciso apostar e treinar.

Mas o Alison já está na seleção olímpica, como me lembra meu amigo Giovane Martineli, o @giomartineli.

Um mês depois dos 7 a 1, Alison aparece como um possível nome para a próxima Copa.

É preciso mudar, antes que nada mude.


Alemanha cada vez mais forte para a Copa-14
Comentários Comente

Menon

A goleada do Borussia Dortmund sobre o Real Madrid apenas um dia após o atropelamento do Bayern sobre o Barcelona confirma a Alemanha como um dos favoritos à Copa do ano que vem. No mínimo, será um time a ser observado e “degustado” com prazer. Como estão jogando bonito os alemães! Como pode jogar bonito a seleção!
 
Não é novidade. Nas últimas três Copas, os alemães foram vice em 2002 e terceiros em 2006 e 2010. Antes disso, chegaram às quartas em 98 e 94 e ganharam em 90. Sempre estão lá. Pragmáticos, fortes, não interessa. Sempre estão. E agora, mostram uma geração de jovens talentosos que pode fazer a diferença.
 
Ter grandes craques no elenco também não é novidade para os alemães. Jogadores como Beckenbauer, Breitner, Seeler, Overath, Fritz Walter e Rahn estão na história do futebol. 
 
O que mais me impressiona, uma vez mais, é a qualidade dos volantes. Como diz meu amigo Rubens Leme da Costa quando foi que o Brasil desistiu de ter volantes que tratem bem a bola, que saibam passar, chegar ao ataque e chutar? Na Europa, recuam meias para serem volantes. No Brasil, escalamos volantes como meias. 
 
Com Khedira, Schweinsteiger, Thomas Muller, Mario Gotze, Marco Reus, Ozil, e Podolski há muitas opções para  meio-campo. Neuer é bom goleiro, Lahm é um dos principais laterais do mundo e ainda há Mario Gomez, Schmelzer, Metersacker, Boateng, Hummels (deu uma de Guinei, mas tudo bem) há jogadores de qualidade em quantidade.
 
Borussia Dortumund e Bayern de Munique podem fazer a base da seleção alemã. Real e Barça podem fazer a base da seleção espanhola. E o que se viu nessa semana foi uma grande superioridade dos alemães. Com uma agravante: o maior do Real e o maior do Barça não são espanhois.
 
Alemanha, Espanha, Holanda, Argentina e Brasil, quem ganha a Copa?

< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>